Pé caído na Esclerose Múltipla: causas, tratamentos e mais

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Entenda o que você pode fazer em relação ao pé caído, sintoma que prejudica o caminhar de pessoas que convivem com Esclerose Múltipla

 

O pé caído envolve a dificuldade em levantar a parte frontal do pé, o que pode causar dificuldades ao caminhar. É um sintoma comum da Esclerose Múltipla (EM), mas também pode ser causado por outras condições neurológicas ou danos físicos a um nervo.

Pessoas com esse sintoma tendem a andar levantando o joelho, como se estivessem subindo uma escada. Outros sintomas da EM relacionados com músculos e nervos podem agravar os desafios apresentados por esta condição.

Existem muitas opções de tratamento, desde aparelhos ortopédicos a fisioterapia e cirurgia. Elas podem não restaurar completamente a marcha normal, mas muitas vezes podem reduzir significativamente os sintomas e tornar a caminhada mais fácil.

Pé caído e EM

Como a EM interrompe a comunicação entre o cérebro e o corpo, problemas relacionados aos nervos são comuns. Sensações de dormência ou formigamento nas extremidades costumam ser os primeiros sinais de Esclerose Múltipla.

Os problemas do sistema nervoso podem evoluir para complicações mais sérias. O pé caído é o resultado de uma fraqueza no músculo tibial anterior, que é controlado pelo nervo fibular profundo.

Os problemas de locomoção relacionados ao pé caído podem ser agravados por outros sintomas da EM.

A dormência nos pés pode se tornar tão intensa que alguém com EM pode ter dificuldade para sentir o chão ou saber onde seus pés estão em relação ao chão. Essa condição é chamada de ataxia sensorial. A ataxia é um problema de controle muscular que impede a coordenação do movimento.

Muitos sintomas da EM podem causar dificuldades para andar. A sensação geral de fadiga que acompanha a EM faz com que os músculos das pernas fiquem cansados ​​e a tensão ou espasmos nos músculos das pernas podem agravar os problemas de locomoção. Mesmo sem pé caído, caminhar pode ser um desafio para as pessoas com EM.

Outras causas de pé caído

Embora a EM seja uma causa comum de pé caído, o problema relacionado à marcha também está associado a outras condições de saúde. Essas incluem:

O pé caído também pode ser causado por lesões nos nervos que controlam os músculos que levantam o pé. Os nervos afetados podem estar no joelho ou na parte inferior da coluna.

Outras causas incluem cirurgia de quadril ou joelho e diabetes. Danos nos nervos do olho, que podem resultar em dor ao mover o olho ou até mesmo perda de visão, também podem causar dificuldades para andar.

Outras causas de pé caído incluem compressão nervosa ou hérnia de disco.

Opções de tratamento para pé caído

O tratamento para o pé caído depende principalmente da causa e da extensão da condição. O tratamento de uma hérnia de disco, por exemplo, pode resolver o pé caído. Mas a cirurgia da coluna pode não resolver o problema das pessoas com EM.

Órteses

Uma variedade de órteses, como cintas e talas, estão disponíveis. Algumas são usados ​​nos sapatos, enquanto outras são usadas ​​ao redor do tornozelo ou perto do joelho.

Um dispositivo amplamente utilizado é a órtese tornozelo-pé (AFO). Ela ajuda a manter o pé em um ângulo de 90 graus com a perna para apoiá-lo. Embora possa ajudar a melhorar sua marcha, ela pode exigir um sapato maior para acomodar a órtese. Uma AFO também pode se tornar desconfortável se usada por longos períodos de tempo.

A estimulação elétrica durante a caminhada também pode ajudar a reduzir os sintomas de pé caído. Este tratamento também é conhecido como estimulação elétrica funcional (FES). Pequenos dispositivos usados ​​perto do joelho respondem ao movimento da perna e enviam estímulos elétricos leves ao músculo para ajudá-lo a se mover corretamente.

Um estudo de 2013 mostrou que o tratamento com AFO e FES melhorou a velocidade da marcha para pessoas com pés caídos relacionados a um derrame.

Fisioterapia

A fisioterapia também pode ajudar. Uma variedade de exercícios pode fortalecer os músculos das pernas e melhorar a flexibilidade. Trabalhar com um fisioterapeuta que tenha conhecimentos sobre EM e pé caído pode ser especialmente útil.

Cirurgia

Se órteses ou fisioterapia não resolvem suficientemente a condição, existem várias soluções cirúrgicas que podem ajudar.

Uma transferência de tendão é uma solução em potencial. Normalmente, isso envolve a transferência de um tendão que geralmente vai para uma parte diferente do pé e direciona-o para o topo do pé para substituir o tibial anterior.

Outro tipo de cirurgia funde o pé e o tornozelo para remover a carga do músculo fibular. No entanto, este procedimento reduz a flexibilidade do tornozelo.

Vários estudos mostraram os benefícios de cirurgias específicas para tratar várias causas de pé caído, como aliviar a compressão do nervo fibular e melhorar a força muscular do tibial anterior (TA).

Todas as cirurgias apresentam riscos, por isso é importante entrar em contato com seu médico sobre todas as suas opções de tratamento. Se você vai fazer uma cirurgia, certifique-se de entender os riscos, benefícios e resultados de longo prazo de sua escolha.

Vivendo com pé caído

Caminhar com o pé caído pode ser um motivo de constrangimento e te cansar mais facilmente. Mas, como alguns outros sintomas da EM, muitas vezes pode ser tratado com sucesso.

Você não tem que lidar com o pé caído sem ajuda. Conversar com seu médico e trabalhar com um fisioterapeuta são duas etapas que você pode seguir para tratar o pé caído.

 

Fonte: Healthline

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Explore mais