Sintomas da EM muitas vezes aparecem anos antes do diagnóstico

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Segundo um novo estudo, muitas pessoas com esclerose múltipla (EM) começam a sentir os sintomas da doença vários anos antes de serem diagnosticadas

 

Embora se saiba há muito tempo que as pessoas com EM tendem a procurar atendimento médico com mais frequência nos anos anteriores ao diagnóstico do que aquelas sem a doença, tem havido um debate se isso é resultado da própria EM ou de uma fase prodrômica da doença. Prodrômico refere-se a um período distinto de sintomas inespecíficos e leves vistos antes do início da EM real.

No novo estudo, uma equipe de pesquisadores da Universidade Técnica de Munique (UTM) analisou dados de companhias de seguros em um esforço para entender essa questão. Suas descobertas foram publicadas na revista Neurology, no estudo “Systematic Assessment of Medical Diagnoses Preceding the First Diagnosis of Multiple Sclerosis”.

Usando os dados de companhias de seguros, os pesquisadores procuraram queixas médicas documentadas entre 10.262 pessoas com esclerose múltipla nos cinco anos anteriores ao diagnóstico. Para efeito de comparação, a equipe analisou dados de 73.430 pessoas sem qualquer doença auto-imune. Eles também avaliaram dados de 15.502 pessoas com doença de Crohn – uma doença auto-imune que afeta o intestino – e 98.432 com psoríase, uma doença de pele auto-imune.

Em relação aos outros grupos, as pessoas com esclerose múltipla tiveram frequências significativamente mais altas de certos problemas médicos (conforme identificado pelos códigos de seguro). Notavelmente, a maioria dos problemas que eram mais frequentes entre as pessoas com EM “representa sintomas sugestivos de eventos desmielinizantes ou outros diagnósticos neurológicos”, escreveram os pesquisadores.

Em outras palavras, essas pessoas parecem ter experimentado sintomas semelhantes aos da esclerose múltipla anos antes de seu diagnóstico. Com base nisso, os pesquisadores acham que os indivíduos não estão passando por uma fase distinta da doença prodrômica, mas, em vez disso, estão lidando com sintomas de esclerose múltipla não reconhecidos.

“Acreditamos que muitas queixas que foram atribuídas a uma fase prodrômica são na verdade causadas pela doença em curso”, disse Bernhard Hemmer, professor da UTM e co-autor do estudo, em um comunicado à imprensa. “Portanto, acreditamos que, embora a doença ainda não tenha sido diagnosticada, ela está totalmente ativa e não em uma fase preliminar ou prodrômica.”

Essas descobertas podem ter implicações importantes para o diagnóstico e tratamento da EM, disse a equipe.

“Quanto mais cedo a EM for reconhecida, melhor poderemos tratar a condição. Agora precisamos examinar mais de perto quais sintomas iniciais da EM podem ser negligenciados. Isso poderia nos permitir reconhecer a doença em um estágio anterior e, assim, possibilitar o início do tratamento mais cedo ”, disse Christiane Gasperi, médica e pesquisadora da UTM e co-autora do estudo.

Além de sintomas semelhantes aos da esclerose múltipla serem mais comuns entre as pessoas com EM nos anos anteriores ao diagnóstico, alguns problemas médicos eram significativamente menos comuns entre os pacientes com esclerose múltipla antes do diagnóstico. Em particular, havia frequências significativamente mais baixas para vários códigos de seguro relacionados a infecções do trato respiratório superior entre as pessoas com EM antes do diagnóstico.

Esta associação “sugere uma ligação entre proteção contra infecção e EM”, escreveram os pesquisadores, mas eles enfatizaram a necessidade de mais pesquisas sobre esta conexão.

 

Fonte: Multiple Sclerosis News Today

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Explore mais