Fadiga relacionada à Esclerose Múltipla é identificada como o principal fator que afeta a capacidade de trabalho

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Pesquisadores apontam uma pior fadiga como um aspecto importante a influenciar o trabalho de pessoas com Esclerose Múltipla Recorrente Remitente

 

A fadiga, isolada ou em combinação com depressão ou ansiedade, é o principal fator de influência da capacidade autorrelatada para o trabalho entre pessoas com Esclerose Múltipla recorrente-remitente (EMRR) e deficiência leve, de acordo com um estudo na Holanda.

Notavelmente, ao contrário das expectativas dos pesquisadores, os traços de personalidade não afetaram as dificuldades de trabalho de uma pessoa com EM, quando corrigidos para fatores de influência relacionados à EM conhecidos.

Essas descobertas destacam a importância de controlar a fadiga e o humor para otimizar a capacidade de trabalho das pessoas com EMRR, disseram os pesquisadores, observando que tais sintomas “podem ser potencialmente tratados ou melhor administrador” para melhorar a capacidade de trabalho.

Ainda assim, estudos futuros usando medidas subjetivas e objetivas de funcionamento ocupacional, e considerando outros fatores, provavelmente acrescentariam alguns insights relevantes sobre essas associações, eles observaram.

O estudo, “Funcionamento ocupacional auto-relatado em pessoas com EMRR: a personalidade importa?” foi publicado no Journal of the Neurological Sciences.

A pesquisa mostra que as taxas de desemprego entre as pessoas que vivem com EM chegam a 80%. Aqueles que continuam a trabalhar podem “experimentar várias dificuldades de trabalho devido a limitações físicas, psicológicas, cognitivas e externas ao trabalho”, escreveram os pesquisadores.

Dessa forma, identificar os principais fatores que afetam o emprego de pessoas com EM é fundamental para o desenvolvimento de estratégias adequadas e eficazes para superar as dificuldades de trabalho que esses indivíduos enfrentam.

Um estudo anterior identificou traços de personalidade como um fator que influencia o risco de desemprego na EM.

Os principais traços de personalidade citados incluem neuroticismo – uma personalidade negativa ou ansiosa –, extroversão, definida como ter uma personalidade social e positiva, e abertura, ou uma personalidade de mente aberta e criativa. A agradabilidade, ou seja, ter uma personalidade cooperativa e amigável, e a conscienciosidade, definida como uma personalidade responsável e organizada, foram os outros traços fundamentais citados.

De acordo com pesquisas anteriores, as pessoas com EM apresentam níveis mais elevados de neuroticismo e níveis mais baixos de extroversão e conscienciosidade – semelhante ao tipo de personalidade angustiada (tipo D) – do que seus pares sem a condição.

A personalidade do tipo D é caracterizada pela tendência de experimentar emoções negativas, ao mesmo tempo que mostra a tendência de não expressar essas emoções.

Esse tipo de personalidade ou seus traços correspondentes têm sido associados não apenas a vários resultados negativos relacionados à saúde, como pior qualidade de vida, depressão, ansiedade e fadiga, mas também ao desemprego.

Agora, uma equipe de pesquisadores de institutos de toda a Holanda avaliou os efeitos dos cinco traços de personalidade em vários resultados ocupacionais auto-relatados de 241 adultos com EMRR e 60 adultos saudáveis, que serviram como controles.

Os resultados ocupacionais incluíram status de trabalho, número de horas ausentes devido a EM, a influência dos sintomas de EM na produtividade do trabalho, o tempo que os problemas físicos e emocionais impactam o trabalho, capacidade para o trabalho, dificuldades de trabalho e consideração para reduzir as horas de trabalho.

A equipe formulou a hipótese de que os traços de personalidade associados ao tipo D estariam ligados a piores resultados ocupacionais em pessoas com EMRR e que a personalidade explicaria a variabilidade adicional nesses resultados em relação aos fatores de influência demográfica e relacionados à condição conhecidos.

