AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Vitamina D

Vitamina D

Estamos aprendendo muito sobre o papel que a vitamina D desempenha na EM. Mas ainda não sabemos se tomar suplementos de vitamina D podem ajudar a administrar a EM. Os pesquisadores estão trabalhando duro para entender completamente o vínculo entre a vitamina D e a EM para testar se a vitamina D poderia ser um tratamento para a EM.

O que é a vitamina D?

O corpo precisa de vitamina D para ajudar a absorver diferentes nutrientes, em particular o cálcio. Você pode ouvir sobre a vitamina D como a vitamina do sol. Isso ocorre porque ela é produzida em nossa pele em resposta à luz solar.

Nós recebemos a maior parte da nossa vitamina D através da exposição ao sol, mas também é encontrada em pequenas quantidades em peixes oleosos, ovos, carne, leite e margarina. Alguns cereais e iogurtes também são “fortificados” com vitamina D.

Por que a vitamina D foi associada à EM?

Sabemos que a EM é mais comum nos países mais distantes do Equador. As pessoas que vivem mais longe do Equador recebem menos luz solar. Isso significa que muitas vezes eles têm níveis mais baixos de vitamina D.

Isso levou pesquisadores a investigar uma possível ligação entre os níveis de vitamina D e EM.

Vitamina D e EM – o que sabemos?

Os pesquisadores estão focados em duas áreas-chave:

  1. A baixa vitamina D aumenta o risco de uma pessoa desenvolver EM?
  2. Os níveis baixos de vitamina D afetam as recorrências da EM e a progressão da doença?

Os pesquisadores estão trabalhando muito para entender mais sobre o vínculo entre a vitamina D e a EM. Isso inclui explorar o potencial de suplementos de vitamina D para reduzir o risco de EM de uma pessoa e como tratamento para pessoas com EM.

Os níveis de vitamina D afetam seu risco de EM?

Embora ainda haja muitas perguntas sem resposta, a evidência está crescendo, que existe um papel protetor para a vitamina D na EM.

Níveis de vitamina D durante a gravidez

Em 2016, os cientistas descobriram que crianças nascidas com níveis muito baixos de vitamina D eram mais propensas a desenvolver EM na vida adulta. Isso sugere que os níveis de vitamina D durante a gravidez podem afetar o risco futuro de EM de um filho. O estudo não descobriu que os níveis crescentes de vitamina D além dos níveis recomendados reduziram o risco de desenvolver a condição.

Isso aumenta uma pesquisa anterior que liga o mês em que você nasceu e o risco de desenvolver EM. Em 2016, realizou-se um grande e muito detalhado estudo envolvendo mais de 21 mil pessoas com EM. Os pesquisadores descobriram que as pessoas que nasceram em novembro foram menos propensas a ter desenvolvido EM do que aqueles que nasceram em abril.

A ligação entre o mês de nascimento e o risco de EM sugere que alguns fatores de risco ambientais para a EM possam atuar antes do nascimento.

Vitamina D na infância

A pesquisa mostra que a falta de vitamina D na primeira infância pode aumentar o risco de desenvolver EM mais tarde na vida. Estudos mostram que as pessoas que se mudaram para um novo país durante a infância adotam o risco do país para o qual se mudam. Mas se as pessoas migram mais tarde na vida (em seus anos vinte ou mais tarde), eles mantêm o perfil de risco de seu país de nascimento.

Um estudo da Suécia em 2015 também descobriu que havia um vínculo entre adolescentes com início precoce da EM e baixa exposição ao sol do verão durante a adolescência.

Esses estudos indicam que pode haver um papel importante para a vitamina D e outros fatores ambientais na EM durante a infância e desenvolvimento inicial.

Genética

Em 2015, cientistas demonstraram uma ligação clara entre a baixa vitamina D e a EM. Sua pesquisa descobriu que as pessoas que eram mais propensas a ter níveis baixos de vitamina D eram mais propensas a desenvolver EM.

