Eu fui derrubada pela Esclerose Múltipla, mas levantei de novo

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

A vida de uma pessoa com Esclerose Múltipla pode levar a longa jornada com altos e baixos, momentos que precisarão de todas as forças e resiliência.

Neste texto para o Multiple Sclerosis Net, a Calie Wyatt, mulher com EM e mãe de quatro crianças, traz um pouco sobre sua experiência em um dos anos mais difíceis de sua vida, quando precisou parar a medicação. 

Boa leitura!

***

Este último ano foi uma jornada para mim. Uma viagem para encontrar o destino para me sentir “normal” novamente depois de quase um ano sem medicamentos para Esclerose Múltipla. A viagem não foi por escolha, mas por necessidade médica. Meus linfócitos estavam perigosamente baixos. Mas isso dá outro artigo por si só.

 

Me sentindo para baixo e reconhecendo isso

Foi um ano que me ensinou muitas coisas. Uma dessas coisas é que ter dias ruins de EM é genuíno e é uma droga. Alguns dias sugam muito mais do que outros. Eles me derrubam, e eu me perco. Descobri que, naqueles dias, posso me permitir ir a alguns lugares sombrios que jurei guardar no passado. No ano passado, até me senti em uma posição em que me perguntava se acabaria me sentindo para baixo o suficiente para atingir o fundo do poço novamente. E acabar tomando decisões ruins baseada em quão mal eu me sentia.

 

Combatendo a Esclerose Múltipla com esperança recém-descoberta

No entanto, sei que os dias ruins não precisam definir o amanhã. Eu me levantei do fundo do poço uma vez e, por mais tentador que fosse ir para aquele lugar novamente quando estou me sentindo para baixo, não posso. É um lugar que eu trabalhei muito duro para superar. Eu não vou voltar. Eu mereço melhor, e as pessoas que amo merecem melhor. Estou constantemente me lembrando de não viver com medo da próxima vez, mas sim de viver cada dia com intenção e esperança recém-descoberta.

Para arrancar as cortinas que causaram a escuridão e permitir que a luz do sol espreite novamente. Não precisa ser uma transição rápida ou esmagadora. Posso abri-los tão lentamente quanto preciso, um passo de cada vez, até ver como a vida pode ser brilhante e bonita novamente. É encontrar o equilíbrio perfeito entre muito escuro e muito claro, a quantidade perfeita de luz para eu ver claramente. Ao celebrar cada pequena vitória de ressurgir, vejo os vislumbres de esperança na escuridão.

 

O poder da intenção

Não posso ser sugada para a mentira de que todos os dias daqui em diante também serão ruins. Eu tenho que me encorajar com lembretes gentis, e às vezes de hora em hora, de que eu superei com sucesso cada dia ruim até agora. Eu vou passar por isso também. Meu corpo mudou e sinto a mudança, mas no fundo, sei que tenho o poder de me levantar e ter a intenção em me amar como eu sou. Eu sei o que fazer para me sentir melhor. Eu tenho que encontrar forças para fazer essas coisas. Se eu não tiver propósito e compromisso com minha saúde agora, é aceitar a derrota mesmo nos dias mais desafiadores. Ser intencional com a forma como trato meu corpo agora é lutar por um futuro melhor. Um futuro que pode não ser melhor em todos os sentidos, mas nunca me arrependerei de tentar o meu melhor. Meu único arrependimento seria não me levantar e começar mais cedo.

 

Não vamos esquecer a resiliência

É mais fácil para mim chafurdar nos dias ruins, mas não será fácil viver uma vida assim continuamente. Não será fácil desistir e sempre se perguntar “e se?”. E se eu tivesse apenas tentado continuar? Como teria sido minha vida então? Não quero olhar para trás e me perguntar. Quero viver agora e saber que, se o futuro da minha saúde for mais sombrio do que eu esperava, fiz o meu melhor. Eu quero ter esse lembrete e esperança quando os dias mais sombrios baterem novamente. Eu sei que eles vão, mas vou ver se posso passar por eles quando o fizerem.

Precisamos passar pela tentativa e erro até podermos ver o que funciona melhor. Quando a vida estiver turbulenta, continue até chegar ao destino que você mais queria ver. Há vitória em chegar lá e há alegria em saber que você não precisa aceitar a derrota. Você ganha e perde, mas os triunfos são mais doces quando você sabe que deu tudo o que tinha para chegar lá. A derrota acontecerá e essa é uma parte da vida que todos nós temos que passar. Mas é no fracasso que podemos olhar para trás e ver o que deu errado e aprender com isso.

 

Uma lição de um sucesso dos anos 90 para a Esclerose Múltipla

Podemos aprender e crescer. A derrota torna a celebração das vitórias ainda mais gratificante. Por menores que sejam, reconhecer nossas realizações nos ajuda a recuperar a confiança. Eles nos motivam a reunir a força necessária para enfrentar o que vier a seguir. Para nos ajudar a saber que podemos sair da escuridão. Como a letra de Tubthumping de Chumbawamba diz: “Eu fui derrubado, mas levantei de novo. Você nunca vai me derrubar”.

 

Leia mais no site da AME:

 

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: Multiple Sclerosis Net

Escrito por Calie Wyatt, em 20 de maio de 2022.

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre