Um mapa celular de lesões cerebrais na Esclerose Múltipla

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Resumo:

  • Os pesquisadores criaram um mapa detalhado das células nas lesões em expansão envolvidas em formas mais incapacitantes de Esclerose Múltipla;
  • Os resultados revelam novos alvos terapêuticos potenciais para a doença progressiva;
  • Os pesquisadores usaram o sequenciamento de RNA de uma única célula para mapear as células encontradas nas bordas das lesões crônicas de EM. 

A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença de longa duração que afeta o cérebro e a medula espinhal. Ocorre quando o sistema imunológico do corpo ataca a camada protetora que se forma ao redor das células nervosas, chamada mielina. Isso pode levar à perda de visão, fraqueza muscular, problemas de equilíbrio e coordenação, fadiga, dormência e outros sintomas debilitantes. Um subconjunto de pessoas desenvolverá EM progressiva, resultando em danos extensos ao tecido cerebral e incapacidade.

Não há cura para a EM. Os medicamentos antiinflamatórios que acalmam o sistema imunológico podem ajudar os pacientes com EM a controlar seus sintomas. Mas os tratamentos não são tão eficazes para pacientes com lesões crônicas ativas – áreas de danos ou cicatrizes que se expandem lentamente. Essas lesões “latentes” de EM são visíveis em exames de ressonância magnética como manchas escuras no cérebro.

Um estudo anterior descobriu que as lesões crônicas ativas estão associadas a formas mais agressivas e incapacitantes de EM. A equipe de pesquisa, liderada pelo Dr. Daniel Reich do Instituto Nacional de Doenças Neurológicas e Derrame (NINDS) do NIH, começou a aprender mais sobre as células que impulsionam essas lesões crônicas ativas. Os resultados apareceram na revista Nature, em setembro de 2021.

A equipe usou o sequenciamento de RNA de uma única célula para mapear as células encontradas nas bordas das lesões crônicas de EM. O sequenciamento de RNA de uma única célula é uma técnica poderosa que permite aos pesquisadores catalogar padrões de atividade gênica em células individuais. Os pesquisadores analisaram os perfis de atividade genética de mais de 66.000 células do tecido cerebral humano post-mortem. As amostras foram retiradas de cinco pacientes com esclerose múltipla e três controles saudáveis. 

Os cientistas foram capazes de criar o primeiro mapa abrangente de tipos de células envolvidas em lesões crônicas, bem como seus padrões de atividade gênica e interações. Eles descobriram uma grande diversidade de tipos de células no tecido ao redor das lesões crônicas ativas em comparação com o tecido cerebral saudável. Isso incluiu um número elevado de células imunes e astrócitos nas bordas ativas das lesões. Os astrócitos são um tipo de célula glial – uma classe de células que sustentam os neurônios do sistema nervoso.

A equipe também descobriu que a microglia constituía 25% de todas as células do sistema imunológico nas bordas da lesão. A microglia normalmente ajuda a proteger o cérebro, mas na EM e em outras doenças neurodegenerativas, eles podem se tornar hiperativas e secretar moléculas tóxicas que danificam as células nervosas.

Trabalhos posteriores revelaram que o gene para o componente do complemento 1q (C1q), uma proteína importante e evolutivamente antiga do sistema imunológico, foi ativado principalmente em um subgrupo da microglia responsável por conduzir a inflamação. Isso sugere que C1q pode contribuir para a progressão da lesão.

Para testar essa ideia, os pesquisadores removeram o gene da microglia de um modelo de ratos de Esclerose Múltipla. Os camundongos sem C1q microglial tiveram significativamente menos inflamação do tecido cerebral do que os animais do grupo de controle. O bloqueio de C1q em camundongos também reduziu o número de microglia envolvida nos danos nas lesões.

Esses resultados sugerem que o direcionamento de C1q na microglia humana pode interromper as lesões de EM. As descobertas podem ajudar no desenvolvimento de novos tratamentos para a EM progressiva.

“Nós identificamos um conjunto de células que parecem estar conduzindo algumas das inflamações crônicas vistas na EM progressiva”, diz Reich. “Esses resultados também nos fornecem uma maneira de testar novas terapias que podem acelerar o processo de cura do cérebro e prevenir danos cerebrais que ocorrem ao longo do tempo.”

 

Referência:

Absinta M et al. A lymphocyte-microglia-astrocyte axis in chronic active multiple sclerosis. Nature. 2021 Sep; 597 (7878): 709-714.

 

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: NIH – 28 de setembro de 2021.

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre