SEM LENÇO E SEM DOCUMENTO, LUTANDO POR NOSSOS DIREITOS

Olá amigos múltiplos,

Acredito que o sentimento de todos é de insegurança. O país enfrenta um dos cenários mais sombrios visto por alguém que tem apenas 40 anos de idade e que só havia encontrado alguns fatos semelhantes quando resolveu usar um tempo de sua vida se dedicando a pesquisa na ciência política, com disciplinas obrigatórias e optativas do currículo de cientista social. Mas acredito que tanto os mais experientes e os menos, de gerações próximas, estejam chocados com o rumo que está indo o nosso país. Bem, mas não é sobre o meu passado, nem o passado do Brasil que quero escrever aqui para vocês.

O que está acontecendo hoje é a queda de um país que sempre foi conhecido por suas diferenças de classes tão berrantes, onde os únicos que tinham chance na vida, de estudar, trabalhar, constituir família, eram os conhecidos classe média alta, a elite.

Os mais desfavorecidos eram considerados pobres, quiçá miseráveis, aqueles que não tinham oportunidade alguma de estudar e "vencer na vida". Eis que os anos dois mil começaram com uma grande transformação no país, foi quando o lado esquerdo da política ganhou as eleições presidenciais. E vocês sabem o que isso significava? "Ser de esquerda presumiria lutar pelos direitos dos trabalhadores e da população mais pobre, a promoção do bem estar coletivo e da participação popular dos movimentos sociais e minorias. Já a direita representaria uma visão mais conservadora, ligada a um comportamento tradicional, que busca manter o poder da elite e promover o bem estar individual." Resumindo em poucas e simples palavras : Finalmente o poder iria se preocupar com o lado social do cidadãos, assim se empenhando em projetos que pudessem diminuir essa diferença exorbitante de classes e oferecendo uma vida com mais oportunidades às minorias.

Bem meus amigos, não quero dizer aqui em qual lado estou nessa guerra política. Porém quero deixar claro que após os últimos acontecimentos nesse departamento, onde não foram respeitados a maioria dos votos de uma população, estaremos sujeitos a toda e qualquer injustiça. Fazendo assim com que todos os direitos que tenhamos conquistados nesses anos, desapareçam de uma hora para outra, como está sendo o caso desta medida provisória a Pec 241, que com a justificativa de "precisar enxugar" os gastos públicos, devido à situação de crise que dizem se encontrar, irão nos cortar em saúde e educação. Então, pensem vocês, se a educação está falida, há muitos anos, com excesso de alunos em sala de aula, com salário defasado de professor, condições precárias de trabalho. Com esses cortes de orçamento, estão querendo modificar as leis de diretrizes e bases da educação, onde são definidas as disciplinas obrigatórias a cada série da vida escolar e tirando a sociologia e filosofia da grade curricular dos alunos de escolas públicas, o governo almeja criar pessoas que não saibam distinguir entre o certo e o errado, no momento que negam o conhecimento filosófico.

Pessoas que não tem senso crítico, ao se verem numa situação dúbia, onde existem duas vertentes, com interpretações diferentes. Com o discurso de que Universidade não é para pobre, como chegamos a ouvir de nosso deputado e para aqueles que aceitam que quem não tem dinheiro não faz Universidade, só tenho a dizer que tudo isso faz parte de um plano para retroceder nosso país à aqueles anos que iniciei o texto, da época da minha primeira faculdade onde era comum, ouvir que negro, pobre, pra fazer curso superior, deveria passar no vestibular da USP, Unesp, Unicamp, UnB, apenas as públicas, pois os governantes não tinham muito interesse em ajudar como é o caso do ProUni, Fies, Pronatec que foram programas da esquerda em incentivo à educação.

E que veremos tudo se perder com a imoral justificativa que o país entrou em crise econômica, devido à esses programas que incentivaram milhões de brasileiros a estudar, trabalhar e constituir família. Quando esse mesmo governo que desrespeitou as urnas, esconde a maior sonegação de impostos de grandes e " imensas" empresas que acarreta num déficit gigantesco nos cofres públicos. Mas claro que nesse assunto, a mídia não tem interesse em publicar, afinal faz parte desse bolo. Bom meus queridos, estou tocando nesse assunto tão chato para algumas pessoas, porém acreditando que é de muita importância para todos nós.

Não só como cidadãos que pagam suas contas corretas, muito menos como aspirantes a manifestantes mas sim como pacientes de uma doença grave. Não podemos deixar que nos tirem os nossos direitos adquiridos, aqueles que nossos companheiros há anos conquistaram com muita garra, aqueles que nós conseguimos com a força da opinião pública, do juntos somos mais fortes, daqueles que ainda estamos lutando….. Estão tentando acabar com o nosso direito de ficar doente, se você trabalha não pode se ausentar. Se sua doença não tem melhora, estão tentando fazer você pedir as contas. Se sua doença não tem cura, estão deixando você sem pagamento. Se fosse um programa de humor, seria pra ver se você morre logo e não traz mais prejuízos… Infelizmente não é. É o que está acontecendo, um filme de terror! Dizem pra nós, que não vão retirar os nossos medicamentos, por exemplo. Mas o Gilenya entrou no protocolo em 2014 depois de anos de espera.

E agora? Meus amigos que somos múltiplos, sentem esperança em conseguir aprovar um novo medicamento no Alto Custo se o nosso governante está fazendo cortes na saúde também ? Em junho deste ano, o Comitê Brasileiro de Tratamento e Pesquisa em Esclerose Múltipla e Doenças Neuroimunológicas (BCTRIMS) e a Associação Brasileira de Neurologia (ABN) desenvolveram uma proposta de um novo Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) da Esclerose Múltipla. Há alguns dias, as entidades se reuniram em audiência com a CONITEC para apresentar e discutir a proposição. A informação que tenho até agora é que a CONITEC poderá avaliar melhor as propostas. No entanto, com o andar da carruagem do momento que estamos vivendo, se conseguirmos será uma glória. Onde já se foi retirado verbas para assistência de crianças deficientes e idosos, se espera tudo.

O que gostaria de pedir a todos, é que nesse momento de incertezas de nosso governo atual, nós não deixássemos que através de uma imprensa interesseira, uma briga de partidos políticos, a nossa luta perdesse a força. Temos que estar do mesmo lado, do lado dos doentes que não pediram para ter uma doença grave ! Do lado dos pacientes de alto custo, daqueles que não são do Alto Custo, daqueles que estão buscando ainda um medicamento não liberado pela Anvisa, daqueles que precisam de internação, daqueles que ganham um salário mínimo e aqueles que nem sabem quanto vale isso. Que não nos deixemos levar por esse momento de intolerância e ódio ! Lutaremos juntos pela mesma causa, independente de esquerda, direita ou Centro !!!

Obrigada pela atenção! Mil beijinhos e até mais.