Paralimpíadas: Uma visão de quem quase não viu.

Em regiões de interior como a que eu moro, quem não tem antena parabólica nem tv por assinatura como eu, que ainda tenho tv de tubo conectada num conversor digital furreca e a uma antena UHF ainda mais furreca, tem pouquíssimos canais à disposição. Na minha casa só tenho sinal de dois. Então a televisão ainda me faz companhia, mas cada dia dou menos importância à ela, até mesmo as novelas eu acompanho mais pelas notícias da internet do que realmente assistindo aos capítulos. Noticiário, filmes, séries, vejo tudo na internet porque a tv já não tem nada de bom pra me oferecer.

A maior bola fora da TV aberta foi ignorar solenemente as paralimpíadas. Só nos noticiários e programas esportivos se fica sabendo o que aconteceu no dia e as histórias de um ou outro atleta. Nada de cobertura jornalística e transmissão ao vivo das competições, nem mesmo dos esportes mais populares, nem mesmo daqueles envolvendo brasileiros e nem sequer daqueles com potenciais medalhas brasileiras em jogo. Se eu não tivesse internet, não veria ou saberia quase nada.

Eu já não entendo essa separação de eventos. Deveria ser uma coisa só. Um evento criado para unir os povos e para ser inclusivo, ser separado do evento principal e ter tão menos importância jornalística dispensada é no mínimo contraditório. Inclusão sem visibilidade é como nos convidar para uma festa onde não podemos aparecer nas fotos.

A abertura foi linda. Simples, mas emocionante. Até o fato da atleta Márcia Malsar cair enquanto carregava a tocha (e se levantar sozinha, o mais rápido que pôde).

Não deixe de assistir o vídeo no final do post. Nele, uma amostra do que é a vida: Uma caminhada incerta, mas sempre em frente. É precisar de apoio para caminhar. É cair e levantar. E continuar andando.

=========================================================

N.E.: No dia da abertura das paralimpíadas, 07/09/2016, fiquei curiosa sobre a atleta que caiu com a tocha. Fiz uma pesquisa no google e as únicas referências que encontrei eram as recentes notícias sobre seu tombo na abertura e esse link aqui da página oficial do evento. Ainda hoje, tantos dias depois, a recém criada (14/09/2016) página do wikipédia com a qual linkei o nome dela, tem pouquíssimas informações.