Neurologia e Saúde da Mulher: Esclerose Múltipla

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

O gênero tem inúmeros efeitos em todos os campos da saúde, incluindo a neurologia. No Mês da História da Mulher do ano de 2021, os Departamentos de Neurologia e Neurocirurgia da Duke discutiram como condições como Esclerose Múltipla (EM), Epilepsia e lesões na coluna vertebral se relacionam com a saúde das mulheres. 

A médica Suma Shah comentou que a Esclerose Múltipla é duas vezes mais comum em mulheres do que em homens. Shah falou sobre as origens da EM e como ela afeta as mulheres em vários estágios de suas vidas. Também apontou sobre como as mulheres com EM podem trabalhar com seus para viver uma vida satisfatória e agradável com a Esclerose Múltipla e reduzir o impacto que isso tem em suas vidas.

 

As origens da Esclerose Múltipla ainda estão sendo estudadas, com genética, hormônios sexuais e fatores ambientais provavelmente desempenhando um papel. Quais são alguns dos fatores de risco associados à EM em geral e entre as mulheres em particular?

Ainda estamos aprendendo as respostas para essa pergunta. Alguns dos fatores de risco associados à Esclerose Múltipla são a genética (um gene HLA DRB1 em particular), a exposição prévia ao vírus Epstein Barr, fatores geográficos, níveis de vitamina D, exposição à fumaça do tabaco, obesidade, microbioma intestinal e até o mês de nascimento foram sugeridos como possíveis fatores de risco em estudos anteriores.

Mais recentemente, um estudo realizado por colegas na Austrália, Itália e República Tcheca mostrou que o início da síndrome clinicamente isolada (que é a primeira experiência de uma recaída de EM por uma pessoa com o diagnóstico) é significativamente mais lento em mulheres com gravidez anterior. Curiosamente, esse atraso não foi afetado pelo número de gestações, mas sim por ter estado grávida em algum momento. Isso certamente levanta mais questões sobre a influência hormonal no diagnóstico de EM.

 

Quais são os principais sintomas da esclerose múltipla (EM) em mulheres? Existem maneiras de esses sintomas, ou outros aspectos da doença, afetarem as mulheres de maneira diferente dos homens?

De pessoa para pessoa, ou mesmo o dia a dia para qualquer pessoa, podem surgir vários sintomas que afetam as pessoas com EM. Alguns dos sintomas mais comuns da EM são fadiga, alterações cognitivas, distúrbios sensoriais, problemas de visão e problemas de mobilidade. 

Para uma mulher que vive com Esclerose Múltipla, o planejamento pré-concepcional, a gravidez e a maternidade podem ser conversas e decisões desafiadoras.

 

Por que a EM afeta mais as mulheres do que os homens?

Ainda não há uma boa resposta para isso. As influências dos hormônios sexuais na expressão gênica, micro RNAs relacionados ao cromossomo X e efeitos dependentes do sexo conhecidos do envelhecimento no sistema imunológico foram implicados como possíveis razões. Tal como acontece com muitos recursos da Esclerose Múltipla, parece não haver um culpado; em vez disso, a interação de múltiplos fatores parece ter um papel.

 

Existem medidas que as mulheres podem tomar para reduzir o risco de desenvolver EM?

Certamente, evitar riscos (mencionados acima) faz parte do processo, mas ainda não há evidências que sugiram quaisquer medidas preventivas. Uma vez feito o diagnóstico, o mais importante é tratar precocemente e de forma eficaz para evitar mais lesões no sistema nervoso.

 

Como a EM afeta o planejamento familiar? O que as mulheres com Esclerose Múltipla devem estar cientes quando consideram a melhor forma de controlar sua fertilidade?

A EM, como muitas doenças crônicas, torna o planejamento familiar uma decisão complexa. A coisa mais importante a lembrar é que a EM por si só não significa que uma mulher não possa começar uma família. Em geral, as mulheres com EM não correm maior risco de complicações na gravidez. Com esse ponto de partida, se uma mulher quiser planejar uma família, é importante envolver um especialista em Esclerose Múltipla que possa ajudar a fornecer alguma educação sobre o melhor curso de ação individualizado.

Embora a gravidez possa ser protetora contra recaídas da EM, particularmente no terceiro trimestre, observou-se que há um aumento na taxa de recaídas nos primeiros três meses pós-parto. Os dados da pesquisa de mais de 1.200 mulheres refletem que a EM não influencia a decisão de uma mulher de se casar ou ter um relacionamento, mas pode causar preocupação em criar filhos.

 

Que interações, se houver, existem entre a EM e a menopausa? Que preocupações de saúde as mulheres com EM devem estar cientes à medida que envelhecem?

Sabemos que a idade média que as mulheres avançam para a forma secundária progressiva da EM ocorre durante o período da perimenopausa. Embora vários estudos tenham analisado se existe algum ponto específico (por exemplo, após o último ciclo menstrual) associado ao agravamento da incapacidade/progressão da EM, isso não foi encontrado. Isso provavelmente se deve ao fato de que as mudanças hormonais à medida que envelhecemos em direção à menopausa ocorrem lentamente e de forma contínua.

Existem várias recomendações de saúde que estão indiretamente relacionadas à Esclerose Múltipla. Estes têm a ver com envelhecimento saudável – alimentação correta, manter-se mental e fisicamente ativo. Em geral, isso é para prevenir os problemas cardiovasculares comuns que podem surgir com a idade (pressão alta, derrames, ataques cardíacos). Para as mulheres especificamente, gosto de incentivar exercícios musculares para ajudar a proteger contra o afinamento dos ossos. Uma fisioterapia de rotina é imprescindível para que as mulheres possam prevenir quedas e consequentes internações. Quanto mais saudável ficarem, mais proteção poderão ter de outras complicações que podem influenciar seus sintomas de Esclerose Múltipla.

 

Encontrar um equilíbrio saudável entre vida profissional e pessoal é difícil para muitas mulheres, mesmo aquelas sem os sintomas debilitantes da EM. Como os sintomas da EM afetam as mulheres que estão tentando trabalhar e/ou criar filhos? O que pode ser feito para ajudar as mulheres com EM a ter sucesso e encontrarem equilíbrio?

A fadiga relacionada à Esclerose Múltipla é o primeiro sintoma que vem à mente. A grande maioria das mulheres trabalhadoras questionadas no estudo Mulheres com EM (85% de 1248 inquiridas) relatou que sente fadiga relacionada com a EM. Esse tipo de fadiga é perturbadora e muitas vezes mais difícil de superar do que a fadiga cotidiana que alguém sem EM experimenta.

Sintomas de EM ou exacerbações de sintomas (agravamento de sintomas previamente experimentados no contexto de infecções, estresse, falta de sono, etc.) podem limitar a capacidade de participar de atividades familiares. As mulheres pesquisadas também responderam que há menos espontaneidade em sua família por causa da fadiga relacionada à EM. Ambas as coisas (participação em atividades familiares e espontaneidade) são mais pronunciadas quando a mobilidade também é limitada.

Incentivamos todos os nossos pacientes com Esclerose Múltipla a falarem com seus médicos sobre uma estratégia individualizada para enfrentar alguns dos desafios. A fadiga é tão multifatorial: pode ser da privação do sono, da depressão, do descondicionamento, além de ser apenas da fadiga que é exclusiva da EM. Planos de exercícios, fisioterapias, terapeutas ocupacionais, higiene do sono e medicamentos podem ser empregados para tratar a fadiga. Envolver a família e os amigos pode ajudar a criar um ambiente de apoio também.

 

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: Duke University School of Medicine, escrito em 16 de março de 2021

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre