3 dicas para enfrentar a dor da Esclerose Múltipla e ter uma boa noite de sono

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Pode parecer que, para onde quer que você olhe, as mensagens enfatizam a importância de dormir o suficiente. (Como educador de saúde do sono, algumas podem ter vindo de mim!)

É claro que dormir bem é um dos três pilares da boa saúde (junto à prática de exercícios regulares e ter uma dieta saudável) (Allf, 2019).

Quando a dor interfere no sono

O que acontece quando você vai para a cama, esperando um pouco daquele sono bom – do tipo que cura o corpo e descansa a mente, do tipo daqueles que nós com Esclerose Múltipla (EM) precisamos depois de um dia exaustivo vivendo com sintomas e contratempos – e seu corpo luta de volta com a dor?

Na minha área, diz o ditado que “a dor é inimiga do sono”. Sem dúvida, todos os seres humanos perdem o sono devido à dor e inflamação. Pode te assustar e assombrar, noite após noite.

Então, como você se esforça para dormir bem quando a dor parece estar no comando do seu corpo depois que as luzes se apagam?

Dica 1: Não seja um herói tentando superar a dor

Alimentar a dor – dia ou noite – não é eficaz para alguém com EM.

Entendo, você quer evitar remédios (eu também) e isso significa tentar ignorar as realidades latejantes, ardentes, espasmos e zapping que a Esclerose Múltipla nos dá diariamente.

Não há vergonha em tomar medicamentos para reduzir o desconforto e a inflamação. Um corpo que permite uma pausa da dor pode relaxar, irá melhorar o seu humor e – adivinhe? – é mais provável que você tenha um sono de qualidade com a dor controlada (Ingraham, 2019; Cleveland Clinic, online).

Alívio da dor

Se os medicamentos não forem uma opção, outras soluções de alívio da dor sem medicamentos podem ser úteis para o controle da dor. Procuro fazer massagens mensalmente, uso um dispositivo chamado Terapia por Estimulação Elétrica Nervosa Transcutânea (TENS) (busque um fisioterapeuta), aplico frio ou calor nas áreas afetadas, tomo banhos de sulfato de magnésio mornos (não quentes) e até me arrisco em alguma meditação (Carey, 2018).

Dica dois: a dor não é sua amiga, e sim sua colega de trabalho

Alguém uma vez me sugeriu que “a dor é um estado de espírito”.

Sério? Acho que não. Dor é dor.

Desde então, descobri um pouco de verdade nessa ideia.

A dor é uma realidade da vida. Sentimos dor fazendo coisas que nos trazem prazer e suportamos a dor para passar por situações difíceis. Em ambos os casos, essa dor é parcialmente “administrada” simplesmente ressignificando-a.

Enquadrar a dor da Esclerose Múltipla como um mau ator que precisa de gerenciamento – em vez de um vilão que deve ser eliminado completamente – pode parecer apenas intelectualmente útil.

O que a dor nos diz?

Mas o fato é que dor e desconforto são sinais de que podemos estar exagerando, ou tendo uma recaída, ou desenvolvendo o hábito de medicamentos que podem não estar mais nos servindo.

A dor pode não ser nossa amiga (nunca será minha!), mas ainda pode ser uma colega de trabalho útil, lembrando-nos de praticar o autocuidado.

Ressignificando a dor

Reenquadrar a dor assim muda as coisas. A dor não é mais uma agressora que gera ansiedade. Em vez disso, é uma mensageira. Ouvir e agir de acordo com as mensagens pode fazê-la desaparecer. E se desaparecer, isso significa que você pode desfrutar de mais ou melhor sono.

Dica 3: Pare de catastrofizar

Quem não se revirou a noite toda tentando, em vão, encontrar uma posição confortável e sem dor, graças a cãibras persistentes nas pernas, sensação de choque nos dedos dos pés ou dores faciais? Eu sei que não consigo dormir com isso.

Mas e quanto a todo aquele sono perdido?

Pois é, está perdido. Mas não é o fim do mundo.

Sim, devemos dormir o máximo possível. Afinal, menos sono tende a intensificar nossa percepção da dor (Carey, 2018). Também precisamos dormir para dar tempo ao nosso corpo e cérebro para o reparo celular.

Mas catastrofizar o sono perdido por causa da dor — permitir-se alimentar preocupações ansiosas e obsessivas sobre a perda do sono — não vai ajudar em nada.

Ortossonia: perder o sono por ter perdido o sono

Existe um termo clínico para isso: ortossonia  (Baron et al., 2017). Ela vem da perda do sono por ter perdido o sono (preocupação excessiva com o próprio sono). Uma boa quantidade de insônia é na verdade ortossonia.

A dor certamente pode se instalar e ser o vizinho barulhento que o mantém acordado a noite toda. Mas você não precisa cutucá-lo com pensamentos apressados ​​e intrusivos.

Em vez disso, reconheça que a dor está lá. “Olá dor, eu vejo você”.

Em seguida, respire várias vezes e pergunte: “o que pode ser feito sobre isso?”

Então faça as coisas que você pode fazer. Resolva o problema para a vitória (Greenberg, 2019)!

Às vezes isso funciona e você dorme (mesmo que apenas por algumas horas). Ou você pode não dormir. Mas sua dor pode ir embora. Ou talvez não.

Procure seu médico se precisar

Se não funcionar, é quando você procura outras pessoas – como seu especialista em Esclerose Múltipla, seu médico principal, sua enfermeira especializada, seu cuidador, seu médico de medicina alternativa – em busca de apoio e soluções.

Você sabe que, eventualmente, você encontrará uma solução para a dor e, com isso, uma solução para o sono perdido.

Portanto, tente não perder o sono por perder o sono. Um dia – ou noite – de cada vez é o melhor caminho a seguir.

 

Escrito por Tamara K Sellman, em 24 de julho de 2019.

 

Referências:

  • Allf, B. The Three Pillars of Human Health. Diering Lab, University of North Carolina Chapel Hill. http://dieringlab.web.unc.edu/2018/04/the-three-pillars-of-human-health/. Accessed July 25, 2019.
  • Ingraham, P. Anxiety and Chronic Pain. PainScience.com. https://www.painscience.com/articles/anxiety.php. July 6, 2019.
  • Cleveland Clinic. Why Chronic Pain Brings You Down — and How to Feel Better. https://my.clevelandclinic.org/health/diseases/4798-chronic-pain. Accessed July 25, 2019.
  • Carey, B. Why It Hurts to Lose Sleep. New York Times. January 28, 2018. https://www.nytimes.com/2019/01/28/health/sleep-pain-research.html.
  • Pain Catastrophizing Scale. Physiopedia. Accessed July 25, 2019. https://www.physio-pedia.com/Pain_Catastrophizing_Scale.
  • Baron KG, Abbott S, Jao N, Manalo N, Mullen R. Orthosomnia: are some patients taking the quantified self too far? J Clin Sleep Med. 2017;13(2):351–354.
  • Greenberg, M. Why Worrying Is Unhelpful, and One Thing You Can Do Instead. Psychology Today. March 30, 2019. https://www.psychologytoday.com/us/blog/the-mindful-self-express/201903/why-worrying-is-unhelpful-and-one-thing-you-can-do-instead.

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose, janeiro de 2022

Fonte: Multiple Sclesoris.net

Explore mais