AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Ligação genética encontrada em uma doença imune desafiadora

Ligação genética encontrada em uma doença imune desafiadora

No maior estudo genético feito até hoje sobre um distúrbio de imunodeficiência desafiador, os cientistas identificaram um gene que pode ser um "elo perdido" entre a atividade imunológica hiperativa e a hipoatividade. O gene candidato também desempenha um papel chave em doenças autoimunes, tais como diabetes de tipo 1, artrite reumatoide e alguns tipos de alergias.

Os pesquisadores analisaram o distúrbio comum variável da imunodeficiência (ICV), no qual as respostas de anticorpos fracos levam a recorrência, infecções bacterianas do trato respiratório muitas vezes graves.

"Embora esta descoberta não leve a aplicações clínicas imediatas, ele gera novas oportunidades para compreender as causas subjacentes de diferentes doenças imunológicas, e, eventualmente, o desenvolvimento de testes de diagnóstico mais eficazes e terapias", disse o líder do estudo co-, Hakon Hakonarson, MD, Ph.D ., diretor do Center for Applied Genomics no Hospital Infantil da Filadélfia (CHOP).

Hakonarson é o autor correspondente do estudo publicado online em 20 de abril Nature Communications. Seus líderes co-estudo eram Lennart Hammarstrom de Karolinska Hospital, Estocolmo; Eva Ellinghaus, de Christian-Albrechts-University, em Kiel, Alemanha; e Tom Hemming Karlsen do Hospital Universitário de Oslo, Noruega.

ICV ocorre em cerca de um em 25.000 indivíduos, crianças e adultos, em populações europeias. As células B com defeito no sistema imunológico causam um baixo nível de anticorpos, deixando pacientes vulneráveis ​​a infecções recorrentes. Algumas infecções podem causar danos pulmonares permanentes.

Pelo menos 25 por cento dos pacientes com CVID têm várias desordens autoimunes, em que o corpo monta respostas imunes hiperativa. Estes incluem artrite reumatoide, doenças do estômago e do intestino, e trombocitopenia autoimune, uma doença hemorrágica. Defeitos de células B podem também aumentar o risco de um tipo de linfoma. Assim, muitos pacientes com ICV podem desenvolver sintomas resultantes de uma mistura de ambas as componentes imunológicos insuficientes e hiperativos de disfunção imunológica.

No estudo atual, os cientistas procuraram diferenças genéticas entre 778 pacientes com ICV e 11.000 pacientes de controle, tudo a partir de os EUA, Reino Unido, Alemanha, Suécia e Noruega. Eles usaram o Immunochip, uma ferramenta de genotipagem personalizada para detectar centenas de milhares de polimorfismos de nucleotídeo único (SNPs) já associados com 12 doenças relacionadas ao sistema imunológico.

Hakonarson e os colegas tinham descoberto em 2011 que ICV foi ligada à região do gene HLA-relacionada no cromossomo 6p21; o estudo confirmou que a associação. Que codifica a região do gene para o complexo HLA (antígeno de leucócito humano), um grupo bem conhecido de proteínas que ajuda a reconhecer microrganismos invasores.

Neste estudo, os investigadores encontraram algo a mais, o candidato robusto para um gene de risco em ICV: região do gene CLEC16A no cromossoma 16p13.13. "Este é o primeiro gene de suscetibilidade ao risco de ICV identificado por um estudo de associação do genoma que não codificar para o complexo HLA", disse Hakonarson.

Ele acrescentou que a região do gene CLEC16A oferece um alvo muito atraente para a compreensão ICV. No estudo atual, a equipe de pesquisa internacional mostrou em testes com cobaias animais, que os ratos com atividade reduzida no gene correspondente tinham níveis mais baixos de células B, as células do sistema imunológico que são esgotados na doença humana. Além disso, estudos genéticos anteriores por Hakonarson e outros investigadores verificaram que as alterações em CLEC16A aumenta o risco de diabetes tipo 1, a doença inflamatória do intestino e outras doenças autoimunes.

"Os mecanismos biológicos que causam os sintomas da doença em ICV ainda não estão claros", acrescentou Hakonarson ", mas este estudo pode sugerir que função alterada em CLEC16A e suas proteínas associadas podem representar um" elo perdido "entre imunodeficiência e autoimunidade em ICV. Isto pode oferecer novas oportunidades para eventualmente projetar tratamentos mais eficazes."

Children’s Hospital of Philadelphia – 22/04/2014. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta