AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Estudo revela rede do cérebro responsável por alterações cognitivas na EM

Estudo revela rede do cérebro responsável por alterações cognitivas na EM

Estima-se que 2,3 milhões de pessoas estejam vivendo com esclerose múltipla (EM) ao redor do mundo. Aproximadamente metade de todos os indivíduos com EM vivenciam mudanças na cognição, como dificuldade de concentração, atenção, memória e julgamento. A base do cérebro subjacente para esses efeitos deletérios tem sido em grande parte indescritível. Novas descobertas publicadas na área da Neuropsicologia revelam que a diminuição da conectividade entre regiões cerebrais específicas da rede são os culpados para o déficit central comum às várias alterações cognitivas associadas com a EM, diminuiu a velocidade cognitiva.

No primeiro estudo deste tipo, pesquisadores do Centro para BrainHealth na Universidade do Texas em Dallas e The University of Texas Southwestern Medical Center descobriram que, em comparação com controles saudáveis, os indivíduos com EM exibem conexões cerebrais mais fracas entre o córtex pré-frontal dorsolateral e regiões do cérebro posterior. A mudança eleva-se a uma falha de comunicação entre a parte do cérebro responsável pela execução de pensamento meta-dirigida e de ação e as regiões responsáveis pela execução das tarefas relacionadas com a velocidade cognitiva, como o processamento visual, execução motora, e reconhecimento de objetos. Os pesquisadores acreditam que as conexões diminuídas sejam provavelmente o resultado de uma diminuição da substância branca em torno dos neurônios no cérebro.

"Nosso estudo é o primeiro a realmente concentrar-se na fisiologia da velocidade cognitiva, o déficit cognitivo central em EM", explicou Centro para BrainHealth principal pesquisador Bart Rypma, Ph.D., que também exerce a presidência Meadows Foundation em UT Dallas. "Embora a matéria branca seja essencial para a comunicação eficiente da rede, a degradação da substância branca é um sintoma da EM. Este estudo realmente destaca como firmemente conectado a este desempenho e ilumina um cenário maior, saindo da importância da matéria branca no desempenho cognitivo humano."

Colaborando com Elliot Frohman, MD, Ph.D., diretor do Programa de esclerose múltipla e Clínica Center em UT Southwestern, o estudo recrutou 29 participantes com EM remitente-recorrente e 23 de idade e sexo pareados controles saudáveis. Os participantes foram submetidos a ressonância magnética funcional, enquanto completavam uma medida da velocidade de processamento cognitivo. Os participantes receberam 4 segundos para exibir uma chave de nove itens de números e símbolos pares (por exemplo '+' acima do número 3) e uma sonda de número par-símbolo. Os participantes foram convidados a indicar com a mão esquerda ou direita e pressionar o botão com o polegar ou a sonda não apareceria na chave.

Enquanto a precisão foi similar para ambos os controles saudáveis e indivíduos com EM, os tempos de resposta para os indivíduos com EM foram muito mais lentos. A análise dos dados de RMf  revelou que ao completar esta medida, pacientes com EM mostraram ligações funcionais mais fracas com córtex pré-frontal dorsolateral.

"Estes resultados revelam um padrão difuso de disconectividade com áreas executivas do cérebro", explicou o principal autor do estudo, Nicholas Hubbard, um doutorando no Centro de BrainHealth trabalhar com o Dr. Rypma. "É importante ressaltar que estas diminuições na conectividade foram previstas pela relação EM-cognitiva retardando tanto dentro como fora do ambiente analisado pela RMf, e sugerindo que esses resultados não sejam específicos para a nossa tarefa, mas capazes de generalizar para outras situações em que é necessária a velocidade cognitiva".

Esta pesquisa apóia a necessidade de terapias que visem estruturas de substância branca e proliferação da substância branca. Rypma e Hubbard estão atualmente realizando pesquisas para explorar melhor a fisiologia da matéria branca para entender melhor as reduções cognitivas de velocidade não só na EM, mas também em indivíduos saudáveis como caus do envelhecimento.

Center for BrainHealth – 07/07/2015. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *