Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Hoje, venho aqui para falar dos inesperados da vida. Eu destaquei duas coisas que me aconteceram e que mudaram significativamente meu modo de viver, a saber: a EM e o Amor (um cão que eu adotei). Leia mais sobre isso.

A EM foi do tipo: morri e nasci novamente. Já falei sobre isso aqui várias vezes. Evidente que ter uma doença grave e sem cura não é legal. Mas foi para mim! Lidar com os “inesperados da vida” requer sabedoria. No início foi complicadíssimo, mas depois me dei conta que a minha vida tinha mudado para melhor. Apesar da doença, eu estou mais saudável. Cuido mais de mim com muita dedicação e carinho. Tenho uma rotina bem bacana, mudei-me para um lugar mais tranquilo, faço Yoga regularmente – Saiba mais – e visito minha neurologista de três em três meses. Tenho limitações, mas quem não têm?

O Amor foi abandonado por ter mordido o bebê de um casal. As pessoas que estavam onde ele, acuado, não deixava ninguém se aproximar, disseram que um carro abriu a porta e mandou que ele saísse. Amor correu atrás do carro até cansar. Eu passeava com a Amora – cadela que adotei de um abrigo de cães -, que na ocasião tinha quatro meses e estava entrando no primeiro cio, o que foi determinante para que ele me deixasse aproximar. O peguei no colo e levei para casa, certa de que conseguiria quem o adotasse, e arrumei: eu! Esses “inesperados da vida”! O Amor realmente não gosta de criança, de idosos, nem de gente ou qualquer outro animal de qualquer idade. Ele só gosta da gente e da Amora! É mau igual ao Pica-Pau e ao mesmo tempo, amoroso, carinhoso, dengoso, mas só conosco.

Esses dois inesperados bagunçaram minha vida de forma tão bacana que a destruição das bainhas de mielina e do apartamento (causada pelos filhotes) virou obra de arte – uma na minha casa interna e a outra na externa.  E, gente… ambos – a EM e o Amor – não gostam de confusão, de tumulto. Eles foram dois dos inesperados mais maravilhosos! Se doente eu me tornei saudável e se um cão feroz foi capaz de me amar incondicionalmente, o que mais posso devolver à vida se não coração aberto para viver o que ela me trouxer?! Tudo, absolutamente TUDO, tem o lado bom e o ruim. Eu aprendi a focar na experiência boa! E assim vou percorrendo meus caminhos…

“A atitude é uma pequena coisa que faz uma grande diferença” (Winston Churchill)

 

Explore mais

Coronavírus

O caminho de volta

por Suzana Gonçalves Há quase dois anos fomos literalmente surpreendidos pela pandemia, dúvidas no ar… Como nossos corpos com esclerose múltipla irão se  comportar diante

Diagnóstico

Como tudo começou…

por Fabiana Rosa Olá, meu nome é Fabiana Rosa, mas você pode me chamar de Fabi 😉 Quando recebi meu diagnóstico do Esclerose Múltipla em