AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

8 dicas para envelhecer bem quando você convive com EM

8 dicas para envelhecer bem quando você convive com EM

O envelhecimento requer ajustes e adaptações. Quando você tem esclerose múltipla, aproveitar a assistência disponível pode fazer uma grande diferença.

Manter conexões sociais melhora sua qualidade de vida à medida que envelhece com a EM.

“Eu me sinto muito velho e muito jovem ao mesmo tempo”, diz Steve Caramia, 58 anos, designer gráfico em Kensington, Califórnia, que foi diagnosticado com esclerose múltipla (EM) há 25 anos. “Embora eu pareça jovem, eu preciso da assistência normalmente dada a uma criança de 78 anos”, diz Caramia.

Todo mundo tem que fazer ajustes à medida que envelhecem. Mas para as pessoas que convivem com esclerose múltipla – o que às vezes é dito causar envelhecimento “acelerado” – as adaptações e os ajustes nas atitudes são freqüentemente necessários em uma idade mais precoce e em uma parcela mais longa da vida.

Se você está se aproximando, está no meio de, ou está na meia idade e está vivendo com a EM, como eu, aqui estão oito coisas que eu achei úteis em meu esforço de “envelhecer bem” e aproveitar a vida. Espero que você ache eles úteis também.

1. Procure e aceite a ajuda

De acordo com o psicólogo de saúde Terry DiLorenzo, PhD,  em um boletim clínico para a Sociedade Nacional de Esclerose Múltipla, “Assistência (suporte social e dispositivos auxiliares) pode modificar as experiências e percepções das pessoas sobre seus níveis de mobilidade e independência”. Dr. DiLorenzo e seus colegas encontraram em estudos, que pessoas mais velhas com EM exigem assistência substancial para se sentirem móveis quando essa assistência está disponível.

Algumas pessoas recusam assistência porque se sentem envergonhadas ou porque não querem se impor. Reggie Lopez, ex-xerife de 60 anos em Los Angeles, tem ficado cada vez mais confinado em sua casa porque ele “não se sente confortável” usando um andador. “Eu não quero que as pessoas me vejam assim”, diz ele.

De acordo com DiLorenzo, indivíduos mais velhos tipicamente se tornam mais dispostos a aceitar a ajuda de familiares e amigos. Podemos também ficar menos envergonhados sobre a necessidade de assistência ao longo do tempo.

Joanne Cosenza, um idoso de 77 anos que tem EM e vive em São Francisco, vem usando um andador por 10 anos. “Eu não me senti mal por isso”, diz ela. “Eu me comparei a outras pessoas da minha idade, e eles também têm problemas”.

Às vezes ajuda a facilitar novas formas de vida. Caramia recentemente passou para uma cadeira de rodas elétrica e teve uma rampa instalada na escada dianteira de sua casa, mas ele ainda não usou a cadeira no ônibus da cidade. Como ele não dirige mais, ele é dependente de seu marido para levá-lo a lugares. Ele planeja levar seu marido com ele para ajudá-lo em algumas viagens de ônibus da cidade até que ele se sinta mais confortável com isso.

Caramia usa outros tipos de ajuda. Por exemplo, ele aproveita o serviço de entrega da Costco. “É um pouco mais caro”, diz ele, “mas ter elas é muito mais fácil”.

Tanto Caramia quanto Cosenza pagam auxiliares de casa para fazer uma limpeza pesada a cada duas semanas.

2. Mantenha os seus cuidados de saúde

Pessoas com EM podem enfrentar barreiras para obter cuidados, incluindo problemas de mobilidade que tornam difícil viajar para as consultas médicas. E quando você não consegue esse cuidado, ambos os problemas relacionados à EM e outras condições médicas podem não ser tratados ou mesmo não diagnosticados.

Você pode precisar elaborar um plano para chegar ao seu médico, ter médicos vindo à você ou receber cuidados por telefone ou computador.

