Como organizar com segurança as festas nos feriados de fim de ano durante a pandemia de COVID-19

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

As máscaras e o local onde as pessoas se sentam são as duas principais considerações de segurança para reuniões de feriados.

 

  • Muitas pessoas estão planejando grandes encontros de férias tentando manter a segurança contra a COVID-19 no topo do menu.
  • Os especialistas dizem que os protocolos de segurança devem começar com quem recebe os convites.
  • Como servir as refeições e se as pessoas devem usar máscaras dentro de casa são outras considerações importantes.
  • Os especialistas dizem que, ao discutir as medidas de segurança com os convidados, é melhor se concentrar em garantir que todos se sintam seguros.

Sim, é possível realizar uma reunião de férias segura durante a pandemia de COVID-19.

Com alguma consideração sobre quem é convidado, as festividades deste ano podem realmente parecer mais “normais” do que na temporada passada.

Os especialistas dizem que podemos agradecer às vacinas quando sentamos à mesa com amigos e familiares.

Quem incluir (e por que isso é importante)?

Decidir quem incluir é uma das questões mais difíceis da temporada de férias, disse o Dr. Iahn Gonsenhauser, diretor de qualidade e segurança do paciente do Centro Médico Wexner da Universidade Estadual de Ohio.

“Não existe uma solução única para essa questão, pois cada situação será única”, disse Gonsenhauser à Healthline.

Os especialistas mencionam que a COVID-19 agora afeta principalmente as pessoas que não foram vacinadas, pois têm taxas de transmissão de 5 a 10 vezes mais altas do que as pessoas vacinadas. Pessoas não vacinadas também representam mais de 90% de todas as hospitalizações e mortes devido à COVID-19.

“Isso significa que, para todas as pessoas, vacinadas ou não, os indivíduos não vacinados representam o maior risco de perpetuar a pandemia”, disse Gonsenhauser. “Sem estratégias adequadas de mitigação de risco, como uso de máscara e distanciamento físico, pessoas não vacinadas devem ser incluídas apenas se o anfitrião e outros convidados estiverem tomando uma decisão informada sobre esses riscos.”

Resumindo: se você deseja minimizar o risco, não convide para sua celebração pessoas com sintomas, que optaram por não ser vacinadas ou se recusam a usar máscara.

Como falar sobre o esquema vacinal

Manter os hóspedes seguros requer uma conversa sobre o estado de vacinação.

“Não é uma pergunta rude ou sem consideração, e não está infringindo nenhuma lei, lei de privacidade ou infringindo a relação médico/paciente”, disse Gonsenhauser.

Se este for um tópico de discussão em sua família ou grupo de amigos, ele diz que é importante começar com seu “por quê”.

“O status de vacinação foi apropriado como um sinal político, mas no fim, é realmente uma questão de segurança e risco. Comece com isso”, disse ele. “Baseie a discussão como sendo a sua prioridade para manter todos em sua celebração objetivamente seguros, mas também simplesmente se sentindo seguros.”

Se você está conversando com pessoas que não querem responder ou que discutem sobre os dados, Gonsenhauser sugere gentilmente lembrá-los de que os dados não são necessariamente consequentes.

Diga a eles que o que importa é como as pessoas se sentem e que você está comprometido em fazer com que todos se sintam seguros, em primeiro lugar.

“É fácil explicar por que você está pedindo a uma pessoa que forneça essa informação… para que a maioria dos convidados possa se sentir seguro no ambiente”, disse ele.

As crianças devem usar máscaras?

Depende.

“É uma boa ideia que as crianças que têm fatores de alto risco ou não foram vacinadas usem máscaras”, disse Gonsenhauser. “Estamos vendo um aumento no número de crianças gravemente afetadas pelo COVID-19, e é importante que lhes forneçamos o máximo de proteção possível.”

Para as crianças que receberam a primeira dose da vacina pelo menos 2 semanas antes de uma reunião, elas podem ser consideradas como tendo imunidade significativa, mas não ideal, disse ele.

“Para essas crianças parcialmente vacinadas, o uso de máscara é incentivado”, disse ele.

Serviço de refeição seguro

Para celebrações em que todos ou quase todos os participantes são vacinados, o serviço de refeições e os lugares podem ser como sempre foram, disse Gonsenhauser.

“Se a sua celebração incluir indivíduos não vacinados, eles devem ser solicitados a usar máscaras e você deve se certificar de não colocá-los na proximidade de alguém com fatores de alto risco ou potencialmente sentá-los individualmente a uma distância física adequada”, disse ele.

“É importante que todos entendam que, quando alguém escolhe tomar medidas que podem impactar a saúde daqueles ao seu redor, eles devem esperar que aqueles ao seu redor escolham se proteger”, disse Gonsenhauser.

Sentindo-se sem apoio ou ansioso?

Há uma chance de que, em alguns lares e círculos sociais, nem todos apoiem seus esforços para realizar uma reunião de fim de ano, mesmo com todas as medidas de segurança contra a COVID-19.

Pode ser difícil entender por que você está enfrentando resistência ou por que a ansiedade pandêmica de outras pessoas não corresponde à sua.

Loretta Graziano Breuning, PhD, fundadora do The Inner Mammal Institute, professora emérita da California State University East Bay e autora de “Jogos de Status: Por que brincamos e como parar”, explica que a ansiedade é desencadeada por vias neurais construído a partir de experiências anteriores.

“Os neurônios se conectam quando o hormônio do estresse conhecido como cortisol flui, e isso o leva a liberar cortisol mais rápido no futuro”, disse o Dr. Breuning à Healthline. “Então, mesmo quando você pensa que são os eventos de hoje que o preocupam, seu cérebro está sempre filtrando o mundo através das lentes de velhas redes neurais.”

Em outras palavras, cada cérebro acredita em sua própria realidade porque cada cérebro está conectado por sua própria experiência.

É por isso que você pode querer seguir a sugestão de Gonsenhauser de seguir seus sentimentos em relação a manter as pessoas seguras, em vez de discutir dados ao se preparar para reuniões de fim de ano.

“Você terá férias melhores se aceitar que os outros têm suas próprias preocupações com base em seus próprios circuitos de ansiedade”, disse Breuning. “As férias são um momento para aceitar aquelas pessoas que você escolheu para ficar perto, apesar de suas redes neurais serem inevitavelmente diferentes.”

 

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: Healthline

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre