Um novo tipo de células imunes pode ser a chave para o tratamento da esclerose múltipla

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Uma equipe multidisciplinar fez uma importante descoberta de um novo tipo de células imunológicas que pode ser a chave para o desenvolvimento de um tratamento futuro para a esclerose múltipla, a doença autoimune mais comum do sistema nervoso central.

Os pesquisadores descobriram que um tipo de células T do sistema imunológicas, as células TH-GM, que até recentemente eram desconhecidas, desempenham um papel crucial no sistema nervoso central e na patogênese da inflamação neuronal. Os resultados fornecem dados revelando que a descoberta pode abrir caminho para uma nova terapia, e que podem ser utilizados de forma independente ou em conjunto com outras opções de tratamento, a fim de melhorar significativamente o combate contra a esclerose múltipla.

Verificou-se que a proteína STAT5, membro da família de proteínas STAT, programa de células TH-GM, inicia a resposta imune ao autoantigênio em reação a um sinal de interleucina-7, causando inflamação, patogênese e danos ao sistema nervoso central. Bloqueio de interleucina-7 ou STAT5 proteína, pode ser obtido um notável beneficio terapêutico para a esclerose múltipla.

 

 

http://www.neurologia.com. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre