Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Se tem algo que está proliferando mais que o coronavírus é a “doença da produtividade”.  De onde esse povo acha tanto tempo num dia e tanta disposição pra produzir tanto?

Obviamente que não é uma doença de verdade e feliz de quem pode e consegue produzir, seja o que for nesse caos que nossa vida se tornou. O comentário inicial pode parecer ranço e inveja, mas é só uma constatação mesmo.

Fico abismada, porque não dou conta nem do básico do dia à dia. Eu sou atrapalhada, não consigo nunca estabelecer uma rotina, por mínima que seja, justamente porque esbarro na fadiga ou num dia cheio de dores.

Ser produtivo se tornou imperativo

Desde o inicio da “quarentena” imposta pela pandemia, tenho visto uma enxurrada de conteúdo sendo produzido com as mais diversas finalidades.  É diário da quarentena na visão das mais diversas pessoas. São cursos online, gratuitos ou bem pagos, dos conteúdos mais diversos e para os mais diversos fins. “Lives” de artistas, de políticos, de professores, de gente séria e de gente sem fundamento e sem noção. Comédia, drama, música, cinema, educação, saúde, cultura, política, notícias, fake news… Tem de tudo, não há o que não haja.

Diante de tão farto “cardápio” de entretenimento, eu penso que caso fosse consumir tudo aquilo que me interessa, precisaria de mais umas 3 ou 4 existências completas. Além disso, sinto uma pressão para que todo mundo seja produtivo. Como se dar conta de crianças, pré-adolescentes em casa, 24 horas por dia, administrar a dificuldade e a frustração delas com os deveres da escola, segurar a onda da ansiedade delas, da fome interminável de comida, de conhecimento, de respostas, de vida, de tudo mais que essas criaturinhas dessa idade têm e ainda administrar minha própria ansiedade e frustração não fosse trabalho suficiente.

E eu, faço o quê?

É certo que esse excesso de “produção de conteúdo” é um escape para a ansiedade e frustrações. Mas nem todo mundo consegue usar essas ferramentas com esse fim. No meu caso, o efeito é contrário. Cada coisa que me proponho a fazer e não consigo, seja por qual motivo, me deixa ainda mais frustrada. Me culpo e me condeno por não ser capaz de produzir nada de útil para a coletividade.

O que me conforta, no entanto, é saber que tenho feito tanto quanto posso em vários aspectos no meu mundinho.  Sem ter máquina de costura e sem saber costurar, produzi algumas máscaras para nosso uso. Tenho feito alguns poucos cursos online. A oferta é imensa, inclusive de cursos gratuitos, que é o que posso fazer, mas não posso dar passo maior do que a perna, uma coisa de cada vez porque meu déficit cognitivo não ajuda. Nunca fiz tanto bolo na vida! Dos mais diversos sabores e que nem chegam a esfriar direito e já desapareceram por completo. Além de me manter a disposição dos amigos para uma conversa, porque se tem algo que todo mundo precisa nesse momento é alguém para desabafar ou para falar amenidades pra distrair. Enfim, se me sentisse bem todos os dias, certamente poderia fazer mais. Mas preciso aceitar minhas limitações.

E você, está no time de quem ta produzindo muita coisa, aprendendo tudo, ou ta como eu, meio perdida nessa bagunça?

Explore mais

Acessibilidade

FADIGA DO ISOLAMENTO

Oi Amigos, tudo bem? Espero que sim! F ui no monte das fadigas! A ndei, Andei e D isse Como eu vou fazer pois eu

Mulher de blusa de mangas curtas listrada de branco e preto e macacão preto segura um livro nas mãos. Ela está em pé, de perfil. Ao fundo, o mar azul.
Emoções

Além da Esclerose Múltipla…

por Eloisa Gimenes A EM por ser uma doença inflamatória e degenerativa do Sistema Nervoso Central, tem como principal queixa, os próprios surtos que podem