Há algum impacto dos tratamentos da Esclerose Múltipla na eficácia da vacina contra a Covid-19?

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

mulher aplicando vacina em homemAlguns tratamentos usados ​​para ajudar as pessoas com Esclerose Múltipla (EM) a manejar a sua condição poderiam reduzir a eficácia da vacina contra a covid-19, diz estudo. Os pesquisadores encontraram que as pessoas com Esclerose Múltipla que estavam em uso de fingolimode e ocrelizumabe eram menos propensas a produzir anticorpos em resposta às vacinas da AstraZeneca e da Pfizer contra a covid-19 do que pessoas com EM que não tomavam DMT.  

As terapias modificadoras da doença (DMTs) são um grupo de tratamentos para pessoas com Esclerose Múltipla e afetam o sistema imunológico. As vacinas funcionam acionando o corpo para produzir uma resposta imune, então suspeitou-se que algumas DMTs poderiam reduzir a eficácia das vacinas da covid-19.

A pesquisa da Universidade de Cardiff e da Universidade Queen Mary de Londres foi publicada na revista Annals of Neurology e fornece a maior evidência revisada por pares do efeito das DMTs nas respostas imunes às vacinas contra a covid-19. Espera-se que essas novas informações preparem melhor os médicos para fornecer orientações às pessoas com Esclerose Múltipla sobre as opções de tratamento.

“As pessoas com Esclerose Múltipla enfrentam incertezas durante a pandemia de Covid-19 como resultado direto de sua condição e dos tratamentos que fazem para gerenciá-la”, diz Ruth Dobson, professora clínica sênior de neurologia no Queen Mary.

“Nosso estudo fornece evidências de alta qualidade que ajudarão os médicos a aconselhar as pessoas com Esclerose Múltipla sobre as opções de tratamento, considerando a pandemia da covid-19. No entanto, mais ensaios são essenciais para nos ajudar a entender a melhor forma de equilibrar os riscos de potencialmente suspender ou atrasar o tratamento da Esclerose Múltipla com a necessidade de vacinar efetivamente as pessoas com Esclerose Múltipla contra a covid-19”.

 

Respostas imunes das pessoas com Esclerose Múltipla na eficácia da vacina da covid-19 

A equipe de pesquisa estudou quase 500 pessoas com Esclerose Múltipla e usou uma técnica conhecida como amostragem de manchas de sangue seco para investigar os efeitos das DMTs na eficácia da vacina contra a covid-19. Essa abordagem reduziu os custos do estudo, bem como a necessidade de pessoas potencialmente vulneráveis ​​comparecerem à clínica durante a pandemia.

As descobertas mostram que as pessoas com Esclerose Múltipla que tomam qualquer uma das duas DMTs específicas, fingolimode e ocrelizumabe, eram menos propensas a produzir anticorpos em resposta às vacinas da AstraZeneca e da Pfizer contra a covid-19 do que pessoas com EM que não tomavam DMT. Se eles produziram anticorpos, os níveis foram mais baixos do que os encontrados em pessoas que tomam outros DMTs, ou que não tomam DMT. No entanto, os pesquisadores descobriram que outros DMTs, incluindo alguns que são altamente eficazes para o tratamento da Esclerose Múltipla, não tiveram efeito prejudicial na resposta à vacina covid-19.

As células imunes, como as células T, também são uma parte importante de nossa resposta imune a vacinas ou vírus. Os pesquisadores estudaram as respostas das células T em um pequeno grupo de participantes do estudo que não conseguiram montar uma resposta adequada de anticorpos à vacinação contra a covid-19. Eles descobriram que, no geral, 40% desse grupo foram capazes de produzir uma forte resposta de células T, apesar de terem uma resposta de anticorpos fraca.

Emma Tallantyre, professora clínica sênior de neurologia da Universidade de Cardiff, diz: “As perguntas sobre a vacina da covid estão entre as mais comuns que enfrentamos atualmente de pessoas com Esclerose Múltipla em nossas clínicas. Destacar os grupos que montaram uma resposta inadequada à vacina da covid já foi útil para orientar quem deve receber doses adicionais da vacina e quem pode precisar continuar tomando precauções adicionais de prevenção de infecções durante o inverno. Esperamos que mais trabalho nos permita individualizar nossa gestão, para proteger as pessoas com Esclerose Múltipla da covid, mantendo a condição sob controle”.

Clare Walton, chefe de pesquisa da MS Society, diz: “Embora isso não signifique que esses pacientes estejam necessariamente em maior risco de doenças graves se pegarem covid-19, será preocupante para alguns. É vital que as pessoas com sistema imunológico enfraquecido sejam mais bem apoiadas para se proteger do vírus, incluindo o direito de trabalhar em casa e a certeza de que o público em geral está fazendo tudo o que pode para ajudar a mantê-los seguros. Também aconselhamos as pessoas com Esclerose Múltipla sobre essas DMTs a não alterarem seu tratamento sem falar com alguém de sua rede de profissionais de saúde de Esclerose Múltipla”.

 

Experiências de pessoas com Esclerose Múltipla e a vacina da covid-19

Jo Welton, uma escritora médica do Sul do País de Gales, foi diagnosticada com Esclerose Múltipla recorrente em 2009. No dia a dia, Jo sente principalmente fadiga, fraqueza e dor na perna esquerda. Ela está em uso da terapia modificadora da doença (DMT) Gilenya há quase oito anos. Ela se juntou ao estudo depois de ser informada sobre isso por seu médico da Esclerose Múltipla. Desde então, apesar de ter duas vacinas AstraZeneca, ela foi informada de que reduziu a imunidade a covid-19 e está esperando para descobrir se sua vacinação de reforço funcionou.

Jo diz: “Eu tenho formação científica, então me interessei pelo estudo assim que ouvi falar dele. Também era importante para mim saber quanta imunidade eu tinha, pois isso afeta meu dia a dia. Eu segui as diretrizes sobre DMTs e a EM desde o início, então isso significa que estou me protegendo há mais de 20 meses. Tem sido tão difícil ver todo mundo voltando a algum tipo de normalidade e não sentir que eu era capaz. Sinto-me vulnerável e, embora não seja deliberado, deixado para trás”.

“A ignorância é uma bênção para algumas pessoas, mas não é um risco que eu queira correr. Perdi minha avó para o vírus no início deste ano (2021) – isso tornou ainda mais importante para mim tomar as medidas necessárias para mitigar o risco. Saber que não tenho imunidade significa que posso continuar trabalhando remotamente, com distanciamento social, e pedir a amigos e familiares que tomem a vacina de reforço e façam testes quando nos encontrarmos. Ter Esclerose Múltipla já é difícil o suficiente sem ter a covid-19 também.”

 

Apoio da comunidade local na pesquisa 

O estudo foi em parte apoiado por uma campanha de financiamento coletivo liderada pelo professor Gavin Giovannoni, um dos autores do artigo. Após um acidente em novembro do ano passado (2020), o professor Giovannoni ficou com vários ferimentos graves, incluindo um leve ferimento na cabeça, pelve fraturada e coluna cervical. Para ajudar a arrecadar dinheiro para esta pesquisa vital, o professor Giovannoni correu uma maratona virtual de Nova York, em Londres, e depois realizou uma caminhada patrocinada de 5 km enquanto se recuperava de seus ferimentos.

O professor Gavin Giovannoni, professor de neurologia da Queen Mary, diz: “Quando a pandemia da covid-19 dificultou a obtenção de financiamento para esta pesquisa vital, a comunidade mais ampla de Esclerose Múltipla se intensificou e fez isso acontecer por meio de crowdfunding. Obrigado! Estou muito feliz por estar vivo e bem depois do meu acidente e por ter desempenhado um pequeno papel na realização deste estudo.”

 

Referência: Tallantyre E, et al. COVID-19 vaccine response in people with multiple sclerosis. Ann Neurol 2022;91:89–100.

Nota da AME: Veja com o seu médico o melhor período para tomar a vacina contra a covid-19. Leia mais sobre a vacina de reforço na Esclerose Múltipla.

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: Queen Mary University of London, originalmente publicada em 15 de dezembro de 2021

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre