ESCLEROSE MÚLTIPLA E O CAMINHO DAS PEDRAS EMOCIONAL

Oiê meus amores, amoras e amoros múltiplos tudo bacaninha com vocês? Espero que estejam bem.
Eu não estive numa fase boa nesses últimos meses, contei uma parte do que estava se passando nesse post http://www.avidacomesclerosemultipla.com.br/2019/03/um-trio-parada-dura-esclerose-multipla.html?m=1
Após fazer as ressonâncias magnéticas do crânio e da coluna cervical, tive uma surpresinha, a EM deu o ar da graça, apareceu uma nova lesão na coluna cervical.
Diante de todo o quadro de infecções que eu estava apresentando, o mais esperado era que os sintomas de fraqueza nos membros, tremor e fadiga eram devido a sobrecarga de medicamentos. Só que não foi bem assim, meu Doutorzinho achou que tive o que chamam de pseudo surto e que deve ter desencadeado o “surtinho”, como ele chamou.
Fico feliz quando ele explica que acorreu um incidente de percurso, porém, sem gravidade. Ao mesmo tempo me assusta pensar no caso contrário, com “surtinho” já fico imprestável.
Já a Dra Roberta, concluiu que além de todo o episódio de infecção e a nova lesão, havia um outro motivo mais pertinente que fazia com que todas aquelas sensações piorassem. Ela me achou muito triste e desanimada nas últimas consultas. https://amigosmultiplos.org.br/e-agora-sera-depressao/
Realmente percebi que foi tudo virando uma bola de neve em minha vida, eu não estava aceitando as mudanças e estava me enchendo de sentimentos ruins. Contei no post sobre o assunto https://amigosmultiplos.org.br/a-vida-com-esclerose-multipla-precisa-ser-zen/
Sentimentos como o estresse por estar fora daquela área de conforto onde eu tinha a ilusão que podia controlar tudo. O nervoso por estar vivendo um momento de insegurança, onde não posso mais contar com aquele que estava sempre ali na hora que eu quisesse. A tensão, por estarmos vivenciando uma mudança, que acarretou em outras, no nosso modo de vida.
A ansiedade e a angústia, talvez por estar me sentindo tão fraca diante de todos esses sentimentos, além de estar “no momento do rabo do surto”.
Doutorzinho me explicou que no período de remissão da recidiva, é como se ficasse um rabo pra trás do surto e nesse período nos sentimos piores. Maior é a fadiga, aumenta o desânimo, diminui o pique e ainda fica um pouco dos sintomas de fraqueza.
Todas essas emoções são tóxicas para o nosso sistema nervoso e ainda pior para o sistema imunológico, por isso a conclusão da Dra Roberta (meu anjo em forma de médica) foi que eu procurasse ajuda de uma especialista, ou seja, uma psiquiatra.
Confesso que nunca havia ido a uma psiquiatra e amei a Dra Ana Tereza, conversamos muiiiiiito e ela quis desvendar de onde vem todos esses sentimentos ruins, onde está a sua origem, a raiz disso tudo?
Indicou que eu saísse mais de casa, com amigos ou até sozinha, que eu aumentasse as minhas possibilidades.
Me passou um novo medicamento, antideprê que estou até com dor no coração de mudar.
Primeiramente pelo anterior ser mais barato e depois porque são muitos anos de convivência com ele e por ser uma pessoa sentimental, tenho a impressão que me apego até aos remédios que me acompanham na luta…..rs
E ainda por já estar tão habituada a ele, que uma troca de medicação a essas alturas já me causa ansiedade, apreensão, rs
Sei lá, me adaptar com todos os efeitos colaterais novamente.
Enfim, comecei o novo remédio torcendo que dê tudo certo e que não haja nenhum problema, depois conto pra vocês como foi.
Ainda nesses dias, fui conhecer uma terapeuta psicanalista que me encontrou num grupo do WhatsApp de batatas recheadas de um amigo….. Haha
Fui conhecê -la pessoalmente e ao seu trabalho, logo me identifiquei, com as percepções que ela teve a respeito da EM, alguns pontos em que ela soube narrar exatamente como sinto e eu mesma não consigo expressar em palavras.
Conversamos muito sobre medicina chinesa e psicossomática. “A psicossomática é uma ciência interdisciplinar que gera diversas especialidades da medicina e da psicologia, para estudar os efeitos de fatores sociais e psicológicos sobre processos orgânicos do corpo e sobre o bem-estar das pessoas.” Ela foi lendo alguns trechos de um livro que explica sobre o plano sintomático da EM.
Iniciei a terapia e como era de se esperar ela quis conhecer o perfil familiar e como a minha família reagiu a notícia do meu diagnóstico e por aí vai. Notei uma diferença que ela por enquanto, encontra a causa, mas não propõe uma racionalização da solução. Ou seja, fiquei falando e ela transformava em sentimentos a cada fato que lhe contava. Segundo dia de terapia apenas, vamos ver no que vai dar.
Percebi estar carregada desses sentimentos que nos intoxicam, sem dúvida foi onde notei a piora no meu bem estar da vida com esclerose múltipla, então resolvi conhecer também a Terapia de Barras de Access, que é uma forma de aprender a recriar o seu cérebro para combater essas sensações tóxicas apenas com alguns leves toques em 32 pontos da cabeça. É a primeira e mais popular destas técnicas e propõe uma mudança de vida através da liberação de energias acumuladas no campo energético das pessoas – a maior parte delas atuando em nível inconsciente nas mais diversas áreas da vida.
Achei a experiência bem interessante e no momento muito relaxante. Dias depois, percebi uma resistência maior a pensar no não, ou seja, me notei mais aberta e positiva.
Como aprendi com a minha “Acess Bars Practioner” Daniela Massari Sales após a limpeza de uma parte desses sentimentos tóxicos, iniciei o resgate das ferramentas que estão a minha volta pra derrubar as barreiras que me bloqueavam a cuidar da minha saúde mental.
Pretendo fazer mais sessões aos poucos e procurar o meu equilíbrio emocional que se perdeu por aí no meio de tantas emoções fortes.
Temos que cuidar da saúde mental, sem dúvida, porém a cada uma dessas ferramentas usadas para combater o estresse, amenizar a ansiedade e angústia ou ajudar no estado depressivo, requer um investimento financeiro maior, por isso, no momento atual estou usando essas ferramentas de maneira moderada….. Hehe
Contudo, até conhecemos o caminho das pedras, mas precisamos enxergá-lo. As vezes a escuridão do estresse nos cegam, não deixem que isso aconteça. A qualquer sinal procurem ajuda de um médico.
Amores vou deixando vocês por aqui…
Milhões de beijinhos e até mais….