Os fatores de influência avaliados incluíram deficiência relacionada à EM, o uso de tratamento imunomodulador, fadiga (ou seu impacto nas atividades diárias), depressão, ansiedade, velocidade de processamento cognitivo, idade e gênero.

As pessoas com EM envolvidas no estudo tinham uma idade mediana de 42 anos e apresentavam deficiência leve. Elas foram recrutadas em 16 clínicas ambulatoriais de EM no contexto do estudo MS@Work, um estudo de três anos sobre a participação no trabalho de adultos com EMRR na Holanda.

Todos os participantes foram submetidos a exames neuropsicológicos e neurológicos e preencheram questionários.

Os resultados mostraram que as pessoas com EMRR relataram significativamente menos horas de trabalho, pior produtividade e capacidade de trabalho e mais dificuldades de trabalho em relação a indivíduos saudáveis. Eles também tinham significativamente mais traços de personalidade sugestivos do tipo D, mais depressão, ansiedade e fadiga e velocidade de processamento cognitivo mais lenta, consistente com achados anteriores.

Para a surpresa dos pesquisadores, no entanto, os traços de personalidade não foram significativamente associados ao funcionamento ocupacional entre as pessoas com EMRR ao levar em conta a deficiência relacionada à EM, ao impacto da fadiga, depressão, ansiedade e velocidade de processamento cognitivo.

O fato de que o estudo atual incluiu apenas pessoas com EMRR, que tinham menor duração da EM e deficiência mais leve do que os participantes de estudos anteriores – que   incluíram indivíduos com EM progressiva – pode ajudar a explicar a ausência de tais associações, segundo a hipótese da equipe.

Eles observaram que estudos adicionais devem avaliar a influência potencial dos traços de personalidade nesses resultados de trabalho entre pessoas com EM com uma condição mais avançada e/ou progressiva e também incluir medidas mais objetivas desses resultados relacionados ao trabalho.

Notavelmente, o impacto percebido da fadiga foi considerado o principal e mais significativo fator de influência dos resultados de trabalho das pessoas, “explicando a maior variação no funcionamento ocupacional”, escreveram os pesquisadores.

Uma fadiga pior foi significativamente associada a uma maior chance de faltar ao trabalho, maior impacto dos sintomas de EM na produtividade do trabalho e menor capacidade para o trabalho.

Além disso, em combinação com níveis mais altos de fadiga, mais sintomas de depressão estavam associados ao fato de não ter um trabalho remunerado e a uma chance maior de considerar a redução da jornada de trabalho. Enquanto isso, mais sintomas de ansiedade estavam associados a mais dificuldades no trabalho.

Nenhum outro fator foi encontrado para contribuir significativamente para as dificuldades de trabalho das pessoas com EM.

Essas descobertas sugerem que, em pessoas que vivem com EMRR, “o impacto da fadiga e do humor contribui mais para explicar o funcionamento ocupacional do que a idade, sexo, uso de tratamento imunomodulador, deficiência relacionada à EM e velocidade de processamento de informações”, escreveu a equipe.

Esses resultados são “clinicamente relevantes, na medida em que o gerenciamento da fadiga e do humor são de extrema importância na otimização do funcionamento ocupacional em pessoas com EM”, e como esses sintomas “podem ser potencialmente tratados ou melhor administrados por reabilitação e treinamento personalizados”, escreveram os pesquisadores.

Ainda assim, os fatores avaliados não puderam explicar totalmente a variabilidade nos resultados do trabalho em pessoas com EMRR, “enfatizando a necessidade de examinar adicionalmente outros fatores (contextuais) ao considerar os desafios ocupacionais na EM”, escreveram os pesquisadores.

 

Fonte: Multiple Sclerosis News Today

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Explore mais

Clube AME

Desestressando o estresse

Como Identificar e Gerenciar a Tensão que a Esclerose Múltipla Pode Causar