AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Deficiências nutricionais podem estar relacionadas à EM

Deficiências nutricionais podem estar relacionadas à EM

A esclerose múltipla (EM) afeta cerca de 2,3 milhões de pessoas em todo o mundo, numa proporção maior de mulheres para cada homem.

A doença é o resultado de uma falha do sistema imune onde ele ataca a bainha de mielina, a camada protetora que envolve os nervos. A verdadeira causa da doença ainda é desconhecida, mas muitas teorias são estudadas.

Curiosamente, um novo estudo mostra certas deficiências nutricionais são mais comuns em mulheres com esclerose múltipla, pondo em causa o papel que a nutrição pode ter sobre o desenvolvimento da doença.

Mulheres com EM tem deficiências vitamínicas

Para o estudo, os cientistas recrutaram 27 mulheres com esclerose múltipla e 30 mulheres saudáveis, mediram os níveis de vitamina D, e avaliaram os hábitos alimentares e a ingestão de nutrientes do ano anterior por meio de um questionário.

Os resultados apontaram que mulheres com EM são mais propensas a ter baixos níveis de vitamina E, magnésio, luteína, zeaxantina, e quercetina.

As mulheres com EM consumem, em média, 244 mcg. de ácido fólico por dia, enquanto que aqueles sem a condição tem uma ingestão média de 321 mcg. É sugerido que as mulheres obtenham um mínimo de 400 mcg por dia.

A ingestão de magnésio também foi significativamente menor. Mulheres com EM ingerem, em média, 254 mg e as mulheres não afetadas pela EM ingerem 321 mg.

Suplementando nutrientes e protegendo o sistema nervoso

Este estudo não prova que as deficiências de nutrientes causam EM, mas sublinha a importância destes. De uma forma ou de outra, todos os nutrientes mostrados no estudo desempenham um papel no sistema nervoso ou na doença.

A vitamina E, por exemplo, neutraliza radicais livres e inflamação do nervo danificar, e ácido fólico tem sido mostrado para aliviar sintomas relacionados a EM.

Enquanto o estudo é preliminar, é definitivamente um abridor de olho. Mais estudos precisam ser realizados para determinar o papel da nutrição sobre a esclerose múltipla.

De qualquer forma, a aplicação é simples. Mulheres com maior risco de EM (com uma história familiar, tabagismo, etc.) ou aquelas com a condição precisam manter estes níveis estáveis para garantir que estejam obtendo quantidades ideais de nutrientes em suas dietas diárias.

Fonte: http://blog.lifeextension.com – 18/09/2015. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.