AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Descoberta proteína que pode regular doenças autoimunes

Descoberta proteína que pode regular doenças autoimunes

A quantidade de molécula circulante distingue uma resposta normal ao sistema de imunológico de uma desordem.
O sistema imunológico protege o corpo contra bactérias, vírus, fungos e outros agentes patogénicos que causam infecções. Mas às vezes algo dá errado e ele ataca o corpo, causando as chamadas doenças autoimunes (como o lúpus e a esclerose múltipla). O tratamento é particularmente difícil, porque você não pode desativar o sistema imunológico sem que isso acarrete em perigosas infecções. Assim, a descoberta de uma proteína que regula esta resposta pode envolver um grande passo para a obtenção de tratamentos específicos que não alterem o funcionamento normal das defesas. Esta é a linha de um artigo publicado em relatórios científicos, pelo grupo Nature, uma equipe do Centro Nacional de Biotecnologia liderada por Dimitrios Balomenos.

A chave está no sistema imune das células T, Balomenos explica, e estas podem não ser iguais em uma resposta imune normal e autoimune. “Para começar, a primeira detecção e resposta ao antígeno é temporária, e a resposta seguinte é mantida [não devido a um estímulo externo]”, diz ele. O que a sua equipe verificou não é um regulador, uma proteína chamada p21, que tem uma relação direta com a ativação das células T específicas de resposta autoimune a partir destes distúrbios.

"As células T, quando identificam um invasor, se multiplicam muito, buscando alguma maneira de controlá-lo. Quanto aumenta a quantidade de p21, a baixa da reação autoimune e reação imunológica permanece normal" resume Balomenos.
Os investigadores testaram o efeito da abundância de p21 ou o seu estado reduzido preparado para o lúpus e outras doenças autoimunes em camundongos, e visto que os sintomas foram reduzidos a modificá-las geneticamente para ultrapassar essa proteína.

A pesquisa tem esta vantagem, embora tenha sido testada em ratos “a proteína p21 é expressa também em seres humanos”, diz Balomenos. A idéia rápida seria tentar induzir a super expressão nas células T, ele admite, mas ele acredita que, eventualmente, possa ser mais operacional “examinar em detalhes o mecanismo de funcionamento da p21 para ver exatamente o que ela faz, que outras moléculas estão envolvidas, e quais poderiam ser usadas para o desenvolvimento de uma nova droga.” Isto se deve ao fato de os processos bioquímicos serem sempre uma sequência de passos em que, muitas vezes, o componente detectado é apenas o início ou parte, mas está relacionado com muitos outros. Às vezes são essas outras fases que são fáceis de parar ou virar. O próprio artigo menciona o papel de interferon-gama, uma molécula relacionada com a resposta imune.

 

http://elpais.com. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *