AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Vitamina D para atrasar a EM?

Vitamina D para atrasar a EM?

Os níveis de vitamina D na população variam amplamente dependendo de muitos fatores, tais como dieta ou exposição ao sol (principal fonte de vitamina D). O seu papel na prevenção e no tratamento de pessoas com esclerose múltipla parece importante. A relação entre a vitamina D e o aparecimento da esclerose múltipla é conhecida há algum tempo, no entanto, o papel deste nutriente como uma opção para o tratamento de pacientes com esta doença neurodegenerativa não é tão claro assim. Um grande estudo internacional com participação espanhola apontou em uma direção positiva. A EM é mais comum em áreas remotas do Equador, onde a exposição solar é menor, e os filhos de mães que tiveram carência de vitamina D durante a gravidez têm maior chance de desenvolverem EM quando atingem a idade adulta. Isto sugeriu que há algum tempo, a vitamina D em quelatos sintetizados no corpo pela exposição aos raios solares pode ter um papel na génese desta doença (que também é influenciado por outros fatores genéticos e ambientais) envolvendo dois milhões e meio de pessoas em todo o mundo. Isso desencadeou uma série de pesquisas sobre o papel deste composto tanto na prevenção e tratamento dos pacientes de EM. A mais recente, publicada nas páginas do JAMA x Neurologia, sugere que níveis mais altos de vitamina D no organismo retardam a doença a progressão da doença nos pacientes estudados. Recentemente 465 pacientes pertencem a um grande estudo internacional, liderado Universidade de Harvard (EUA), que estão em observação para observarem a interferência imediata de pacientes recém-diagnosticados com esclerose múltipla. Esta doença neurodegenerativa do sistema nervoso, é caracterizada por uma perda progressiva das funções do corpo por um ataque auto-imune em determinado sistema defensivo da bainha de mielina. O Dr. Xavier Montalban, vice-presidente da Sociedade Espanhola de Neurologia e um dos signatários do trabalho, explica que este estudo pode beneficiar e trazer cerca de 14 anos de acompanhamento para pacientes com um primeiro evento sugestivo de esclerose múltipla. “Sua boa projeção nos permitiu obter muitas informação científicas de qualidade”, diz ele.

Níveis mais baixos, ou uma pior progressão neste estudo foram associados aos baixos níveis de vitamina D no organismo, e também a piores resultados para os pacientes em cinco anos após o diagnóstico e um maior número de lesões cerebrais ativas. Em contraste, aqueles com níveis mais altos de vitamina D no sangue, tinham um risco 57 % menor de dano cerebral, a taxa de recaída de 57% mais baixa e aumento do volume de lesão mais de um ano 25 % menor para os participantes com níveis “pobres” de D. A presença de vitamina D também foi associada com a menor perda de volume cerebral, um marcador que indica o grau de incapacidades posteriores nos pacientes, o que sugere que este nutriente pode ter algum efeito protetor no diagnóstico. “É um ensaio clínico randomizado, apoiado por MRI, e com teste em participantes, o que nos permite garantir dados mais sólidos do que os obtidos até agora [em torno do papel da vitamina D na progressão e severidade da esclerose]”, disse Montalban.

Suplementos orais são seguros?

O diretor do Centro de Esclerose Múltipla da Catalunha reconhece que há alguns problemas práticos para extrair destes resultados à conclusão de que esses pacientes se beneficiariam de suplementação oral com vitamina D. “Um ensaio clínico para avaliar este ponto é muito complexo, porque os níveis de vitamina D na população variam amplamente, dependendo de muitos fatores, tais como a dieta ou a exposição ao sol (principal fonte de vitamina D), e um número muito grande de pacientes seria necessário para chegar a uma conclusão firme.” Na sua opinião, o que está acontecendo é que muitos neurologistas e seus pacientes realizam uma análise para monitorar os níveis desta vitamina e se existirem alguns déficits, recomendar suplementos orais. Mas adverte: a vitamina D não é isenta de riscos. “É um medicamento e houve casos de intoxicação por dose excessiva de vitamina D isolada”, de modo que essa prática deve ser sempre controlado pelos neurologista. Além da exposição natural ao Sol, outras fontes “naturais” de vitamina D são encontrados em certos peixes (como salmão e sardinha, incluindo em conserva), carne de fígado, ovo, e alguns tipos de cogumelos.

www.elmundo.es. Traduzido livremente.

ame

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta