Maternidade e EM: Como conciliar?

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Ser mãe é um desafio para qualquer mulher, mas se você tem esclerose múltipla, os obstáculos a serem superados podem ser maiores. No entanto, a doença não deve ser um problema para as crianças e a superação das dificuldades causadas pela EM é possível. Neurologistas oferecem algumas dicas para gerir com sucesso os sintomas da doença e, ao mesmo tempo, cuidar dos pequeninos.

Para uma mulher com esclerose múltipla, a gravidez geralmente significa um período de estabilidade, já que é muito raro que ocorra um surto durante a gravidez. No entanto, alguns sintomas da doença podem piorar. Sendo estes sintomas os mesmos que freqüentemente aparecem em qualquer mulher grávida (fadiga, instabilidade da marcha, urgência urinária, etc.) e que podem ser um pouco agravados nas mulheres que tem EM.

Após o nascimento, você deve tomar cuidado para evitar um surto da doença, especialmente durante os primeiros seis meses. Por isso, é muito importante ter o apoio da família, ou de pessoas próximas, pois este pode ser um momento delicado e complicado para a nova mamãe e seu bebê. Alguns sintomas da doença também pode interferir nos cuidados do bebê. Por exemplo, fadiga e falta de energia (muito comuns na EM) podem ser agravados pelo próprio cansaço comum aos novos pais. Da mesma forma, um sintoma tão comum como a dormência pode dificultar cuidados básico do bebê, como a amamentação ou os banhos.

Portanto, uma boa gravidez demanda um certo planejamento e, contar com o apoio e ajuda de pessoas próximas (companheiro, família e amigos), é essencial, uma vez que, muitas vezes, o orçamento familiar não contempla a possibilidade de contratação de um profissional para cuidar dos filhos.

Mas, que conselho podemos dar para as mulheres com EM para desfrutar da maternidade sem agravar os sintomas?

Descanse frequentemente. A fadiga é um sintoma muito comum em pacientes com EM e, simultaneamente, um sinal quase universal comum nos pais que começam a cuidar de um recém-nascido. Portanto, uma mãe com EM deve monitorar e gerenciar frequentemente sua força.

Fale com o seu neurologista. Se os sintomas piorarem, é importante consultar o seu neurologista o mais rápido possível. Ele pode indicar um tipo de tratamento que contribua para controlar melhor os sintomas da EM, e facilitar a sua rotina como um todo.

Consulte um médico sobre a amamentação. A amamentação não é contra-indicada em mulheres com EM. No entanto, a maioria dos tratamentos de doenças são contra-indicados durante este período. O neurologista ajudará a avaliar a melhor opção para cada caso particular: amamentar a criança ou destituir a amamentação e iniciar o tratamento modificador da doença o mais cedo possível.

Reconheça suas limitações e peça ajuda, quando necessário. Mães com EM devem sempre estar ciente de suas próprias limitações e pedir apoio das pessoas próximas, sem sentirem nenhuma espécie de medo ou vergonha por isso.

Explore mais

Emoções

Sobrevivendo

por Suzana Gonçalves Procuro palavras para descrever este último ano, mas elas me faltam. Vivendo na linha tênue das emoções, o medo rondando a minha

Ativismo e Direitos

Devemos continuar com a nossa participação social

Olá meus queridos espero que estejam bem na medida do possível, diante de uma situação tão penosa. Aqui estou, meus amados amores múltiplos, pensando nas