Persistência ou teimosia

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

No meu último post, falei como eu me sinto em relação à expectativa da cura. Um comentário feito pelo Jota me fez pensar num outro aspecto: sobre a EM ser parte de minha identidade.

Quando tive o diagnóstico, fui forçada à incorporá-la na minha vida, não tive escolha. Ela então passou a fazer parte da minha vida, parte de mim, parte de quem sou. Por isso que para mim a mera expectativa de uma possível cura, distante e incerta, não me cause tanta emoção.

Depois de tantos anos convivendo com a EM, já sei quem eu sou e quem eu posso ser apesar dela. Isso não é conformismo, é aceitação. Me aceito com as limitações que a doença me impõe, aprendi a viver com elas e sigo me adaptando.

Se de uma hora pra outra eu ficasse curada, teria que modificar novamente toda minha identidade, me readaptar, mudar minhas perspectivas. Seria uma mudança ótima e eu certamente não teria problemas com isso, mas ficar naquela expectativa, fazendo planos para essa mudança, eu não consigo.

Sempre falamos aqui que a EM se manifesta de formas diferentes em cada um de nós e que da mesma forma cada um reage de forma diferente. Não quero dizer que minha maneira de encarar tudo isso seja a melhor ou a certa, mas é a que funciona pra mim. Entre a persistência e a teimosia, o que funciona pra mim é a segunda opção.

Eu tenho sonhos e faço planos, mas me limito a um passo de cada vez. Não posso sonhar escalar o Everest se nem consigo andar até a esquina. Então faço planos de andar até a esquina e forçar um pouquinho pra ver se consigo andar até a próxima. Saboreio cada trecho conquistado e então planejo o próximo, sonho com mais um destino.

Dessa forma, não traço metas inatingíveis e não fico me frustrando a cada passo dado. O que não significa que fique estática. Me mantenho andando. Sempre.

Não sou uma pessoa persistente. Se traço metas ambiciosas, na primeira dificuldade desanimo, me acovardo. Fico logo frustrada e desisto. Por isso preciso de metas mais modestas, mais ao alcance da minha mão. Ao atingi-las, sinto-me motivada, estimulada a buscar novas metas.

Aproveito para dividir com vocês uma grande conquista, que ainda está em andamento: estou há 15 dias sem fumar. Não tem sido uma conquista fácil, estou sofrendo, penando para enfrentar esse desafio, um dia de cada vez. E eu vou conseguir, porque se me falta persistência, me sobra teimosia e alguém me disse que eu não conseguiria.

E assim sigo vivendo. Fazendo pequenos planos, mas indo atrás deles.

Explore mais

Coronavírus

O caminho de volta

por Suzana Gonçalves Há quase dois anos fomos literalmente surpreendidos pela pandemia, dúvidas no ar… Como nossos corpos com esclerose múltipla irão se  comportar diante

Diagnóstico

Como tudo começou…

por Fabiana Rosa Olá, meu nome é Fabiana Rosa, mas você pode me chamar de Fabi 😉 Quando recebi meu diagnóstico do Esclerose Múltipla em