Segurança de medicamentos orais para EMRR em uso no mundo real corresponde ao que foi observado em pesquisas

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

De acordo com estudo, a presença ou não de eventos adversos a medicamentos orais para EM, comparáveis ​​aos encontrados em ensaios clínicos, não influenciou a adesão a tratamentos 

 

Pessoas com Esclerose Múltipla remitente-recorrente (EMRR) que usam terapias modificadoras de doenças (TMDs) orais aprovadas geralmente toleram bem os tratamentos, com perfis de eventos adversos no mundo real semelhantes aos observados em ensaios clínicos, indica uma análise de dados dos EUA.

Os resultados também sugerem uma alta adesão a essas terapias – o que significa que as pessoas geralmente estão tomando as terapias conforme prescrito, mesmo aquelas que relatam um evento adverso.

A análise foi conduzida pela AllianceRx Walgreens Prime em conjunto com a Duquesne University School of Pharmacy, e os resultados foram apresentados na conferência anual de 2021 da Academy of Managed Care Pharmacy, realizada virtualmente em abril.

Os pesquisadores usaram receitas de farmácia e dados clínicos cobrindo 10.370 adultos com EMRR, que haviam concluído as avaliações clínicas iniciais e pelo menos uma renovação de receita entre 1º de julho de 2019 e 31 de dezembro de 2020. Cerca de três quartos das pessoas eram do sexo feminino e mais da metade tinha entre 40 e 59 anos. Aproximadamente um terço das pessoas analisadas ​​residia na região Sul, enquanto outro terço residia no Meio-Oeste.

“Nossas descobertas revelaram mais pacientes na parte sul dos EUA em comparação com o norte”, disse Scott Carson, da AllianceRx Walgreens Prime, que ajudou a conduzir a análise, em um comunicado à imprensa.

A terapia oral mais comumente usada foi Tecfidera (fumarato de dimetila), prescrito para quase metade das pessoas (45,3%), enquanto a menos comum foi Vumerity (fumarato de diroximel), prescrito para apenas 0,6% das pessoas. Os pesquisadores observaram que o Tecfidera estava disponível há mais tempo (aprovado pela primeira vez nos EUA em 2013), enquanto o Vumerity era uma terapia oral relativamente nova, obtendo a aprovação dos EUA em outubro de 2019.

No total, 257 pessoas (2,5%) mudaram de uma terapia oral para outra ao longo dos 17 meses do estudo. Entre elas, 53,7% mudaram para uma terapia na mesma classe de medicação – o que significa uma terapia diferente que funciona da mesma maneira – enquanto o restante mudou para uma terapia em uma classe de medicação diferente.

Os pesquisadores avaliaram a adesão calculando a Proporção de Dias Cobertos, ou PDC, uma medida de quantos dias uma pessoa tomou sua medicação conforme as indicações.

O PDC é relativamente simples de calcular a partir dos dados de prescrição. Por exemplo, se uma pessoa recebe uma prescrição de um remédio para 30 dias e ela renova a receita depois de 35 dias, entende-se que, por cinco dias, ela não estava sendo tratada de forma adequada. Como tal, o PDC é de 30 de 35 dias, ou cerca de 86%.

Todos os medicamentos avaliados tinham PDCs semelhantes – cerca de 80%. Notavelmente, os PDCs foram semelhantes entre as pessoas que relataram ou não relataram um evento adverso ao medicamento (EAM).

“O estudo não encontrou nenhuma diferença estatisticamente significativa na adesão à medicação medida pela proporção de dias cobertos (PDC) com base na presença ou ausência de um EAM relatado. Isso pode ser uma indicação de que as TMDs orais são bem toleradas do ponto de vista do EAM”, disse Carson.

“No entanto, a análise contabilizou apenas a presença ou ausência de um EAM e não levou em consideração seu tipo, frequência ou gravidade”, acrescentou.

Os eventos adversos a medicamentos foram relatados por mais da metade das pessoas (61,5%) que mudaram de uma terapia para outra, enquanto foram substancialmente menos comuns em pessoas que continuaram com uma determinada terapia.

Isso sugere que os EAM geralmente levam as pessoas a trocar de terapia. Mas alguns que trocaram não tiveram relatos de EAM, então “a não adesão de uma pessoa e o comportamento de troca podem não ser apenas devido aos EAM”, escreveram os pesquisadores, observando a necessidade de mais pesquisas para identificar os fatores que afetam esses comportamentos.

Em outras análises, os pesquisadores relataram a frequência relativa de EAM comuns associados a diferentes tipos de terapias orais para EM.

Para ativadores de fator nuclear, nomeadamente Vumerity e Tecfidera, os eventos adversos mais comuns foram rubor (54,7%), dor abdominal (8,8%) e diarreia (4%).

Entre os moduladores do receptor de esfingosina 1-fosfato – fingolimode (vendido como Gilenya, genéricos disponíveis) e Mayzent (siponimod) – os EAM mais comuns foram dor abdominal (17,8%), fadiga (9,7%) e dor de cabeça ( 9,4%).

Para Aubagio (teriflunomida), um inibidor da diidroorotato desidrogenase, os EAM mais comuns foram queda de cabelo ou fios mais finos (22,5%), dor abdominal (12,2%) e diarreia (11,7%).

Em termos gerais, os EAM relatados são comparáveis ​​ao que foi encontrado em ensaios clínicos de vários medicamentos.

O estudo demonstrou que os dados de EAM do mundo real estão alinhados com os dados de EAM de ensaios clínicos – uma descoberta importante”, disse Rick Miller, vice-presidente de prática clínica e profissional da AllianceRx Walgreens Prime.

 

Fonte: MS News Today

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Explore mais