AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

MANIPULAÇÃO DA MIELINA

MANIPULAÇÃO DA MIELINA

Pesquisadores australianos descobriram que a atividade elétrica das células nervosas no cérebro desempenha um papel importante no crescimento da mielina. Esta descoberta de laboratório pode levar a novas intervenções para promover o reparo de mielina na EM.

Uma equipe de pesquisadores liderada pela Austrália descobriu que as células nervosas estimulantes no cérebro promovem a formação de mielina em torno dessas células nervosas. Sua descoberta de laboratório pode levar a novas intervenções para promover o reparo de mielina na EM.

As células do nervo ou os neurônios enviam sinais ao longo dos axônios para dentro e para fora do corpo para mover os músculos e nos permitem sentir, interpretar e nos envolver com o mundo que nos rodeia. Muitos axônios são protegidos por uma camada isolante conhecida como mielina, o que permite que os sinais nervosos viajem a grande velocidade e forneçam nutrição para os neurônios.

Na EM, esta camada de mielina fica danificada e esgotada, prejudicando a capacidade dos neurônios em se comunicar uns com os outros, interrompendo a transmissão do sinal entre o cérebro e o corpo. Essa interrupção leva aos sintomas da EM. Eventualmente, sem a proteção e nutrição da camada de mielina, a célula nervosa morre, levando a danos irreversíveis.

Na pesquisa de EM, um esforço considerável está sendo investido no desenvolvimento de formas de reabastecer a mielina depois que ela se esgota. Uma abordagem é descobrir como as células nervosas ficam revestidas com mielina durante o desenvolvimento normal do cérebro. Compreender esses mecanismos poderia conter pistas importantes para ajudar a desenvolver terapias para promover a regeneração da mielina, o que poderia parar alguns dos sintomas da EM e potencialmente reverter a incapacidade.

Atividade elétrica

Agora, pela primeira vez, um grupo de cientistas descobriu que o nível de atividade elétrica de uma célula nervosa determina o grau em que está mielinado.

No presente estudo, publicado em Nature Communications, Dr. Tobias Merson (ARMI Monash University) e a sua equipe mostraram que a estimulação de axônios individuais nos cérebros de ratinhos aumentou a produção de células formadoras de mielina, formalmente conhecidos como oligodendrócitos. Estes oligodendrócitos encontraram preferencialmente a mielina nos axônios ativados e a mielina nos axônios ativados também formou uma camada mais espessa. Por outro lado, diminuir a atividade dos neurônios reduziu seu nível de mielinização.

Há algum tempo, sabe-se que o treinamento para tarefas específicas, como fazer malabarismo ou tocar instrumentos musicais, aumenta o grau em que partes do cérebro estão mielinizadas. Este estudo, que indica que a quantidade de mielina em torno de uma célula nervosa é afetada pelo seu nível de atividade, pode explicar como isso ocorre. Esta descoberta fundamental poderia nos ajudar a desbloquear formas de incentivar o reparo natural da mielina no cérebro de pessoas com EM.

Embora esta pesquisa ainda esteja em seus estágios iniciais, este é um importante passo em frente, o que pode abrir caminho para que possamos manipular o reparo de mielina. As abordagens terapêuticas que aumentam a ativação de certas células nervosas podem ser acopladas a medicamentos que promovam a remielinização, reduzindo ou potencialmente reverter a incapacidade em uma pessoa com EM.

Fonte: https://bit.ly/2Ge7byG, MSIF, traduzido livremente.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS