AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Epilepsia e EM: existe ligação?

Epilepsia e EM: existe ligação?

EM e convulsões: Qual é a conexão?

Um estudo recente baseado em índice  populacional indica que as internações por epilepsia e esclerose múltipla ocorrem em conjunto com mais frequência do que seria esperado pelo acaso.

A relação entre convulsões e esclerose múltipla não é bem compreendida. Elas têm sido reconhecidas como parte do espectro de sintomas que podem ocorrer na esclerose múltipla. Raramente, um ataque pode mesmo ser o sintoma de apresentação da esclerose múltipla.

A probabilidade de ataques em pacientes de esclerose múltipla é cerca de 3 vezes mais elevada do que seria esperado na população geral. Eventos paroxísticos não-epilépticos também podem ocorrer em pacientes com esclerose múltipla, e devem ser diferenciados de convulsões epilépticas.

EM, tratamento e convulções

O efeito dos tratamentos para a EM também deve ser considerado como uma das causas das convulsões. Interferon e acetato de glatiramer podem aumentar a ocorrência de convulsões. Dalfampridine (Ampyra®), um bloqueador dos canais de potássio aprovado nos EUA pelo FDA (Food and Drug Administration) prescrito para melhorar o caminhar, pode causar convulsões. Baclofen intratecal tem sido associado com convulsões e estado de mal epiléptico, no entanto ainda não se tem uma conclusão a respeito. As bulas listam convulsões como efeito adverso do natalizumab (Tysabri®) ou qualquer um dos novos tratamentos orais para EM: fumarato de dimetilo (Tecfidera®), fingolimod (Gilenya®) ou teriflunomide (Aubagio®).

Estudo de caso: A EM e as crises de início recente

Muitos anos atrás, eu admiti um homem de 40 anos com EM para a unidade de monitoramento de epilepsia com crises de início recente. Apesar de viver com esclerose múltipla por cerca de 10 anos, ele tinha poucos déficits neurológicos focais. No entanto, ele tinha sofrido um declínio cognitivo significativo.

Lembro-me de me surpreender em seu exame de ressonância magnética, que mostrou uma grande quantidade de atrofia global, mas não muito na forma de múltiplas placas típicas da esclerose. Naquela época, aprendemos que a esclerose múltipla é uma “doença da substância branca”, tornando a constatação de perda neuronal significativa surpreendente – tanto foi de fato, que iniciou-se uma investigação em busca de outras causas de atrofia cerebral. No entanto, as lesões de matéria cinzenta são agora reconhecidos como parte do processo da doença esclerose múltipla e foram, provavelmente, responsáveis pelo desenvolvimento de epilepsia no caso daquele paciente. Que diferença faz algumas décadas!

Análise das internações por esclerose múltipla e epilepsia

Allen e seus colegas analisaram dois recordes ligados ao conjuntos de dados estatísticos da Inglaterra: Statistics Hospital Episode (HES/1999-2011) e da Oxford registo de estudo Linkage (ORLS/1963-1998). Depois de estabelecer as admissões para a esclerose múltipla, procuraram um banco de dados ligado à epilepsia como uma condição de “resultado”, usando G40- G41 e CID -7 , -8 , -9 e códigos. Eles também reverteram o procedimento, estabelecendo as admissões para a epilepsia, e em seguida, olhando para a esclerose múltipla como uma condição de “resultado”.

Ambos os bancos de dados fornecidos apresentaram resultados semelhantes. Quando a esclerose múltipla foi o diagnóstico inicial, a epilepsia foi aumentada na base de dados de HES por um risco relativo de 3,3 (P < 0,001) e nas ORLS por um risco relativo de 4,1 (P < 0,001). Quando a epilepsia foi o diagnóstico inicial a esclerose múltipla foi aumentada no grupo de HES por um risco relativo de 1,9 (P < 0,001) e 2,5 (P = 0,001) nos ORLS.

Mais estudos são necessários, mas o conhecimento de que a epilepsia e esclerose múltipla podem ocorrer em conjunto com mais frequência do que imaginávamos deve aumentar a vigilância para ambos quando diagnosticarem ou tratarem pacientes com qualquer uma das duas condições. Por exemplo, os sintomas cognitivos inexplicáveis ​​em um paciente com esclerose múltipla podem vir a ser crises parciais complexas, ao passo que um episódio de visão embaçada dolorosa em alguém com epilepsia pode indicar neurite óptica, primeiro sintoma de esclerose múltipla. Se convulsões requerem tratamento, um medicamento antiepiléptico deve ser escolhido sem exacerbar sintomas preexistentes da esclerose múltipla, tais como ataxia, tremor ou cognição prejudicada.

Mais pesquisas precisam ser feitas para investigar as razões subjacentes para o aumento da incidência de epilepsia em pacientes com esclerose múltipla, bem como um aumento da incidência da esclerose múltipla em pacientes com epilepsia. Desmielinização cortical inflamatória na esclerose múltipla pode causar perda neuronal e convulsões. Poderia uma patogênese inflamatória da epilepsia também causar a esclerose múltipla? Como a pesquisa continua progredindo muito rapidamente em ambos os estados de doença, talvez não teremos de esperar muito para descobrir esta e outras respostas.

 

Medscape. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta