AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Gravidez

Gravidez

A EM é mais prevalente em mulheres em idade fértil do que em qualquer outro grupo. Quando as mulheres jovens recebem um diagnóstico de EM, elas frequentemente têm dúvidas sobre os efeitos da doença na gravidez – e vice-versa. Estudos realizados ao longo das últimas décadas permitem que os profissionais de saúde forneçam respostas a algumas dessas questões.

Efeitos da EM na fertilidade

Não há evidências de que a EM prejudique a fertilidade ou leve a um aumento no número de abortos espontâneos, natimortos ou malformações congênitas. Vários estudos de um grande número de mulheres demonstraram repetidamente que a gravidez, trabalho de parto, parto e a incidência de complicações fetais não são diferentes em mulheres com EM do que em grupos de controle sem a doença.

Efeitos da gravidez na EM

Antes de 1950, a maioria das mulheres com EM era aconselhada a evitar a gravidez por causa da crença de que isso poderia piorar a esclerose múltipla. Nos últimos 40 anos, muitos estudos foram feitos em centenas de mulheres com esclerose múltipla, e quase todos chegaram à conclusão oposta: a gravidez reduz o número de recaídas de esclerose múltipla , especialmente no segundo e terceiro trimestres.

Efeitos no período pós-parto

As  taxas de recaída tendem a aumentar nos primeiros três a seis meses após o parto, e o risco de uma recaída no período pós-parto é estimado em 20-40%. Essas recaídas não parecem contribuir para o aumento da incapacidade a longo prazo. Nos estudos com seguimento a longo prazo de mulheres com EM que tiveram filhos, não foi encontrada incapacidade aumentada como resultado da gravidez.

Sabe-se que a gravidez está associada a um aumento em várias proteínas circulantes e outros fatores que são imunossupressores naturais. Além disso, os níveis de corticosteróides naturais são mais elevados em mulheres grávidas do que em mulheres não grávidas. Estas podem ser algumas das razões pelas quais as mulheres com EM tendem a se sair bem durante a gravidez.

Uso de medicações corticosteróides

As mulheres que usam corticosteróides (por exemplo, metilprednisolona  ou prednisona ) para surtos agudos da EM podem continuar a usá-las durante a gravidez. O uso de prednisona em uma mulher que está amamentando deve ser cuidadosamente monitorado.

Preocupações especiais para a gestante com EM

As mulheres que têm dificuldades de marcha podem achar que estas pioram durante o final da gravidez à medida que se tornam mais pesadas e o seu centro de gravidade muda. O aumento do uso de dispositivos auxiliares para andar ou usar uma cadeira de rodas pode ser aconselhável nesses momentos. Os problemas da bexiga e do intestino, que ocorrem em todas as mulheres grávidas, podem ser agravados em mulheres com esclerose múltipla com disfunção urinária ou intestinal preexistente. Pacientes com EM também podem estar mais sujeitos à fadiga.

Em geral, a gravidez não parece afetar o curso clínico de longo prazo da EM. As mulheres que têm EM e desejam ter uma família geralmente podem fazê-lo com sucesso com a assistência de seu neurologista e obstetra.

Fonte: National MS Society

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS