A ciência, a saúde, o médico e o paciente

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

O que um médico pode, ou não pode escrever em blog de uma associação de pacientes? Ou melhor, o que um médico deve, ou não deve escrever, em um blog de uma associação de pacientes? Recebi sugestões e dicas, mas resolvi aproveitar este primeiro espaço para mostrar como, em alguns momentos, é tão difícil traduzir o conteúdo científico para quem está sentado à nossa frente e, como outras, a criatividade e experiência do médico devem ser consideradas a frente desta ciência.

Vamos começar com um exemplo simples, em um diálogo:

Denis: mas meu amigo, entenda, a medicina não é uma ciência exata…

Amigo: Dê, mas você não conhece as taxas de complicações e sucesso de alguns tratamentos?

Denis: bom, é verdade, se tomarmos o exemplo de um cateterismo, por exemplo, as taxas de complicações variam de 0,5 a 2%, dependendo do paciente e da situação clínica.

Amigo: viu, dá para quantificar e ser um pouco mais preciso!

Denis: pois é, amigo, mas quando algo errado acontece, e neste caso estamos falando de intercorrências previstas e não erro médico, para aquela pessoa que tinha 2% de risco e a intercorrência aconteceu, para ela, é 100%!

O diálogo acima, travado com um de meus melhores amigos há mais de 10 anos, serve para exemplificar como pode ser difícil extrapolar que aqueles “45% de redução de risco relativo de progredir”, “50% na taxa de redução de atrofia cerebral”, ou “3% de risco de herpes”, ou “5/1.000 de desenvolver LEMP”, é às vezes difícil de quantificar objetivamente e prever (ou provar) o que vai acontecer com aquela pessoa na nossa frente. É fácil discutir e apresentar a casuística de um grupo, de um trabalho cientifico com 1.000 pacientes em cada braço (droga A vs. droga B ou droga A vs. placebo), mas nem sempre é fácil saber em qual destes “braços” de porcentagem aquele paciente irá cair.

Alguns sabem que eu comecei minha carreira como médico de família, não formalmente, mas nos últimos 3 anos de faculdade eu acompanhei um grupo que trabalhava nesta área, atendia em serviços como voluntário e com eles aprendi muito. Segui uma especialidade, e depois uma sub-especialidade, por também gostar de pesquisa e da área neurológica, mas a base de toda atividade clínica parte de um conceito geral, de ver a pessoa como um todo e entender todas as suas necessidades, e por isso que, algumas vezes, médicos diferentes podem dar opiniões diversas sobre uma doença e seu tratamento, e em muitas vezes todas as opções são possivelmente corretas. Isso será cada vez mais verdade quantas mais opções de tratamento existirem para uma certa doença, e isso sim valerá para os anos a nossa frente no tratamento da esclerose múltipla. Excelente, fico muito feliz com drogas novas, melhor e mais opções a nossos pacientes, mas isso significará também maior multiplicidade de opiniões (possivelmente corretas).

McWhinney1 divide as bases da medicina de família em 4 quadrantes (table 1): o médico, o paciente, a doença e o sistema de saúde.

 

 

 

 

 

Cabe ao médico oferecer a melhor interação entre o doente (valores pessoais e expectativa) e a doença (fisiopatologia e anatomia) dentro do sistema de saúde em que eles atuam (figure 1).

Um foco extremo no paciente torna o atendimento excessivamente paternalista, um foco na doença muito técnico, um foco no médico um tanto egoísta e um foco excessivo no sistema muito impessoal. Acredito que o mesmo valha para a atuação em neurologia clínica e para o atendimento de pessoas com esclerose múltipla e outras doenças desmielinizantes, respeitando balizas culturais e políticas, pois a prática pode ser diferente em diferentes países do globo.

Tentarei ser técnico e humano em minhas postagens, aceitando sugestões de temas e sempre me balizando por informações científicas sólidas.

Nos vemos novamente em breve.

 

1. Developing the Knowledge Base of Family Practice Kurt C. Stange, MD, PhD; William L. Miller, MD, MA; Ian McWhinney, OC, FPPC, FRCP Fam Med 2001;33(4):286-97 

Explore mais

Coronavírus

O caminho de volta

por Suzana Gonçalves Há quase dois anos fomos literalmente surpreendidos pela pandemia, dúvidas no ar… Como nossos corpos com esclerose múltipla irão se  comportar diante

Diagnóstico

Como tudo começou…

por Fabiana Rosa Olá, meu nome é Fabiana Rosa, mas você pode me chamar de Fabi 😉 Quando recebi meu diagnóstico do Esclerose Múltipla em