O FRIO E A ESCLEROSE MÚLTIPLA

Olá meus queridos amigos múltiplos, espero que estejam bem. Depois de mais de vinte dias viajando estou bem feliz mas também bastante cansada.
Durante o nosso roteiro Dublin, Barcelona e Paris pegamos grandes mudanças de temperaturas. Saímos da Irlanda num frio de 5 graus para 24 em Barcelona, depois encerramos em Paris com 12. 
Bem chegamos em casa e a nossa temperatura estava 17 na hora de dormir e fiquei pensando muito nesse post que um dia escrevi no meu blog, avidacomesclerosemultipla, que a cada ano ocorre a mesma coisa,  então achei interessante postar para vocês uma atualização dele.
É sobre o frio mesmo que estou pensando. Por acaso acontece com vocês de chegar o frio e algumas pessoas comentarem, na maioria das vezes alguém da família: Agora sim tá bom né? Você não fica melhor no frio? É verdade que conheço muita gente que prefere o frio, gente que tem EM como companheira, eu até já fui uma delas. A gente sabe que o calor exacerba os sintomas e o fenômeno de Uhthoff comprova isso.
Mas e o frio? No inverno a incidência dos surtos aumentam. Sinto muita dor muscular, acordo com a panturrilha latejando como se houvesse feito exercícios, as costas doem como se eu carregasse um saco de feijão na lombar. Por que feijão?  Porque me lembrei da musica do jumento em saltimbancos, lembram? rsrsrs
O corpo todo parece que está moído, para levantar da cama e ir até o banheiro é um aiaiai, porque está dificil de manter a coluna ereta, mas isso também porque estou meio fora de forma e por enquanto sem tempo de me dedicar a isso. Pelo menos enquanto não souber o que vou fazer da vida.
Falta de exercício provoca uma dor terrível no nervo ciático que tenho há muito tempo. E com frio piora muito.
No frio que está fazendo por aqui sinto as minhas extremidades, mãos, nariz e pés virando uma pedrinha de gelo, mas isso é por causa da minha síndrome chique a de Renault. 
Para dormir dou a antiga dica de colocar uma manta no lugar do lençol para as costas ficarem bem quentinhas e a gente nao sentir aquele formigamento e arrepio pela coluna pra não ter agonia.
  Confesso que depois de um surto com esses formigueiros eu fico um pouco tensa ao sentir elas subindo pelas costas.
No fim de semana, para aqueles que podem um vinhozinho tinto não há nada melhor pra esquentar, ainda com uma musiquinha pra balançar o esqueleto, esquenta mesmo e a gente se sente ótima!!!!
Até as dores dão uma trégua rsrsrs. Mas tem que ser moderado o vinho tinto porque ele é hipertônico, acelera nossos batimentos cardíacos e aumenta a temperatura, ou seja, pode exacerbar nossos sintomas e fazer a gente se sentir mal.
Na minha primeira vez em Paris, tomei uma taça em plena primavera e meu mundo girou rapidamente, e aquela leve fadiga deu o ar da graça. Foi a partir daí que me apaixonei pelo Rosé e até hoje é o meu preferido para nossa temperatura tropical. 
O negócio é a gente se aquecer e evitar o estresse, já que os surtos na maioria das vezes podem ser desencadeados pelo mal do século. Por isso devemos manter a mente sempre atenta, eu sei que é muito difícil no nosso dia a dia mantermos a calma em certas situações, mas já me peguei ficando nervosa por coisa tão pequena perto da nossa qualidade de vida que na hora que começo a sentir a respiração ofegante, o mundo começando a rodar (tontura) já é um sinal que o estress está afetando o meu sistema nervoso e para aquilo virar uma bola de neve e mexer com o meu emocional é muito fácil. Procuro respirar fundo e firmar meu pensamento "não vou ficar nervosa com isso", agora quando a coisa é grave, procuro agir, fazer alguma coisa pra solucionar o problema ou pedir ajuda, não mais ficar passando mal sem saber o que fazer, isso é angustiante e mais ainda estressante.
E vocês amigos como passam durante o período de frio? Contem aqui pra gente.
Meus queridos vou colocar uma meia no pé e me aquecer no edredom que já estou com frio….
Mil beijinhos quentinhos!!!