AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Tratamento com células estaminais do cordão umbilical seguras com benefícios sustentados para EM

Tratamento com células estaminais do cordão umbilical seguras com benefícios sustentados para EM

Ensaios experimentais.

O tratamento com células tronco do cordão umbilical mostrou ser seguro e leva a melhorias sustentadas na incapacidade e lesões cerebrais de pacientes com esclerose múltipla (EM), de acordo com um estudo clínico.

O estudo “viabilidade clínica de células-tronco mesenquimais derivadas de tecido de cordão umbilical no tratamento da esclerose múltipla”, foi publicado no Journal of Translational Medicine.

Embora os tratamentos atuais para a esclerose múltipla sejam capazes de reduzir a frequência de surtos e retardar a progressão da doença, eles não são capazes de reparar os danos às células nervosas ou à bainha de mielina, a camada protetora ao redor das fibras nervosas.

As células-tronco mesenquimais (MSCs) são células-tronco adultas encontradas em vários tecidos, como cordão umbilical, medula óssea e gordura. Essas células são capazes de amadurecer em células do osso, cartilagem, músculo e tecido adiposo.

As MSCs podem inibir alterações mediadas pelo sistema imunológico. Em particular, as MSCs derivadas do cordão umbilical têm uma alta capacidade de crescimento e multiplicação, aumentam a produção de fatores de crescimento e possuem atividade terapêutica superior, em comparação com outras MSCs.

Diversos estudos clínicos demonstraram que as MSCs podem tratar com segurança certas condições imunes e inflamatórias, incluindo a EM.

A equipe de pesquisa já havia demonstrado que as MSCs também podem melhorar a função cognitiva e motora.

Resultados recentes com placenta ou MSC do cordão umbilical mostraram poucos eventos adversos leves ou moderados, bem como melhorias no nível de incapacidade dos pacientes.

Pesquisadores do Instituto de Células-Tronco no Panamá concluíram agora um estudo clínico de uma fase de Fase 1/2 (NCT02034188), para testar a eficácia e a segurança das MSCs de cordão umbilical para o tratamento da EM.

O estudo incluiu 20 pacientes com esclerose múltipla, com uma idade média de 41 anos, 60 por cento dos quais eram mulheres. Quinze participantes tinham esclerose múltipla remitente-recorrente, quatro tinham esclerose múltipla primária progressiva e um tinha esclerose múltipla secundária progressiva. A duração da doença dos pacientes foi uma média de 7,7 anos.

Os participantes receberam sete infusões intravenosas de 20 × 10 6 CTM do cordão umbilical durante sete dias. A eficácia do tratamento foi avaliada no início, um mês e um ano após o tratamento.

As avaliações incluíram avaliar lesões cerebrais com ressonância magnética (RM) e incapacidade com base na Escala Expandida de Incapacidade de Kurtzke (EDSS), bem como testes de EM validados para função neurológica, função da mão, mobilidade e qualidade de vida.

Os pacientes não relataram nenhum evento adverso grave. A maioria dos eventos adversos leves possivelmente relacionados ao tratamento foram dores de cabeça, que são comuns após infusões de MSC, e fadiga, que é comum em pacientes com EM, observaram os autores.

As melhorias foram mais evidentes um mês após o tratamento, nomeadamente no nível de incapacidade, função da mão não dominante e tempo médio de caminhada, bem como disfunção da bexiga, intestino e sexual. Os pacientes também relataram melhora na qualidade de vida.

Ressonância magnética em um ano após o tratamento revelou lesões inativas em 15 dos 18 pacientes avaliados. Um paciente apresentou quase completa eliminação de lesões no cérebro, o que “é um achado particularmente encorajador”, escreveram os pesquisadores.

No ponto de um ano, as melhorias nos níveis de incapacidade também ainda estavam presentes e poderiam se traduzir em melhor capacidade de andar e trabalhar sem assistência.

“O potencial benefício duradouro da UCMSC [cordão umbilical MSC] em 1 mês, e mantido em algumas medidas a 1 ano, está em contraste com as terapias medicamentosas atuais de EM, que devem ser tomadas diariamente ou semanalmente”, escreveram os pesquisadores.

A segurança do tratamento é outra vantagem sobre as terapias de EM disponíveis, disse a equipe.

Eles concluíram que “o tratamento com infusões intravenosas de UCMSC em indivíduos com EM é seguro, e potenciais benefícios terapêuticos devem ser mais investigados”.

Fonte: https://bit.ly/2I85ByL, traduzido livremente.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS