Como a Esclerose Múltipla pode nos forçar a editar nossas vidas

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

O ato de editar um texto implica em escolher a melhor versão para ser publicada ou reproduzida, nem sempre é uma tarefa simples. Quando uma pessoa tem Esclerose Múltipla, os planos dela muitas vezes também precisam ser editados, repetidas vezes. Eles podem demandar cortes e adendos inesperados. 

Nessas horas, o entendimento do que é a prioridade é o que pode ajudar, mas sem perder a essência. Você sabe quais são as suas? 

Leia o artigo abaixo escrito por Trevis Gleason, para o Everyday Health, em 25 de fevereiro de 2022.

Há tanto trabalho e criatividade na seleção quanto na criação

Atualmente estou tropeçando na linha de chegada de dois projetos de escrita. Cada um deles teve seus desafios para chegar ao ponto em que estamos, felizes em entregá-los aos editores, para transformá-los de manuscrito em livro e de documentos em trabalho acadêmico, respectivamente.

O velho ditado “é mais fácil editar do que escrever” vem à mente, mas não é verdade quando eu realmente penso nisso.

Francamente, os editores sempre me ajudaram a tornar os meus pensamentos mais claros, minhas intenções mais nítidas e o produto final de minhas divagações muito melhor do que eram quando entregues.

Não é fácil editar. Na verdade, eu diria que é pelo menos tão difícil quanto a parte inicial da escrita, e talvez até mais.

Os rascunhos que escrevemos para uma vida com Esclerose Múltipla

Traço um paralelo da lógica da edição ao viver a vida com Esclerose Múltipla (EM). Todos nós “escrevemos” alguma forma da nossa história pretendida – até mesmo a intenção para o dia seguinte – e já tivemos que editar, reescrever, reconsiderar aspectos intensamente e até “jogar rascunhos no lixo” devido à EM, que pode mudar tudo da noite para o dia.

É com a sutileza de uma boa edição que somos capazes de encontrar os parágrafos, frases e cláusulas importantes e juntá-los em nossa melhor ideia de projeto de vida.

Quantas vezes não planejamos todo um enredo para o dia, mas a Esclerose Múltipla decide que quer editar 10 mil palavras de hoje cortando para apenas 750?

Por que ‘apenas o essencial’ não é um plano de vida satisfatório para mim

Eu sempre falei sobre como gosto de escrever listas de coisas: “devo fazer”, “deveria fazer” e “gostaria de fazer”, que componho na minha rotina matinal. Parece mais fácil cortar tudo, exceto o “devo fazer”, principalmente quando os sintomas da Esclerose Múltipla tornam tudo mais difícil.

Verdade seja dita, a Esclerose Múltipla pode tornar meus dias mais custosos, portanto, editar ou fazer apenas o essencial pode dar a sensação de tornar a vida uma mera existência, e quando os sintomas vão e vem, essa existência quase desaparece.

Assim como para editar deve-se deixar alguns adjetivos e advérbios, analogias e figuras de linguagem, e não apenas cortar verbos e substantivos, devemos nos esforçar para cortar o necessário, mas também mantermos em nossos dias as coisas que fazem essa nossa vida editada com Esclerose Múltipla valha a pena.

Alguns de nós tornaram-se adeptos a beliscar e encaixotar muitas das atividades diárias. Outros congelam só de pensar em perder uma única frase preciosa das histórias que planejamos realizar em nossos dias.

Como um escritor que poderia preencher várias estantes de livros com as palavras, páginas e até textos completos que foram editados de meus escritos, aprendi a superar a dor de cortar e abraçar as alegrias de tricotar os fios pendentes novamente.

Uma boa edição preserva a essência da história original

Uma boa edição preserva a essência da escrita original, assim como uma boa vida com EM preserva a essência de quem somos.

Tornou-se importante para mim, como escritor, estar feliz com o produto que submeto ao processo de edição, mesmo sabendo que serão feitas alterações para que o trabalho se adeque ao fim a que se destina.

A escrita – assim como fazer planos – é apenas o primeiro passo para o que as nossas histórias e dias se tornam no final.

Como bons editores, o nosso objetivo é cortar tudo, menos o essencial, sem perder a essência. A vida com Esclerose Múltipla é, afinal, tudo sobre a parte viva. E assim como aquelas cláusulas e páginas que foram escritas e, ao editar, não são descartadas. Em vez disso, eles estão lá para serem revisitadas, retrabalhadas e, talvez, substituídas em outro enredo, mais tarde no manuscrito da nossa vida com Esclerose Múltipla.

Desejo a você e sua família muita saúde.

Trevis

Leia também no site da AME:

 

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: Everyday Health

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre