Bebês cujas mães tomam Copaxone durante a amamentação não apresentam efeitos negativos

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Estudo alemão mostrou que os bebês amamentados por mães que usaram Copaxone tiveram desenvolvimento normal em comparação com bebês de mães que não usaram medicamentos nesse período

 

O tratamento com Copaxone (acetato de glatirâmero), uma terapia aprovada para formas recorrentes de esclerose múltipla (EM), durante a amamentação não parece ser prejudicial para bebês em seus primeiros anos, concluiu um estudo.

Os investigadores não observaram diferenças entre bebês cujas mães estavam tomando Copaxone e aqueles cujas mães não estavam recebendo nenhum tratamento, em termos de atraso no desenvolvimento, crescimento nos primeiros 18 meses de vida, hospitalizações e tratamento com antibióticos.

As descobertas foram apresentadas por Kerstin Hellwig, especialista em MS na Ruhr University, na Alemanha, durante a 7ª Conferência da Academia Europeia de Neurologia, realizada virtualmente no início deste mês. Sua palestra foi intitulada “Análise de segurança de filhos amamentados por mães em terapia com acetato de glatirâmero para reincidência de esclerose múltipla” (resumo OPR-189).

O Copaxone, desenvolvido pela Teva, é uma terapia modificadora da doença (TMD) que reduz as recaídas da EM, imitando um fragmento de mielina, o composto biológico que isola os neurônios e é perdido durante o curso da EM.

Embora o tratamento precoce e contínuo seja importante para prevenir surtos e acúmulo de incapacidade em pacientes com esclerose múltipla, a maioria dos especialistas desaconselha o uso de TMDs durante a amamentação, recomendando que as pacientes adiem a amamentação por pelo menos três meses após a última dose de TMD. No entanto, poucos dados de segurança embasam essa preocupação.

Na verdade, “de acordo com os dados disponíveis, uma em cada três mulheres com EM pode experimentar uma reativação da doença após o parto”, disse Danilo Lembo, vice-presidente da Teva Pharmaceuticals, desenvolvedora do Copaxone, em um comunicado à imprensa. “Retardar a progressão da doença, controlar as recaídas e a manter a amamentação são prioridades para muitas pacientes, especialmente neste período particularmente frágil.”

Para trazer luz sobre este assunto, Hellwig e seus colegas conduziram um estudo retrospectivo – apelidado de ‘Segurança no mundo real de Copaxone em filhos de pacientes com esclerose múltipla recorrente em amamentação e tratamento (COBRA)’ – usando dados do registro nacional alemão de EM e gravidez de 2011 a 2020.

Eles identificaram 120 mulheres que foram diagnosticadas com formas recorrentes de EM e que receberam uma prescrição de Copaxone (60 mulheres) ou seguiram sem TMD (60 mulheres) durante a amamentação.

Os resultados mostraram que os bebês tiveram um número semelhante de internações hospitalares – 0,20 por ano para aquelas cujas mães estavam em Copaxone vs. 0,25 para aquelas cujas mães não estavam em TMD – e tiveram um uso semelhante de antibióticos.

Esses bebês também não eram diferentes em termos de peso corporal, comprimento e tamanho da cabeça (todos parâmetros de crescimento) ao nascer e em outros momentos durante os primeiros 18 meses. Apenas três bebês tiveram atrasos no desenvolvimento em um ano – e todos eram do grupo de controle.

“Não encontramos evidências de atraso no desenvolvimento, problemas de crescimento corporal ou aumento de hospitalização e uso de antibióticos em bebês do conjunto [do Copaxone] em comparação com os controles”, disse Hellwig.

É relevante observar que a maioria (86,7%) dos bebês do grupo do Copaxone também foi exposta ao tratamento durante a gravidez, em comparação com 25% daqueles cujas mães não tomaram TMD durante a amamentação. Mais uma vez, isso sugere que o Copaxone era seguro para fetos e bebês durante as idades de amamentação.

“Os benefícios da amamentação para as mães e seus filhos são clinicamente significativos e bem documentados, por isso é imperativo fornecer evidências clínicas sobre a segurança das terapias modificadoras da doença (TMDs), para que as mães com EM não precisem mais desistir da amamentação enquanto em tratamento”, disse Hellwig.

 

Fonte: MS News Today

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Explore mais