OS BENEFÍCIOS DA REABILITAÇÃO EM PACIENTES DE ESCLEROSE MÚLTIPLA

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

 

Um período de 4 semanas de reabilitação multidisciplinar para pacientes  internados foi associado com melhorias na qualidade de vida em pacientes com esclerose múltipla (EM) em um novo estudo dinamarquês, apresentado no Congresso do Comitê Europeu de Tratamento e Pesquisa em Esclerose Múltipla (ECTRIMS) 2016 em uma sessão liderada pela organização de Reabilitação em Esclerose Múltipla.

Apresentando o estudo dinamarquês, o médico e pesquisador Finn Boesen, do Hospital Dinamarquês de EM, Haslev, Dinamarca, observou que os efeitos positivos sobre a qualidade de vida de um programa de reabilitação de 4 semanas foram vistos imediatamente na alta e “o mais importante” permaneceu nos 6 meses de acompanhamento (5 meses após a alta).

REABILITAÇÃO DE PACIENTES INTERNADOS

O grupo dinamarquês realizou o estudo com 427 pacientes (com idades entre 18 e 65 anos, e taxa da Escala Expandida do Estado de Incapacidade [EDSS ], 7,5 ou menos) foram randomizados (1:1) para a reabilitação multidisciplinar imediata de pacientes internados, compreendendo 4 semanas (20 Dias) de internação contínua ou a um grupo controle (uma lista de espera de 6 meses).

As intervenções incluíram terapia ocupacional individual e de grupo, fisioterapia individual e de grupo, equitação terapêutica, instruções / aulas interdisciplinares em grupo, enfermagem, sessões com psicólogos, conversas com um cuidador e exercício auto-dirigido.

Os resultados mostraram que o grupo de intervenção ganhou muito com a reabilitação e experimentou melhorias significativas na qualidade de vida, medido pela dimensão psicológica da Escala de Impacto da Esclerose Múltipla, no seguimento de 6 meses em comparação com o grupo de controlo.

Na alta, as pontuações na Avaliação Funcional da Esclerose Múltipla Física e Psicológica, foram significativamente melhores do que na linha de base.

Uma análise post hoc dos escores de mudança revelou que a qualidade de vida relacionada à saúde permaneceu inalterada ou melhorada nesses 6 meses em uma proporção significativamente maior do grupo de intervenção do que no grupo controle. O grupo de controlo teve progressão nas escalas medidas durante o período do estudo e marcou significativamente uma piora no seguimento de 6 meses.

Dr Boesen concluiu que “este julgamento pragmático reflete a complexidade e diversidade da prática clínica real e tem relevância para os médicos clínicos e de gestão. Mais estudos são necessários para confirmar estes resultados”.

Texto originalmente publicado por MedScape

Traduzido por Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

 

Explore mais

Imagem com fundo cinza, à esquerda, o mapa do brasil pontilhado em tons amarelos e azuis. No canto inferior, à esquerda, em letras azuis "Por dentro do CNS", uma faixa amarela larga por trás das siglas "CNS" se prolonga até o canto inferior direito, onde tem escrito, de azul "ABR."
Conselho Nacional de Saúde

Por dentro do CNS: Abril

Em abril tivemos diferentes atividades dentro do CNS – Conselho Nacional de Saúde, entre elas, representamos o conselho na Audiência Pública sobre VACINAÇÃO CONTRA COVID-19