5 mitos sobre uso da cannabis para tratar a Esclerose Múltipla

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Os produtos feitos de cannabis têm demonstrado ajudar as pessoas com Esclerose Múltipla a controlar sua dor, espasmos musculares e rigidez. Mas com tantas informações circulando sobre o que funciona – e o que é permitido por lei – pode ser difícil saber o que é verdade e o que não é. Então criam-se os mitos sobre o uso da cannabis para tratar a Esclerose Múltipla.

Nota da AME: O conteúdo abaixo é relativo à realidade do Reino Unido, onde é permitida a venda da cannabis medicinal.

São 5 mitos comuns sobre a cannabis e a Esclerose Múltipla:

 

  1. “Agora é permitido comprar cannabis na rua se você estiver usando para tratar sintomas médicos”

Errado. É importante lembrar que ainda é ilegal comprar cannabis na rua ou cultivá-la em casa, mesmo que você deseje usá-la para tratar sintomas médicos. Em vez disso, a mudança na lei permitiu que os médicos prescrevessem medicamentos à base de cannabis quando acreditassem que seus pacientes poderiam se beneficiar. Portanto, você não pode usar como defesa legal que usou cannabis de rua para ajudar com seus sintomas de Esclerose Múltipla.

 

  1. Agora que o Sativex está disponível no sistema de saúde do Reino Unido, posso obtê-lo para tratar minha dor

Este não é o caso. Sativex é licenciado apenas para espasticidade moderada a grave relacionada à EM. É aprovado desde novembro de 2019 uso no sistema de saúde da Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte para pessoas com EM com espasticidade ‘moderada’ a ‘grave’ se outros tratamentos não funcionarem. Geralmente é usado aliado a outros tratamentos, não substituindo. Ainda não foi aprovado para uso na Escócia.

Nota da AME: O Sativex está disponível em 25 países – incluindo o Brasil, sob o nome Mevatyl, a maior parte da Europa e Canadá, mas não os EUA – como uma terapia complementar para adultos com espasticidade moderada a grave de EM que não respondem a outros tratamentos anti-espásticos.

O Sativex demonstrou melhorar os sintomas relacionados à espasticidade, como a qualidade do sono ou a dor. Também melhora a capacidade das pessoas de realizar tarefas da vida diária.

Você pode conversar com seu médico sobre como obter Sativex para espasticidade, mas isso dependerá de onde você mora. Mesmo se você mora em um país do Reino Unido onde Sativex está disponível, você pode não atender aos critérios de elegibilidade ou do sistema de saúde de sua região específica pode ser que não pague por isso. 

 

  1. Fumar cannabis é tão seguro quanto tomar Sativex

Errado. As evidências mostram que fumar cannabis pode ser prejudicial para pessoas com Esclerose Múltipla, especialmente quando misturada com tabaco. Fumar tabaco pode causar mais recaídas, mais lesões (áreas de dano no cérebro ou na medula espinhal) e torná-lo mais incapacitado. Ele pode acelerar a rapidez com que você passa de EM recorrente para EM progressiva secundária e fazer com que alguns medicamentos para Esclerose Múltipla (terapias modificadoras da doença) funcionem não tão bem.

Fumar cannabis ainda é ilegal, então também não há orientação sobre doses ou qualidade. Isso significa que você não pode ter certeza se o que está fumando é seguro.

 

  1. A cannabis é natural, por isso é melhor do que medicamentos farmacêuticos

Não é assim que funciona. Um dos principais ingredientes ativos da cannabis é o THC (tetrahidrocanabinol). O THC é “psicoativo” e pode fazer muitas coisas – incluindo alterar sua mente e fazer você alucinar. Se você ou sua família têm um histórico de problemas de saúde mental (como esquizofrenia ou transtorno bipolar), o uso de cannabis pode desencadeá-los ou agravá-los.

Este não é o caso do Sativex, que não foi associado à saúde mental ou a problemas cognitivos de longo prazo. A diferença entre Sativex e cannabis é provavelmente devido à combinação de THC e canabidiol (CBD) em Sativex. 

 

  1. Os produtos de canabidiol (CBD) ajudarão minha EM

O CBD é o outro ingrediente ativo da cannabis. Não é psicoativo como o THC e tem propriedades anti-inflamatórias, anti-tremores e antiespasmódicas.

No momento, não há evidências suficientes para mostrar que produtos contendo apenas CBD, como óleos de cannabis, podem ajudar nos sintomas da Esclerose Múltipla. E atualmente não há produtos de CBD licenciados para tratar os sintomas da Esclerose Múltipla.

Mas as evidências mostram que a cannabis contendo CBD e THC pode funcionar para algumas pessoas com Esclerose Múltipla para ajudar com dor e espasmos. Pensa-se que a proporção de THC para CBD determina o nível de psicoativo em comparação com os efeitos terapêuticos da cannabis.

 

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: MS Society UK/Hannah Paull, atualizado em 18 de agosto de 2021.

Explore mais

Clube AME

Desestressando o estresse

Como Identificar e Gerenciar a Tensão que a Esclerose Múltipla Pode Causar