AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

A pesquisa de terapias com célula B podem ser uma alternativa para tratamento da EM

A pesquisa de terapias com célula B podem ser uma alternativa para tratamento da EM

Especialistas espanhóis argumentam que este é um novo paradigma no tratamento da esclerose múltipla (EM)

As células B desempenham um papel chave na esclerose múltipla (EM), que são para ocupar um lugar no arsenal terapêutico contra a doença. Esta tem sido uma das principais conclusões do simpósio "O avanço dos conhecimentos da fisiopatologia da esclerose múltipla: o papel das células B", realizado recentemente em Madrid, que teve o apoio científico da Sociedade Espanhola de Neurologia (SEN ), cujo objetivo era avançar a compreensão das causas da EM e analisar esta nova avenida de tratamento. Atualmente, a maioria dos tratamentos contra a EM como alvo nas células T, de modo a estudar o uso com alvo nas células B é uma nova estratégia, que está apresentando excelentes resultados.

De acordo com Dra. Celia Oreja-Guevara, chefe de seção da Neurologia do Hospital das Clínicas San Carlos em Madrid e coordenador do simpósio, até recentemente, "estávamos focados em tratar a esclerose múltipla por meio de ações terapêuticas em células T sem saber que o Tipo B tem tal importância decisiva e trabalhar no desenvolvimento de tratamentos que agem sobre eles é um passo significativo para terapias mais personalizadas e eficazes ".

Por sua parte, o Dr. Xavier Montalban, diretor do Centro de Esclerose Múltipla da Catalunha (CEMCAT) e Chefe de Neurologia e Neuroimunologia, no Hospital Universitário Vall d'Hebron, em Barcelona, ​​estava otimista sobre os ensaios clínicos que estão em andamento com células B ", as moléculas de percepção e os dados analisados nos testes são uma estratégia que tem um enorme potencial no que diz respeito à supressão do fenômeno inflamatório. Na verdade, os pacientes não mostraram nenhuma atividade inflamatória após o tratamento com estas terapias. " Outro aspecto que os especialistas no simpósio destacaram foi o excelente perfil de segurança das terapias com células anti-B e seu potencial para agir em cada uma das fases de desenvolvimento da doença. De acordo com os dados observados em estudos de fase II, estas terapias celulares anti-B não só estão agindo sobre a inflamação, mas poderiam parar sua progressão. "Portanto, podemos dizer que este é um novo paradigma de tratamento", disse o Dr. Montalban.

www.immedicohospitalario.es. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *