AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Alterações Cognitivas e a EM

Alterações Cognitivas e a EM

Cognição refere-se a uma gama de funções cerebrais de alto nível, incluindo a capacidade de aprender e lembrar informações, organizar, planejar e resolver problemas, concentrar, manter e desviar a atenção, entender e usar a linguagem, perceber com precisão o ambiente e realizar cálculos.

Uma mudança na função cognitiva ou disfunção cognitiva pode ser comum na EM – mais da metade de todas as pessoas com EM  poderão desenvolver problemas com a cognição. Pode ter sido, inclusive, seu primeiro sintoma de EM.

Certas funções são mais propensas a serem afetadas do que outras:

– Processamento de informação (lidando com informações coletadas pelos cinco sentidos)

– Memória (aquisição, retenção e recuperação de novas informações)

– Atenção e concentração (atenção particularmente dividida)

– Funções executivas (planejamento e priorização)

– Funções visoespaciais (percepção visual e habilidades construtivas)

– Fluência verbal (busca de palavras)

– Para a maioria das pessoas, as mudanças na função cognitiva são leves e podem envolver uma ou duas áreas do funcionamento cognitivo. Para um grupo menor de pessoas com EM, as mudanças na função cognitiva poderão ser mais desafiadoras.

Certas funções, incluindo o intelecto geral, memória de longo prazo (remota), habilidade de conversação e compreensão de leitura, provavelmente não mudarão devido à EM.

Se você experimentar mudanças na função cognitiva, estratégias e ferramentas compensatórias podem ajudá-lo a funcionar de forma eficaz. No entanto, a disfunção cognitiva pode ser uma das principais causas de saída precoce da força de trabalho. Raramente, a disfunção cognitiva pode se tornar tão grave que a pessoa não possa mais funcionar de forma independente.

 

Relação com outros fatores de doença
Os problemas cognitivos estão fracamente relacionados a outras características da doença – o que significa que você pode não ter limitações físicas e ter comprometimento cognitivo significativo, enquanto outra pessoa que é completamente deficiente fisicamente pode não ser afetada cognitivamente.

As alterações podem ocorrer a qualquer momento – mesmo como um primeiro sintoma de EM -, mas são mais comuns no curso da doença.

A função cognitiva correlaciona-se com o número de lesões e área de lesão na ressonância magnética, bem como atrofia cerebral.

A disfunção cognitiva pode ocorrer com qualquer curso da doença, mas é ligeiramente mais provável na EM progressiva.

É mais provável que você experimente uma disfunção cognitiva (os primeiros sinais ou novas alterações) durante uma exacerbação.

Alterações cognitivas geralmente progridem lentamente. É improvável que eles melhorem drasticamente depois de terem começado.

 

Como reconhecer
O reconhecimento, a avaliação e o tratamento precoces são importantes porque as alterações cognitivas – juntamente com a fadiga – podem afetar significativamente a qualidade de vida, os relacionamentos, as atividades e o emprego de uma pessoa. Os primeiros sinais de disfunção cognitiva podem ser sutis – notados primeiro pela pessoa com EM ou por um membro da família ou colega.

– Dificuldade em encontrar as palavras certas

– Dificuldade para lembrar o que fazer no trabalho ou durante as rotinas diárias em casa

– Dificuldade para tomar decisões ou demonstrar falta de julgamento

– Dificuldade em acompanhar tarefas ou conversas

– Dificuldade com o desempenho no trabalho, incluindo ação disciplinar informal ou formal

– Dificuldade com o desempenho escolar, incluindo notas baixas e desafios sociais

 

Tratamento (reabilitação cognitiva)

Com base nos resultados dos testes cognitivos – incluindo déficits cognitivos e pontos fortes – um plano de reabilitação cognitiva pode ser recomendado.

A reabilitação cognitiva inclui uma combinação de atividades restaurativas e compensatórias.

 

Atividades restaurativas  podem incluir exercícios de aprendizado e memória:

Combine os modos de aprendizado:  você será mais propenso a lembrar-se de algo se “ver, dizer, ouvir, escrever, fazer”. Não há problema em se dar mais tempo.

Repetir e verificar:  repita o que ouvir e verifique se está correto para melhorar sua atenção e memória.

Ensaio espaçado: Repita e pratique informações em intervalos espalhados ao longo do tempo para melhorar sua capacidade de armazenar informações.

Construa associações:  Use ajudas de memória! Por exemplo, para lembrar o nome de alguém que você acabou de conhecer, associe o nome dele a um amigo ou membro da família com o mesmo nome ou a um lugar, cor ou evento que soe como o novo nome.

 

Atividades compensatórias que ajudam a compensar funções que não funcionam mais podem incluir:

Consolidar e centralizar!  Designe um lugar em sua casa como o centro de informações – “A Grande Central.

Inclua seu calendário principal, correspondências, contas, mensagens telefônicas, listas de tarefas, chaves, carteira, listas de compras e muito mais.

 

Planejar:  fixe um calendário grande o suficiente para atividades e compromissos sociais de todos, além de lembretes! Mantenha canetas ou marcadores pendurados ao lado dela. Ou use um programa de computador configurado com lembretes para tarefas de rotina (sincronize-o com seus dispositivos móveis para que você tenha seus compromissos com você enquanto estiver em trânsito).

Gravação:  Dite sua lista de tarefas, anotações ou outras coisas para lembrar em um gravador de voz digital (disponível em vários telefones).

Lembre-se:  use listas de verificação, o alarme do relógio ou do telefone, o timer da cozinha e muito mais.

 

Elimine ou remova-se das distrações.  Desligue a TV, a música e o que estiver “ligado” ao falar com alguém pessoalmente ou pelo telefone. As distrações visuais e sonoras de fundo podem dificultar o aprendizado ou a lembrança. Se você não consegue eliminar a distração (por exemplo, pessoas conversando em uma festa), pergunte: “Podemos conversar em um lugar mais tranqüilo?”

Dar um tempo.  Se você está tendo dificuldade em se concentrar, respire e se refresque.

Faça uma coisa de cada vez.  Evite alternar entre um tópico ou tarefa para outro. Termine ou encontre um ponto de parada apropriado no que você está trabalhando, antes de mudar para outra coisa.

 

Pesquisa em cognição
Estudos estão em andamento para identificar formas de estabilizar ou melhorar a disfunção cognitiva. Como as drogas modificadoras da doença têm mostrado reduzir o acúmulo de novas lesões desmielinizantes, é provável que elas ajudem a estabilizar as alterações cognitivas. No entanto, mais estudos são necessários para determinar sua eficácia nessa área.

Os tratamentos sintomáticos podem melhorar temporariamente o funcionamento cognitivo sem alterar seu curso de longo prazo. Estudos de alguns estimulantes do sistema nervoso central mostraram que eles podem ser úteis para atenção, velocidade de processamento e problemas de memória.

Estudos financiados pela National MS Society estão investigando a história natural das mudanças cognitivas, juntamente com melhores formas de diagnosticar e tratar problemas cognitivos na EM. Espera-se que, no futuro, as pessoas com esclerose múltipla tenham acesso a uma combinação de terapias modificadoras de doenças, tratamentos sintomáticos e reabilitação cognitiva que modificarão o curso e o impacto das mudanças cognitivas na EM.

 

Fonte: National Multiple Sclerosis Society– Traduzido e adaptado – Redação AME: https://www.nationalmssociety.org/Symptoms-Diagnosis/MS-Symptoms/Cognitive-Changes

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS