Revisão do Benefício

Meu post desse mês trata da carta que recebi do INSS LEIA MAIS AQUI me convocando para “revisão do Benefício” LEIA MAIS AQUI .Estou aposentada por invalidez há mais de dez anos. Fui surpreendida pela médica perita dizendo que estava encaminhando para análise a solicitação da minha aposentadoria. Em menos de 15 dias veio a resposta favorável pelo correio. Foi difícil no inicio pela questão financeira e pelo rótulo de “incapaz”. Precisei adaptar minha vida, me reinventar. Em menos de um ano eu consegui ajustar minha cabeça e meu bolso.

Trabalho desde 16 anos com Educação. Fui professora praticamente toda a minha vida e quando me aposentei lecionava filosofia em Universidade. Depois que o susto passou, revi meus conceitos e nada mais legítimo e honesto com meus alunos que eu estivesse afastada. Minha memória estava comprometida, minha visão também e a oscilação do humor era constante. Quase nunca conseguia cumprir com as turmas da manhã porque a fadiga não deixava. A EM salvou a minha vida de uma rotina exaustiva, porém, deixou em mim sequelas irreversíveis – na vida é assim: para ganhar temos que perder! SEMPRE. “Revisão do benefício” em uma doença incapacitante, grave e sem cura… foi isso que me aconteceu! Inimaginável! Mas o pior não é fazer perícia. Embora eu esteja longe dessa rotina faz um bom tempo, tenho meus exames e laudos médico que comprovam o meu estado de saúde. O problema foi como aconteceu… Recebi a carta um mês depois dela chegar na casa do meu ex-marido e nela consta que eu tinha um prazo de 05 dias do recebimento para agendar a perícia ou o benefício seria suspenso. Já passava-se quase um mês do recebimento quando a carta chegou em minhas mãos! Imediatamente entrei na minha conta corrente onde o benefício é creditado e ele não estava lá (evidente, a data era o dia seguinte)! Na hora eu caí em prantos… O susto foi tão grande que eu não conseguia raciocinar! Já era noite e ainda assim, depois de eu me recompor, liguei para o 135 para saber o que estava acontecendo. Foi a melhor coisa que eu fiz! A atendente me tranquilizou e disse que eu estava no prazo, agendou minha perícia e ainda conversou um pouco comigo… Foi um soco no estômago, mas a situação já estava contornada.

O dia seguinte… Depois do susto com a carta convocação da “revisão do benefício” meu corpo inteiro grita! Não conseguia colocar os pés no chão de tantas dores, uma fadiga sem fim e uma tristeza que só em escrever aqui eu choro. Ontem, fui parar no hospital para afastar a possibilidade de infecção. Eu sei que não tenho infecção, mas é rotina quando as coisas acontecem dessa forma. Não podemos bobear. Minha neuro me acompanhou o tempo todo… Tudo okay! Menos o invisível: fibromialgia e depressão. Duas heranças possíveis da EM. Muitos de nós que temos EM temos a depressão, fibromialgia e neurite óptica em nossas vidas! Eu tenho as três! Agora é esperar o tempo agir. Ficar em repouso e nada além. Remédio para dor é lenda no tratamento da fibromialgia… O Mantidam nem é tão eficiente no tratamento da minha fadiga, principalmente quando perco o controle da minha vida de forma tão brusca. A aposentadoria me trouxe qualidade de vida! Preciso dela para continuar a viver bem – afinal a aposentadoria por invalidez tem essa função, inclusive. Não escolhi ter EM! E se ela chegou eu preciso viver com ela da melhor forma que eu puder.

Mantenha sempre seu endereço atualizado, ao receber a carta de “revisão do benefício” ligue para o 135 em qualquer horário. Sempre terá alguém para atende-lo com educação e calma (a qualidade do meu atendimento foi fundamental para mim), mesmo que os cinco dias já tenham passado – agendar a perícia quando solicitado é lei e deve ser cumprida.