A VIDA COM ESCLEROSE MÚLTIPLA PRECISA SER ZEN

Olá gente, estive afastada muito tempo dos blogs, porém, refleti muito sobre o tamanho do pacote que temos que carregar na EM.

Sabemos primeiramente que por termos uma doença crônica, não basta tomar o remédio e seguir em frente. Devemos monitorá-la de tempos em tempos se não houver nenhum episódio diferente. 

Depois temos que cuidar de outros pontos que são essenciais na melhora da qualidade de vida pra qualquer um, só que no nosso caso é mais que essencial para seguirmos em frente. Estou falando de exercícios físicos, acompanhamento psicológico, fisioterapia, ter algo feito por prazer e mais coisas ainda. Cada um necessita de multi coisas. 

Como cada EM é única, há pacientes que precisam de fono, terapia ocupacional e etc.

Estive pensando nesses últimos tempos, que nós que vivemos com esclerose múltipla, não podemos nos estressar, passar nervoso, sofrer com alguma situação de ansiedade, ficar tensos, ou seja, o melhor pra nós deveria viver sempre zen.

Um dia, quando estava na terapia, minha psicóloga me falou muito sobre o efeito tóxico no sistema nervoso central do estresse e então, me contou que conhecia uma médica que descobriu ter EM e logo que ela soube, tomou uma atitude bem radical, parou de atender e ficou só nas pesquisas, vendeu tudo, comprou um sítio no interior de Minas Gerais e disse que ia fazer uma horta. Porque ela sabia o quanto que o estresse diário provocava na vida com Esclerose Múltipla, então ela queria mesmo é viver do jeito que ela escolheu, praticamente isolada dos problemas alheios, longe do estresse de trânsito, dos perrengues de uma cidade maior. Foi aí que eu disse a minha psicóloga: “Mas não é evitando viver que se vive, não quero isso pra mim!” 

Foi aí que entendi, o stress faz parte da nossa vida, só que nem sempre ele é saudável. 

Já ensaiei milhões de vezes, em aprender meditação, acho o máximo quem consegue.

Há momentos em nossas vidas que podemos controlar nossas emoções, porém, também existem momentos em que não. Portanto, já houve situações em que eu me chateava demais com alguns acontecimentos e percebia que não me fazia bem, procurei me alienar de certas coisas e me senti bem melhor. Quando não somos capazes de escapar de situações tensas, estressantes, percebemos que a lindona se exacerba. Sintomas e sequelas que estavam guardados, revolvem aparecer e devemos lidar com eles. Digo isso, porque a cada situação de ansiedade, de tensão em que posso, minha vertigem surge com tudo.

Dessa última vez, fui parar dentro da máquina de ressonância, por causa desse sintoma ou sequela, não sei ao certo. Com uma forte vertigem, a médica pediu que fizesse os exames para ver se não havia nada de novo e como eu já esperava, os sinais eram do meu estado emocional que estava muito abalado e a EM permanecia intacta, sem nenhuma novidade, graças a Deus. 

A médica perguntou o que estava acontecendo e quando lhe contei, que minha mãe tinha uma cirurgia marcada para retirar um nódulo no pulmão que iria para biópsia, ela super entendeu e aumentou um pouquinho a dose do meu ansiolítico para pelo menos passar essa fase. 

Eu andava tão tensa que sentia que estava mastigando os dentes. Ao mesmo tempo o Baby, começou a trabalhar a noite e minha rotina mudou demais, aquele sossego que eu sentia todos os dias depois das 18 horas, porque estava sendo “cuidada” e protegida, acabou, agora tenho que ficar a maior parte dos dias sozinha. Como são 13 anos sempre juntos, acabei me esquecendo o que é ficar comigo mesma e também por sempre estar perto da minha família, sou acostumada estar rodeada de gente.

Ainda por isso, fico bastante tempo com a minha irmã mais velha, meu cunhado e as crianças, coisa que adoro, mas que tem dias que cansa demais. Porém, pra relaxar a mente dessas tensões do cotidiano, o desenvolvimento dessas crianças, é o melhor remédio.

Enfim, mais uma vez notei o quanto é necessário a gente viver a vida com Esclerose Múltipla zen. Não sofrer por antecedência, procurar conversar com outras pessoas, ocupar a mente com outros assuntos, não criar expectativas que possam te frustrar depois, ou seja, deixar a vida nos levar, literalmente.

Hoje posso dizer que estou muito melhor, a cirurgia de maman foi um sucesso e o resultado da biópsia ainda melhor. Graças aos deuses, hoje mesmo comemoramos o resultado!

Daqui uns dias retorno pra dose inicial do ansiolítico e segue o baile, espero que mais zen. 

E com vocês meus amores múltiplos, percebem o que estado emocional provocam na nossa vida com Esclerose Múltipla? Contem pra nós! 

Milhares de beijinhos e até mais….