Jovens com EM que usam precocemente uma DMT quando tem uma recaída podem apresentar menor deficiência posterior

Mulher loira de cabelos lisos sorri olhando para a esquerda, ela tem uma mão levantada na altura do queijo segurando um copo. Texto em letras laranjas e fundo branco: "Jovens que seguem tratamento precoce apresentam menor deficiência postetior após recaida".

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Pessoas jovens com esclerose múltipla (EM) que fazem o tratamento precoce por meio de terapia modificadora da doença, quando têm uma recaída nos primeiros três anos do curso da doença têm maior probabilidade de se recuperar completamente, diminuindo o risco de deficiências em 10 anos, a longo prazo, sugere um estudo.

A recuperação completa também pode ser mais provável nessas pessoas se elas não apresentarem sintomas intestinais, urinários ou cognitivos.

O estudo, “Recuperação de recaída na esclerose múltipla: efeito do tratamento e contribuição para a deficiência de longo prazo”, foi publicado no Multiple Sclerosis Journal – Experimental, Translational and Clinical.

Recaídas, ou episódios imprevisíveis de agravamento da doença, são uma característica fundamental da EM. Os resultados de longo prazo para as pessoas, incluindo a progressão para incapacidade grave, são determinados principalmente pela frequência e gravidade de suas recaídas e pela forma como se recuperam delas.

O grau de recuperação varia muito entre as pessoas, com até 59% das recaídas resolvendo-se de forma incompleta, ou seja, com lesão persistente nos nervos. Vários tratamentos modificadores da doença (DMTs), incluindo interferons e esteroides, são usados ​​para reduzir o risco de recaída e gravidade e progressão para deficiência.

Os cientistas estabeleceram que o grau de recuperação da recaída pode prever resultados de longo prazo nas pessoas. No entanto, os fatores que determinam a recuperação completa ou incompleta e o impacto da recuperação incompleta na progressão da deficiência não estão claros.

Uma equipe liderada por pesquisadores da Harvard Medical School em Boston investigou fatores que podem determinar a recuperação incompleta de uma recaída nos primeiros três anos. Eles também estudaram como os DMTs afetam a recuperação, e o impacto da recuperação incompleta nos resultados de incapacidades 10 anos mais tarde.

Os resultados de deficiência foram medidos por meio da escala de status de deficiência expandida (EDSS, na sigla em inglês; quanto maior a pontuação, maior o nível de deficiência da pessoa) e uma caminhada cronometrada de 8 metros (um teste de desempenho de mobilidade e função das pernas).

Um total de 360 ​​pessoas, todos inscritos no estudo Comprehensive Longitudinal Investigations in Multiple Sclerosis no hospital Brigham and Women’s (CLIMB), em Boston, nos EUA, foram incluídos na análise; destes, 89,2% eram brancos e 73,6% mulheres. Em média, as pessoas tinham 35,8 anos quando perceberam os primeiros sintomas e foram diagnosticadas com idade média de 36,7 anos.

Sua taxa média de recaída anual foi de 0,35; em média, as pessoas tiveram cerca de duas recaídas, um episódio inicial e outro nos primeiros três anos de diagnóstico.

Quase metade, 44,6%, dessas recidivas deixou um déficit residual ou persistente após pelo menos seis meses.

Os resultados mostraram que as pessoas que experimentaram recaídas nos primeiros três anos após o diagnóstico tinham maior probabilidade de se recuperar completamente se fossem mais jovens, tivessem um índice de massa corporal menor (IMC, uma medida para calcular o peso ideal), maior duração da doença e estivessem usando um DMT, especificamente interferons ou acetato de glatirâmero (vendido como Copaxone e também disponível como formulações genéricas) no momento da recaída.

Especificamente, 51,8% das recaídas em pessoas não tratadas tiveram uma recuperação incompleta, em comparação com 28,9% em pessoas que receberam um DMT.

“Os tratamentos mais comuns em nosso conjunto, interferons e acetato de glatirâmero, foram associados à melhora na recuperação da recaída”, escreveram os pesquisadores.

As pessoas tratadas com esteroides também tinham maior probabilidade de se recuperar completamente. Os dados “mostraram um efeito benéfico do tratamento com esteroides na recuperação. Estudos anteriores mostraram uma falta de efeito ou uma melhoria inconsistente”, escreveu a equipe.

É importante ressaltar que as pessoas sem sintomas urinários, intestinais ou cognitivos também apresentaram maior probabilidade de se recuperar completamente.

Com relação aos resultados de incapacidade de 10 anos, os pesquisadores descobriram que enquanto as recuperações incompletas nos primeiros três anos de recaída aumentaram os graus de incapacidade, as recuperações completas os reduziram.

Em um modelo que leva em consideração vários fatores complexos (modelo multivariável), a pontuação EDSS de 10 anos aumentou 0,6 pontos para cada recuperação incompleta experimentada por uma pessoa que convive com EM. Pessoas com recuperações incompletas também completaram o teste de caminhada de 8 metros em velocidades mais lentas, sugerindo mobilidade mais comprometida.

“Nossos resultados demonstraram que o número de recaídas precoces com recuperação incompleta é um indicador significativo da deficiência de 10 anos de uma pessoa, medida por EDSS e caminhada cronometrada de 8 metros, duas ferramentas válidas e clinicamente relevantes”, escreveram os pesquisadores.

De acordo com as descobertas de três anos, os resultados de incapacidade de 10 anos foram piores naqueles em idades mais velhas (um aumento de pontuação EDSS de 0,02 pontos para cada ano de adição de idade) e associados a um IMC mais alto (embora não significativamente) nos primeiros sintomas.

“O aumento na deficiência de 10 anos com cada recuperação incompleta nos primeiros três anos indica que as recuperações incompletas predispõem a resultados piores em longo prazo, seja devido ao acúmulo de deficiência ou uma fisiopatologia agressiva comum”, escreveram os pesquisadores.

A recuperação da recaída nessas análises não foi associada a sexo, história de tabagismo, história familiar de MS, raça ou duração da recaída, observou o estudo.

As limitações do estudo incluem sua natureza retrospectiva (avaliando eventos passados), a falta de diversidade da amostra do estudo (predominantemente branca e feminina) e a incapacidade de avaliar a recuperação com ferramentas mais especializadas, escreveu a equipe.

No entanto, os pesquisadores acreditam que esses dados fornecem evidências de que a recuperação da recaída nos primeiros estágios clínicos prevê a incapacidade de 10 anos, e que o tratamento precoce com DMTs pode melhorar a recuperação e prevenir a incapacidade de longo prazo.

“Essas descobertas podem informar diretamente a tomada de decisão clínica, o desenho do ensaio clínico e a pesquisa translacional”, concluíram. “As evidências crescentes sobre a associação entre recuperação e incapacidade de longo prazo devem informar a tomada de decisão clínica: as pessoas com recuperação incompleta podem exigir um acompanhamento mais próximo e um tratamento mais agressivo.”

 

Fonte: MS News Today

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Explore mais