Se você não tem um amigo ou membro da família que pode levá-lo para consultas médicas, entre em contato com sua cidade ou município sobre programas de envelhecimento e deficiência para opções de transporte público. Algumas comunidades têm serviços gratuitos para pessoas idosas e pessoas com deficiência. Ou talvez um táxi ou um dos mais novos serviços de viagens funcione para você.

3. Planejar, acelerar e priorizar

As pessoas mais velhas e as pessoas com EM tipicamente não podem fazer tanto quanto os mais jovens. Temos que usar nossa energia de forma mais eficiente .

“Planejo o meu dia todas as manhãs”, diz Cosenza. “Eu penso em todas as coisas que eu quero fazer, depois corto a lista pela metade. Eu faço as prioridades e tiro-as do caminho. Então eu faço o que sobrou se puder “.

Pode ajudar fazer pausas frequentes, quer entre atividades, quer em meio a tarefas que consomem mais tempo.

Cosenza diz: “Tento descansar o suficiente de antemão para poder cumprir um compromisso. Meus amigos entendem que às vezes eu tenho que cancelar. ”

4. Prepare-se para a progressão

No momento em que você precisa de uma casa acessível ou de apoio, provavelmente será muito tarde para começar a procurar. As listas de espera são longas, e se locomover para ver lugares torna-se difícil.

Comece sua pesquisa enquanto você ainda pode. Você quer encontrar um lugar acessível e agradável – e isso pode levar tempo.

5. Mantenha-se conectado

A manutenção do apoio social é importante para todos, e ainda mais para aqueles com EM.

A EM coloca problemas em um casamento e os casais podem precisar aprender novas maneiras de satisfazer as necessidades do outro.

Normalmente, os cônjuges de pessoas com EM assumem mais papéis de cuidados, o que pode causar tensão para ambos. O seu cônjuge envelhece, também, e ele também precisa de pausas e apoio. Vocês dois devem continuar tendo tempos positivos e divertidos juntos.

Outras conexões sociais são igualmente importantes. A auxiliar de Cosenza preenche suas necessidades sociais. “Todos nos conhecemos e cuidamos uns dos outros”, diz ela. “Nós saímos juntos e fazemos atividades”.

Estar ao redor de pessoas mais jovens também anima-o. “Eu saio todos os dias, e gosto de ver todos esses jovens ao redor de seus filhos e seus cachorros”.

Se você não pode sair para ver as pessoas, as mídias sociais podem ajudar a mantê-lo conectado. Os animais de estimação também oferecem suporte e conexão para pessoas que se sentem aptas a cuidar deles.

6. Continue ativo

Pessoas com EM têm um risco aumentado de doença cardíaca porque o exercício pode ser difícil. Encontre maneiras de se manter em movimento; um fisioterapeuta pode ajudar.

Sair a maioria dos dias também pode impedir que você fique deprimido.

Tente manter sua mente ativa, também. Aprender algo novo pode diminuir o declínio cognitivo relacionado à EM.

7. Ajudar os outros

De acordo com DiLorenzo, a produtividade melhora a qualidade de vida das pessoas mais velhas com EM. A produtividade pode incluir o envolvimento na família e na comunidade, bem como no trabalho voluntário.

Caramia trabalha em casa como um webmaster para uma organização sem fins lucrativos no condado de Marin. A Cosenza ajuda os vizinhos com várias necessidades.

Uma simples palavra amável ou escuta atenta são formas raras e valiosas para ajudar os outros.

8. Mantenha uma atitude positiva

Os psicólogos chamam o processo de olhar as coisas de maneira diferente “reestruturação”. Desafie suas crenças negativas – sobre você, outras pessoas ou eventos – e veja se você pode ver as coisas de uma perspectiva diferente e mais positiva. Aprenda a apreciar as coisas simples na vida, as coisas que você ainda tem e ainda pode fazer.

O envelhecimento com EM não é uma maldição.

DiLorenzo relata que “apesar de serem mais deficientes físicos, pacientes com EM mais antigos relatam níveis de qualidade de vida, saúde mental e saúde geral equivalentes ou melhores do que os pacientes com EM mais jovens”.

Fonte: https://bit.ly/2Ju4jQg, traduzido livremente.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS