AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Como o tabagismo pode acelerar o curso da EM?

Como o tabagismo pode acelerar o curso da EM?

Continuando fumar após o diagnóstico de esclerose múltipla (EM) parece estar associado com um aceleramento da progressão da doença, de acordo com um novo estudo.

“A evidência claramente vai de encontro aos indícios que já existiam anteriormente sobre a importância de as pessoas com EM que fumam pararem”, afirmaram os autores, liderados por Ryan Ramanujam, PhD, e Jan Hillert, MD, Instituto Karolinska, de Estocolmo, Suécia. “Serviços de cuidados de saúde para pacientes com EM deve ser organizados para apoiar essa mudança de estilo de vida.”

Em outro editorial, Myla D. Goldman, MD, Universidade de Virginia, Charlottesville, e Olaf Stüve, MD, PhD, University of Texas Southwestern Medical Center em Dallas, escreveu: “Este estudo contribui para a importante pesquisa que demonstra como o tabagismo é um importante fator de risco modificável para a EM. Mais importante que isso, ele fornece a primeira evidência para nosso conhecimento de que parar de fumar parece retardar o início da esclerose múltipla secundária progressiva e fornecer o benefício da proteção. Por isso, mesmo após o diagnóstico de EM, o tabagismo é um fator de risco que vale a pena modificar.”

O estudo e o editorial foram publicados online em 08 de setembro no JAMA Neurology.

O estudo transversal incluiu 728 pacientes com EM que fumavam e 1012 doentes com esclerose múltipla que não fumavam. Eles foram identificados a partir de um registro nacional sueco de EM, e os dados ambientais foram coletados por meio de um questionário.

Entre os 728 fumantes, 332 foram classificados como “contínuos” ou seja, fumavam pelo menos um cigarro por dia continuamente desde o ano após o diagnóstico e 118 eram “ex-fumantes” que parou de fumar no ano após o diagnóstico. O outro 278 eram fumantes intermitentes que não foram considerados no resultado primário.

Em uma comparação entre aqueles que continuaram fumando e aqueles que desistiram, os resultados sugeriram que os pacientes que continuaram a fumar após o diagnóstico convertido para secundária progressiva em uma idade mais jovem (48 anos) do que aqueles que abandonaram o vício (56 anos).

Isto corresponde a 4,7% de aceleração com o tempo até ao início da progressão secundário (P = 0,006).

“A constatação preliminar da redução do tempo até ao início da EM progressiva secundária está em linha com outros achados e oferece incentivo para pacientes com EM abandonarem o hábito de fumar cigarros”, escrevem os editorialistas.

Eles ressaltam, entretanto, que quando comparados os pacientes que fumavam no momento do diagnóstico inicial da EM e aqueles que nunca haviam fumado, não houve diferença na idade em conversão para a esclerose múltipla secundária progressiva. Na tentativa de explicar isso, Dr. Ramanujam e seus colegas sugerem que fumar pode afetar o risco, mas não o curso da doença.

Dr. Goldman e Dr. Stüve também apontam que o estudo atual não olha para saber se a redução do tabagismo seria benéfica, como a sua ampla classificação para a continuação do tabagismo (pelo menos um cigarro por dia) o que impediu qualquer exame de efeito dose. “Assim, não fica claro se simplesmente cortar o montante único do tabagismo poderia fornecer qualquer benefício.”

Eles também observam que enquanto os grupos foram bem equilibrados entre a maioria das medidas, houve uma diferença notável: o tempo do diagnóstico ao tratamento. Tanto os que nunca fumaram e os ex-fumantes tiveram menor tempo de tratamento do que aqueles que eram fumantes no momento do diagnóstico e os continuadores.

“Essa diferença de mais de 12 meses no início do tratamento é um fator de confusão potencial na diferença observada na idade no momento do início da EM progressiva secundária”, afirmam.

Este estudo foi apoiado por subsídios da Neuroförbundet, o Conselho de Pesquisa sueco, O Knut e Alice Wallenberg Foundation, a fundação AFA, a Fundação sueca Cérebro, Margareta af Ugglas Stiftelse, FP7 Neurinox UE, o Bibby e Nils Fundação Jensen, e do Karolinska Institutet fundo de investigação. Dr Hillert recebeu honorários para servir em conselhos consultivos da Biogen e Novartis e taxas falantes de Biogen, a Merck Serono-, Bayer Schering-, Teva Pharmaceuticals, e Sanofi. Ele tem servido como o principal investigador de projectos patrocinados por ou recebeu apoio à pesquisa irrestrita da Biogen, a Sanofi, a Merck Serono-, Teva Pharmaceuticals, Novartis, Bayer e Schering.

Fonte: Medscape – 10/09/2015. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta