AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Exposição solar e EM

Exposição solar e EM

A exposição solar pode alterar o risco e o curso da doença na EM precoce

  • Dois estudos dos EUA e da Austrália mostraram que a exposição solar ao longo da vida afeta o risco de desenvolver EM, bem como o curso de sua doença.
  • Pessoas com maior exposição solar tiveram menor conversão para EM clinicamente definida e menor número de recaídas
  • Resultados consistentes semelhantes não foram observados para o nível de vitamina D no sangue e o curso da EM de uma pessoa
  • Pessoas que mudaram significativamente sua exposição ao sol durante os cinco anos do estudo diminuíram sua chance de se converterem à esclerose múltipla e sua chance de ter uma recaída
  • O estudo norte-americano mostrou que a exposição solar ao longo da vida esteve associada ao risco de desenvolver EM em negros, brancos e hispânicos, enquanto níveis baixos de vitamina D foram um fator de risco apenas para pessoas brancas.
  • Outro estudo mostrou que viver em uma área com maior exposição ao sol antes do início da doença e durante a infância diminuiu o risco de desenvolver EM.

Dois estudos dos EUA e da Austrália mostraram que a exposição solar ao longo da vida afeta o risco de uma pessoa desenvolver EM, bem como o curso de sua doença.

Pesquisas anteriores mostraram que a baixa exposição à luz ultravioleta (UV) do sol e baixos níveis de vitamina D está ligada a um aumento do risco de desenvolver esclerose múltipla. No entanto, relativamente pouca pesquisa analisou se a exposição ao sol ao longo da vida de uma pessoa ou a vitamina D afeta a gravidade ou o curso da EM.

A nova pesquisa australiana, publicada no Frontiers in Neurology, respondeu a essa pergunta, usando informações coletadas como parte do Estudo AusImmune. O estudo multicêntrico da AusImmune investigou os fatores ambientais associados a um primeiro ataque de sintomas semelhantes aos da EM, conhecido como um primeiro evento desmielinizante, e acompanhou esses participantes por muitos anos. Esse acompanhamento de longo prazo dos participantes torna o estudo da AusImmune excepcionalmente poderoso em comparação com outros projetos de pesquisa, que apenas comparam os resultados de pessoas com esclerose múltipla com aquelas de pessoas sem esclerose múltipla em um único instantâneo no tempo.

O novo estudo, conduzido pelo professor Bruce Taylor, do Instituto Menzies de Pesquisa Médica, em Hobart, acompanhou 145 pessoas que sofreram um primeiro evento desmielinizante por cinco anos. Os participantes foram convidados a preencher questionários sobre o comportamento do sol e o tempo gasto fora em diferentes idades, a fim de determinar a exposição solar ao longo da vida. Os pesquisadores também fizeram medições de luz ultravioleta nas casas e nos locais de trabalho dos participantes a cada mês para estimar sua exposição à luz ultravioleta. Os níveis de vitamina D no sangue dos participantes foram medidos no início do estudo, na metade e após os cinco anos completos.

Resultados

O estudo mostrou que a maior exposição solar ao longo da vida diminuiu a probabilidade de um indivíduo se converter para um diagnóstico de EM após um primeiro evento desmielinizante. Para um diagnóstico de EM a ser feito, dois eventos desmielinizantes separados precisam ter ocorrido. Portanto, neste estudo, a maior exposição solar protegeu as pessoas de experimentar o segundo evento desmielinizante nos cinco anos seguintes.

Maior exposição a UV antes de experimentar um primeiro evento desmielinizante, particularmente durante a infância e adolescência, também reduziu o risco de recaída ao longo dos cinco anos.

Quando os pesquisadores examinaram a exposição aos raios UV de todo o grupo após o primeiro evento desmielinizante, eles descobriram que isso não estava ligado a um risco reduzido de conversão para a esclerose múltipla ou uma recaída. No entanto, a maioria dos participantes apresentou exposição solar relativamente estável ao longo do estudo.

Um grupo menor de pessoas que aumentaram significativamente sua exposição ao sol nos cinco anos após o primeiro evento desmielinizante mostrou um risco reduzido de conversão para a esclerose múltipla, o que reduziu sua chance de ter uma recaída. O oposto também era verdadeiro: aqueles que reduziram significativamente a exposição ao sol aumentaram sua chance de conversão para EM e de ter uma recaída. Esse achado implica que, em algumas pessoas com EM, a exposição ao sol pode ter um efeito benéfico no curso da doença.

Vitamina D

Não foi encontrada ligação entre o nível de vitamina D no sangue de uma pessoa e se ela se converteu ou não em um diagnóstico de EM ou teve uma recaída durante o período do estudo. Da mesma forma, as pessoas cujos níveis de vitamina D mudaram significativamente durante o estudo não tiveram qualquer alteração correspondente ao risco de recaídas ou conversão para a esclerose múltipla. Enquanto outra pesquisa descobriu que a vitamina D desempenha um papel no curso da EM de uma pessoa, este estudo implica que é a exposição solar que tem o efeito dominante, em vez da vitamina D. Este estudo fornece evidências de que as invenções para EM aumentam com segurança a exposição a UV, como a radioterapia UV de banda estreita, pode ser mais benéfica para a esclerose múltipla do que a vitamina D sozinha.

Em um estudo separado, a Kaiser Permanente, do sul da Califórnia, investigou se a exposição solar ao longo da vida e a vitamina D alteravam o risco de EM em diferentes grupos raciais. O estudo, publicado na revista Nutrients, teve como objetivo isolar os efeitos da exposição solar e da vitamina D no risco de EM, levando em conta as diferenças, como ancestralidade genética.

Chamada de ‘MS Sunshine Study’, a pesquisa analisou pessoas com esclerose múltipla de origem branca, negra e hispânica e as comparou a pessoas sem esclerose múltipla. Os pesquisadores descobriram que, em pessoas brancas ou negras, a maior exposição solar ao longo da vida reduz o risco de desenvolver EM. Uma tendência semelhante foi observada no grupo hispânico. Este efeito foi independente do nível de vitamina D no sangue. Níveis mais altos de vitamina D no sangue estavam associados a um risco menor de esclerose múltipla apenas em pessoas de um fundo branco, não em pessoas de ascendência negra ou hispânica.

A falta de correlação entre os níveis de vitamina D no sangue e o desenvolvimento da esclerose múltipla observados nestes estudos suporta a hipótese de que a luz do sol é capaz de modular o curso da doença através de uma via que é independente da vitamina D.

Terceiro estudo

Um terceiro estudo, de pesquisadores do Canadá e dos Estados Unidos publicado na revista Neurology, também mostrou que a exposição solar no início da vida pode alterar o risco de desenvolver EM. O estudo comparou a exposição solar ao longo da vida e sazonal de pessoas com esclerose múltipla a pessoas sem esclerose múltipla. Os pesquisadores também tentaram distinguir claramente os efeitos da exposição ao sol, levando em conta outros fatores, incluindo ascendência genética, tabagismo e suplementação de vitamina D. A maioria das pessoas que participaram deste estudo era de cor branca.

Os pesquisadores descobriram que viver em uma área com maior exposição solar antes do início da doença – em particular, os 5 a 15 anos antes do início – reduz o risco de desenvolver EM. Eles também descobriram que a exposição solar na infância era importante; morar em uma área com maior exposição ao sol e ter alta exposição ao sol durante o verão entre as idades de 5 a 15 anos foi associado com um menor risco de EM mais tarde na vida. Ao contrário dos dois estudos anteriores, este terceiro estudo não mediu diretamente os níveis de vitamina D nos participantes. No entanto, este estudo acrescenta mais peso ao papel da exposição solar no risco de desenvolver EM.

Confira aqui mais estudos sobre exposição solar e EM.

Fonte: Multiple Sclerosis International Federation, https://bit.ly/2IpTm5e, traduzido livremente e adaptado redação AME.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS