AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Alterações no volume cerebral podem ser um indicador chave para a progressão da EM

Alterações no volume cerebral podem ser um indicador chave para a progressão da EM

Novas pesquisas sugerem que a taxa de atrofia cerebral, ou retração do cérebro, pode ser um importante indicador da progressão da doença na EM.

  • Atrofia cerebral ou encolhimento cerebral é um processo normal de envelhecimento, que pode ser acelerado em pessoas com EM
  • A taxa de atrofia cerebral pode ser um importante indicador da progressão da doença na EM
  • A atrofia cerebral pode ser um importante exame de ressonância magnética que oferece informações adicionais sobre e além das lesões cerebrais

Atrofia cerebral, ou encolhimento do cérebro, é um processo normal de envelhecimento que acontece com todos nós quando chegamos aos 20 anos. Existem muitas teorias sobre por que isso ocorre e pode haver diferentes fatores que podem afetar a taxa em que nossos cérebros perdem volume.

Em média, perdemos entre 0,5% e 1% do nosso volume cerebral por ano. Embora isso varie de pessoa para pessoa, para pessoas com esclerose múltipla, esse percentual pode ser um pouco maior. Medir a taxa de atrofia cerebral requer exames de ressonância magnética regulares de alta qualidade e cálculos complexos para calcular o volume do cérebro e a quantidade que ele muda ao longo do tempo – um processo desafiador.

Embora desafiador, esse processo pode fornecer informações valiosas sobre a atrofia cerebral, além das leituras de exames de ressonância magnética, como a localização e o tamanho das lesões cerebrais. Embora as lesões sejam rotineiramente usadas como marcadores, seu número, tamanho e localização nem sempre se correlacionam com a incapacidade que alguém possa ter ou desenvolver.

É muito importante que tenhamos bons marcadores para prever o curso da doença e monitorar com precisão a doença para ajudar a evitar o acúmulo de deficiências e interromper a progressão da atividade da doença. Um grupo de cientistas internacionais do Reino Unido, Europa e EUA tem investigado a atrofia cerebral em pessoas com EM primária progressiva. Neste estudo, publicado em Annals of Clinical e Translational Neurology, eles usaram o grupo controle (não tratado) participando de um ensaio clínico do fingolimode em EM progressiva, conhecido como o ensaio INFORMS. Usando esse grupo, os pesquisadores puderam tirar proveito de todos os dados detalhados coletados anteriormente sobre essas 487 pessoas com esclerose múltipla primária progressiva, incluindo várias imagens de ressonância magnética de seus cérebros e observações clínicas.

Durante o estudo, esses participantes mostraram baixos níveis de inflamação no cérebro, conforme determinado por lesões novas ou em crescimento vistas por suas ressonâncias magnéticas, apesar da progressão contínua de sua deficiência. Eles também tiveram um baixo nível de recidivas, embora suas ressonâncias magnéticas tenham revelado evidências de atividade inflamatória substancial anterior.

No entanto, quando os cientistas observaram a taxa de perda cerebral, descobriram que havia uma relação entre a quantidade de volume cerebral perdido e a progressão da incapacidade. Aqueles que experimentaram a maior perda de volume cerebral acabaram com incapacidade mais acentuada e progressão da doença no final do período de estudo. Esses resultados sugerem que há uma relação entre a perda de volume cerebral e a progressão da doença em pessoas com esclerose múltipla primária progressiva, o que é consistente com os dados daqueles com esclerose múltipla reincidente.

Neste estudo, a falta de inflamação ativa, como mostrado por lesões de ressonância magnética em pessoas com esclerose múltipla primária progressiva, sugere que a perda de volume cerebral não é dependente de níveis de inflamação no cérebro. Isso potencialmente explica por que alguns tratamentos antiinflamatórios que tiveram êxito na EM remitente recorrente não foram tão bem-sucedidos na EM primária progressiva.

Um dos desafios que o desenvolvimento de medicamentos para a esclerose múltipla progressiva enfrenta é a falta de marcadores que possam ser usados ​​em ensaios clínicos para determinar se alguma intervenção está ou não funcionando. Os resultados deste estudo reforçam a noção de que novas lesões ou lesões em crescimento, como visto pela ressonância magnética, não são marcadores adequados para esclerose múltipla primária progressiva.

Em vez disso, as medições do volume cerebral podem ser, pelo menos em parte, um marcador adequado para nos ajudar a acelerar a descoberta de novos medicamentos para tratar a esclerose múltipla progressiva. Outras pesquisas relacionadas indicam que a perda de volume cerebral em partes específicas do cérebro pode ser um marcador ainda mais sensível para a progressão da doença do que o volume total do cérebro.

Fonte: Multiple Sclerosis International Federation, traduzido livremente – Redação AME: https://bit.ly/2IMJgXf

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS