Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Oi Amigos

Hoje predomina no sistema educacional um relacionamento educador-educando analogamente, segundo Freire, a uma relação bancária. É uma relação depositante (educador) e depositário (educandos).

Esse sistema se sustenta por uma comunicação voltada a narração e a dissertação ou a discursos que partem de uma fonte para outra, num único sentido. Esta situação tem uma característica estática, sem mobilidade. O aprendizado é manipulado por quem faz os discursos e prima por incentivar a memorização. Por isso a grande ênfase na sonoridade, na repetição e não em uma proposta transformadora e crítica.

Esta característica estática gera “alienação pela ignorância” conforme escreve Freire.

Como o depositário não percebe sua formação estática, não-questionadora, acaba por aceitar de forma incondicional os elementos que são passados neste processo de pseudo-aprendizagem.

A atitude de não-questionar é interessante para as elites que dominam o sistema porque mantém o “status quo ” e mantém o domínio desses dominantes. Segundo Freire: “nenhuma ordem opressora suportaria que os oprimidos todos passassem a perguntar: Por que?”

Há outra característica deste sistema bancário de educar: o arquivamento de informações (os depósitos). Este arquivamento aliado a estaticidade da proposta, impede a criatividade do educando e sua transformação intelectual.

A estagnação da dimensão criativa do ser humano leva ao sofrimento. Segundo Freire, “ao obstaculizar a atuação dos homens, como sujeitos de sua ação, como seres de opção, frusta-os” por isso sofrem. Este sofrimento provém do fato de se haver perturbado o equilíbrio humano. Este sofrimento desumaniza a pessoa humana, exigindo uma resposta libertadora a tais mecanismos de sustentação e alienação da estrutura dominante de poder.

Questionar este sistema bancário deve pelo menos ser sensível aos humanistas. Não podemos ser ingênuos a ponto de acreditar que a proposta de mudança partirá das elites dominantes. É de responsabilidade dos humanistas, lutarem contra esta concepção bancária da educação por motivos de coerência ideológica, pois esta concepção vai de contra a qualquer valor humanitário, diminuindo e estagnando a pessoa humana como sujeito histórico social e agente de mudanças. O humanismo consiste em permitir a tomada de consciência de nossa plena humanidade, como condição e obrigação: como situação e projeto”.

Esta re-humanização, que chamaríamos ao processo de libertação da alienação, não é algo teórico e discursivo. Deve ser uma práxis que leva a ações e reflexões, levando com isso a uma abertura de visão das estruturas do aprendizado e necessariamente a questionamentos e exigências de ações modificadoras destas estruturas. Segundo Freire, “a libertação autêntica, que é a humanização em processo, não é uma coisa que se deposita nos homens. Não é uma palavra a mais, oca, mitificante. É práxis, que implica a ação e a reflexão dos homens sobre o mundo para transformá-lo”.

A educação problematizadora aparece, segundo Freire, como proposta de uma oposição a concepção bancária de educação, construindo consciência e conscientização e por isso de caráter libertador.

Problematizar é perceber as estruturas de determinado tema ou situação. Esta percepção não se dá em um movimento unilateral educador-educando, como é o caso da concepção bancária. Este problematizar acontece através do relacionamento participativo, onde educador educa e é educado, e educando é educado e educa. Esta interdependência permite a superação da contradição entre educador e educando tornando os dois parte de um mesmo processo de aprendizado.

A interdependência vai discutir e provocar a consciência de ambas as partes. Segundo freire, “ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo. Os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo”. Portanto, o processo de aprendizado é algo contínuo, aberto e indefinido. A única certeza é a incerteza, e por isso não podemos limitar, nem definir, os caminhos do aprendizado por aquilo que acreditamos, sob pena de estarmos alienando e regulando o crescimento intelectual humano. Aprender de forma consciente é a essência do ser.

O conhecimento se faz pela “emersão das consciências que resulta na inserção crítica da realidade”. Conforme escreveu Jean-Paul Sartre, “a consciência e o mundo se dão ao mesmo tempo: exterior por essência à consciência, o mundo é, por essência, relativo a ela.

A pessoa humana é um “ser inconcluso, consciente de sua inconclusão”, por isso buscará sempre questionar e se realizar em sua existência. Conforme escreveu Heidegger, “existir é um constante indagar do ser-no-mundo (dasein)”.

Por fim, a conscientização é o único caminho para um aprendizado que humaniza o educando, o educador e a sociedade em si, permitindo os questionamentos como forma modificadora e inspiradora de mudança e transformação.

Problematizar é o primeiro passo para uma concepção educacional humanizadora e libertária. A continuidade desta conscientização, e por que não dizer, a metodologia desta concepção, acontece pelo diálogo entre educando-educador.

Existem dois pressupostos para iniciar um diálogo com intuito educativo, são eles:

  • Amor ao humano: segundo Freire, “o amor é compromisso com os homens, o ato de amor está em comprometer-se com sua causa. A causa de sua libertação. Este compromisso, porque é amoroso, é dialógico”.
  • Fé no humano: Freire também escreve, que “Não há diálogo, se não há intensa fé nos homens. Fé no seu poder de fazer e refazer. De criar e recriar. Fé na sua vocação de ser mais, que não é privilégio de alguns eleitos, mas direito dos homens. A fé nos homens é um dado a priori do diálogo”.

O diálogo deve acontecer com as seguintes motivações e preocupações:

  • Compreensão do universo das partes: Tomás de Aquino apresentou a idéia de que “em um diálogo, deve-se primeiramente afinar os conceitos”. Portanto é necessário compreender os conhecimentos, as percepções, os propósitos e até mesmo as limitações culturais do educando e do educador. É um processo de conhecimento para direcionar o processo dialético que virá a seguir. Este aspecto é o que Paulo Freire chamará de “momentos de investigação”.
  • Liberdade intelectual: sem liberdade não existe diálogo, e sim monólogo. É preciso ter plena liberdade de apresentar seus questionamentos, suas críticas e dúvidas para que o processo de aprendizado não seja superficial.
  • Dialética de aprendizado e transformação: este diálogo tem um fim claramente definido, o de realizar o aprendizado pela consciência através da conscientização, aproximando assim a concepção de mundo do educando e do educador da realidade. Quaisquer outras motivações e objetivos não fazem parte de uma concepção educacional, como seria o caso, por exemplo, de diálogos apologéticos extremos.
  • Práxis: é papel do diálogo conduzir a uma práxis conscientizadora e atuante, como agente transformador e realizador da existência humana. O crescimento e o aprimoramento educacional passam pela realidade concreta humana e devem influenciá-la, caso contrário, caímos novamente na concepção bancária da educação.

É pela prática do diálogo pedagógico e intelectualmente honesto (pressupostos do diálogo) que se realiza a educação problematizadora. Esta é um processo de libertação e de realização humana. Não propomos aqui um método educacional e sim uma postura que tem como princípio fundamental o direito da pessoa de ser humana no sentido existencial da palavra.

Um abraço

Rodrigo

Explore mais

Qualidade de Vida

Compartilhando minha história

Olá, lindezas. Tudo bem com vocês? Hoje eu vim compartilhar minha história.   Chamo-me Larissa. Fui diagnosticada com Esclerose Múltipla em 2014 e estou aqui para

Sintomas e Tratamentos

Possíveis e necessárias mudanças

por Suzana Gonçalves A cada passo na esclerose múltipla, estamos suscetíveis a surtos e sustos também, um novo processo pela frente e mais uma dose