Pesquisadores em Oxford também descobriram que a vitamina D poderia afetar a forma como um gene ligado a EM se comporta. Eles mostraram que, quando a vitamina D estava presente, o gene era mais ativo. Esta pesquisa inovadora poderia nos ajudar a entender mais sobre o papel que a vitamina D desempenha no desenvolvimento da EM.

Vitamina D como tratamento para EM

Há alguma evidência de que níveis mais baixos de vitamina D estão associados com maiores taxas de recaída na EM. Um estudo descobriu que as pessoas com níveis mais altos de vitamina D (acima de 50 nmol / l) eram menos propensas ter novos surtos ou lesões após cinco anos.

Os pesquisadores estão trabalhando duro para descobrir se tomar suplementos de vitamina D podem ser usados ​​para tratar os sintomas da EM. Vários estudos já foram publicados, com resultados mistos. Os testes foram bastante pequenos e usaram diferentes doses de vitamina D.

Resultados de ensaio

Um estudo de 2015 descobriu que a alta dose de vitamina D poderia afetar o sistema imunológico. Tomar 10.400 unidades internacionais (UI) de vitamina todos os dias durante seis meses reduziu o número de certas células imunes que são conhecidas por causar danos na EM. O estudo envolveu 40 pessoas com EMRR.

O teste, no entanto, não testou se o suplemento reduziu a recidiva ou a progressão.

Um estudo finlandês de 2012 descobriu que os suplementos de vitamina D reduziram o desenvolvimento da lesão, conforme medido pela ressonância magnética. No entanto, o suplemento não reduziu o número de recidivas que as pessoas experimentaram ou a progressão lenta. O teste envolveu 100 pessoas com doença recorrente que tomavam interferon beta.

Um estudo do Norueguês de 2012 também descobriu que a vitamina D não reduziu as recidivas ou os níveis de deficiência. O teste envolveu 69 com EMRR.

Ainda não conhecemos o melhor nível de vitamina D para pessoas com EM.

Em 2015, cientistas do Cambridge Center for Myelin Repair revelaram um papel para a vitamina D na promoção do reparo de mielina. Eles descobriram que a adição de vitamina D aumentou o número de células geradoras de mielina presentes no cérebro em 80% em ratos. Os pares de proteína do receptor de vitamina D com uma proteína existente já estão envolvidos no reparo de mielina, chamado RXR gamma. >

Se eu estiver tomando suplementos de vitamina D?

A pesquisa até agora mostra um papel para a vitamina D na EM, mas agora não sabemos se tomar suplementos tem benefícios para pessoas com EM. Se você estiver preocupado com seus níveis de vitamina D e acha que seus níveis podem ser insuficientes, você deve discutir isso com seu profissional de saúde. Mais pesquisas são necessárias para entender se tomar suplementos podem reduzir o risco de alguém de desenvolver EM ou reduzir os sintomas e retardar a progressão da doença para alguém com EM

Riscos de tomar muita vitamina D

Tomar a vitamina D em doses elevadas pode levar a uma acumulação de altos níveis de cálcio no sangue – uma condição conhecido como hipercalcemia. Isso pode causar cálculos renais e biliares, dor óssea, náuseas, vômitos, efeitos psicológicos e ritmos cardíacos anormais. Recomendações: recomenda-se que pessoas que tomem suplementos de vitamina D não excedam 1000 UI (25 microgramas) por dia.

Estamos aprendendo cada vez mais sobre a importância da vitamina D na EM. Mas agora ainda não temos respostas para algumas questões-chave, incluindo: Os suplementos de vitamina D ajudam a prevenir ou tratar a EM? A vitamina D é benéfica como um tratamento para todos os tipos de EM? Que dose de vitamina D é necessária? A dose é segura? Testar os benefícios dos suplementos de vitamina D é uma prioridade de pesquisa atualmente, principalmente pela MS Society (Reino Unido).

 

Texto traduzido pela AME de MS Society
(https://www.mssociety.org.uk/ms-research/emerging-areas/vitamin-d)

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS