A privação de sono pode piorar a memória no início da Esclerose Múltipla

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Pesquisadores estudam como um descanso inadequado e privação do sono pode prejudicar a capacidade do hipocampo de processar novas informações em pessoas com Esclerose Múltipla

 

A privação de sono pode piorar a memória em pessoas com síndrome clinicamente isolada (CIS) ou Esclerose Múltipla recorrente-remitente (EMRR), sugere um novo estudo observacional.

Uma associação também foi observada entre a falta de sono e uma pior eficiência cognitiva no início da EM, mas essa relação foi causada pela piora do humor que ocorre em pessoas com distúrbios do sono, disseram os pesquisadores.

“As observações iniciais deste estudo conectam distúrbios do sono relatados pelo paciente especificamente à memória fraca no início da EM, mesmo quando controlando as covariáveis ​​[variáveis ​​independentes], incluindo humor, fadiga e deficiência”, escreveram os pesquisadores.

O estudo, “Perturbação do sono e disfunção da memória no início da Esclerose Múltipla”, foi publicado no Annals of Clinical and Translational Neurology.

A consolidação da memória – o processo de preservação de memórias ou experiências vitais e descarte de informações desnecessárias – ocorre durante o sono. Pessoas privadas de sono podem desenvolver uma memória fraca, dizem os pesquisadores, porque o cérebro não tem tempo suficiente para consolidar a memória e se preparar para aprender novas informações ao acordar.

A memória prejudicada é comum na EM, com alguns estudos associando-a a uma deterioração em partes do cérebro. Especificamente, pesquisas apontam para a degradação do hipocampo – essencial para a memória e aprendizagem – e do tálamo, que transmite mensagens ao córtex cerebral, a parte do cérebro que interpreta e processa as informações das memórias.

No entanto, esses estudos mostram apenas uma ligação modesta entre a deterioração do cérebro e uma memória prejudicada, então os cientistas acreditam que outros fatores estão envolvidos.

Pessoas com EM frequentemente apresentam um sono ruim e mostram sinais de privação de sono. Uma vez que estudos anteriores estabeleceram uma ligação entre o sono e a memória, uma equipe de pesquisadores em Nova York procurou determinar se o sono insatisfatório contribui para o comprometimento da memória em pessoas com EM.

Um total de 185 adultos com diagnóstico de CIS ou EMRR nos últimos cinco anos foram incluídos na análise, que foi financiada pelo National Institutes for Health. Essas pessoas, que faziam parte do estudo Reserve Against Disability in Early MS (RADIEMS), foram submetidas a uma série de avaliações, incluindo um questionário sobre distúrbios do sono relatados pelo participante e medidas de memória e velocidade cognitiva.

As tarefas de memória e cognição também foram concluídas por 50 indivíduos saudáveis ​​(controles) com características semelhantes às das pessoas com EM no estudo.

No geral, 40,2% das pessoas com EM relataram distúrbios do sono. As pessoas com privação de sono eram semelhantes às sem problemas de sono em termos de idade, sexo, curso da doença, medicamentos, consumo de cafeína e deficiência física. No entanto, aquelas com problemas para dormir relataram piora do humor e aumento da fadiga, e tiveram um número maior de lesões cerebrais do que aquelas sem distúrbios do sono.

Os participantes com privação de sono também tiveram memória significativamente pior do que as pessoas sem distúrbios do sono – mesmo depois de controlar as variáveis ​​que podem afetar o sono, como idade, sexo, humor, fadiga, índice de massa corporal (IMC) e medicamentos. No entanto, as pessoas sem problemas de sono tiveram um desempenho tão bom quanto os controles saudáveis ​​nos testes de memória.

O distúrbio do sono auto-relatado foi associado à disfunção de memória em nosso conjunto inicial de EM, mesmo quando controlando importantes fatores de confusão potenciais” ou outros fatores potencialmente impactantes, escreveram os pesquisadores.

Uma ligação inicial também foi observada relacionando pior eficiência cognitiva, ou velocidade, e distúrbios do sono. É importante ressaltar, no entanto, que essa associação não estava mais presente quando o humor era levado em consideração.

De acordo com os pesquisadores, isso “sugere que a simples associação entre distúrbios do sono e eficiência cognitiva… foi mediada por (ou seja, explicada pela) piora do humor.”

Com base em estudos com animais e humanos, uma explicação para a ligação entre o sono e a memória pode ser que o descanso inadequado prejudica a capacidade do hipocampo de processar novas informações, levando a uma piora na memória.

Outros estudos não encontraram uma ligação entre sono insatisfatório e memória, mas isso pode possivelmente ser devido ao fato de que suas amostras eram pequenas e os pesquisadores não mediram a memória visual, disseram os pesquisadores deste estudo.

No entanto, esse grupo maior e mais uniforme de pacientes “pode ter rendido mais para detectar uma associação”, escreveram os pesquisadores.

As limitações do estudo, conforme destacado pelos pesquisadores, incluíram medir a privação de sono apenas uma vez com questionários auto-relatados e conduzir avaliações de memória apenas uma vez.

No entanto, a equipe concluiu que suas observações “conectam a perturbação do sono relatada pelo paciente especificamente à memória fraca no início da EM.”

“Pesquisas futuras são necessárias para replicar nossas descobertas atuais com medidas objetivas de distúrbios do sono… o que ajudará a identificar os mecanismos básicos dessa relação na EM”, acrescentam os pesquisadores.

Dados adicionais podem apontar o caminho para potenciais alvos terapêuticos, disse a equipe.

“Os tratamentos do sono podem representar intervenções biologicamente plausíveis para melhorar a memória, o que seria valioso, dada a ausência de tratamentos de memória validados na EM”, escreveram os pesquisadores.

 

Fonte: Multiple Sclerosis News Today

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Explore mais