Rock in Rio: uma experiência para todos

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Em 2015 fui ao Rock in Rio pela primeira vez. Como não sou paciente de EM e nem pessoa com deficiência, a minha visão sobre acessibilidade era e ainda é um pouco restrita ao meu olhar. Apesar disso, desde o diagnóstico do meu irmão, tenho reparado mais nos perrengues e facilidades que essas pessoas possam enfrentar em locais públicos.

Na edição desse ano, a primeira coisa que reparei quando entrei na Cidade do Rock foi o Lounge PNE. Reparei também no banheiro exclusivo ao lado do Palco Mundo e, como não lembrava de nada disso na edição passada, fui atrás de todas as informações sobre a acessibilidade do evento.

No Louge PNE conversei com o Júlio da Kit Livre, que me disse que esse ano era tudo acessível. E realmente foi, inclusive os brinquedos tinham adaptações para cadeirantes.

A Kit Livre é uma empresa de São José dos Campos que adapta cadeira de rodas para serem triciclos motorizados e elétricos e, no Rock in Rio, foi contratada para alugar cadeiras de rodas motorizadas e disponibilizar cadeiras de rodas sem custo. As motorizadas são gratuitas por 2 horas, depois disso é cobrado um valor de 30 reais por hora. Outra coisa muito bacana: no Louge PNE, a galera da Kit Livre disponibilizava um serviço de reparos às cadeiras de rodas alugadas ou próprias.

No meio desse passeio, abordei a Rafaela Domeni (que ilustra nosso post na foto ali em cima)que, coincidência ou não como ela mesma disse, convive com EM desde 2005. Conversamos um pouco e ela me contou como foi fácil usufruir das facilidades. Logo que chegou, como estava andando com apoio, foi abordada pelo pessoal treinado pela organização do Rock in Rio, que disponibilizou a cadeira motorizadada até o o Lounge. Como 30 reais por hora não é um valor tão acessível, ela optou pela cadeira de rodas normal assim que chegou lá para fazer o cadastro de PNE. Ali também era possível fazer o agendamento da ida aos brinquedos pela fila preferencial. 

Como eu disse no começo do texto, não sou pessoa com deficiência, mas fiquei feliz em ver que o evento foi pensado para todos e que contou com a ajuda de quem convive com todas as questões da mobilidade reduzida, o Thiago Amaral, promovendo a acessibilidade com propriedade num evento tão incrível. Uma pena que esse tenha sido o primeiro ano. Uma felicidade também, afinal, antes tarde do que nunca!

 

Explore mais

Inspirações

A Luz no fim do Túnel!

Oi amigos, tudo bem? Espero que sim! A Covid é uma doença que a medicina ainda não consegue resolver! É mais um mal que nós,