Obesidade ligada a maior progressão de deficiência

Pacientes de Esclerose Múltipla com obesidade apresentam diferença significativa em escala de deficiência.

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Pessoas obesas com esclerose múltipla (EM) apresentaram uma acúmulo mais rápido de incapacidade, maiores declínios cognitivos e pior qualidade de vida nos 15 anos após o diagnóstico em comparação com pacientes com peso normal, de acordo com uma análise de dados suecos.

Embora seja sabido que a obesidade é um fator de risco para o desenvolvimento da doença neurodegenerativa, as descobertas lançam mais luz sobre como ela influencia o curso da doença após o diagnóstico.

Lars Alfredsson, PhD, professor no Karolinska Institutet, na Suécia, apresentou os dados em uma apresentação oral no Congresso do ECTRIMS e ACTRIMS de 2023. A palestra teve o título “A obesidade afeta negativamente a progressão da doença, o funcionamento cognitivo e a qualidade de vida em pessoas com esclerose múltipla”.

A obesidade está associada à inflamação crônica que pode aumentar o risco de doenças autoimunes como a Esclerose Múltipla. De fato, crianças e adolescentes com obesidade têm cerca de duas vezes mais chances de desenvolver EM do que aqueles que não são tem obesidade.

Sabe-se menos sobre como a obesidade influencia a progressão da doença após o diagnóstico. No entanto, alguns estudos sugerem que pode piorar a gravidade da EM ou acelerar a degeneração neural.

Obesidade e progressão da incapacidade na Esclerose Múltipla

Pesquisadores examinaram aqui a influência da obesidade na progressão da doença, cognição e qualidade de vida entre pacientes com esclerose múltipla (EM) na Suécia, incluídos em um estudo nacional entre 2005-2019.

Quando foram incluídos, os pacientes preencheram um extenso questionário relacionado a fatores de estilo de vida e ambientais. Um questionário semelhante em 2021 buscou avaliar quaisquer mudanças.

A análise final incluiu 3.249 pacientes com EM, com uma média de idade de 37,8 anos, dos quais 74% eram mulheres. Eles foram acompanhados por até 15 anos após o diagnóstico por meio do registro sueco de EM, onde foram monitorados quanto a alterações na incapacidade, qualidade de vida e cognição.

A obesidade foi determinada com base no índice de massa corporal (IMC), um indicador indireto de gordura corporal com base na altura e peso. No IMC o peso normal varia de 18,5 a 24,99, o sobrepeso é de 25 a 30, e acima de 30 é considerado obesidade. A progressão da incapacidade foi monitorada com a Escala de Estado de Incapacidade Expandida (EDSS), uma escala de 0 a 10 onde pontuações crescentes refletem maior incapacidade.

Comparados com pacientes com peso dentro do que é classificado como regular, os pacientes de EM com obesidade apresentaram um aumento anual de 0,022 pontos maior nas pontuações da EDSS, refletindo uma progressão mais rápida da incapacidade. Embora essa diferença não seja “muito grande”, foi estatisticamente significativa, de acordo com Alfredsson.

A obesidade foi associada a um risco 41% maior de atingir uma pontuação de 3 na EDSS, que geralmente marca a transição de nenhuma ou mínima incapacidade para incapacidade moderada, e um risco 31% maior de atingir 4, que representa uma incapacidade significativa sem comprometimentos na locomoção.

As análises levaram em consideração fatores como idade, sexo, tipo de doença, duração da doença, incapacidade, terapias e tabagismo, que podem ter tido um efeito.

Por outro lado, “pacientes com sobrepeso não apresentaram um risco aumentado de deficiência, o que é uma informação importante”, observou Alfredsson.

Pacientes obesos foram encontrados em maior risco de declínios na qualidade de vida. Especificamente, foi associado a um risco 40% maior de piora física e um risco 24% maior de piora psicológica – definida como um aumento de pelo menos 7,5 pontos para qualquer componente na Escala de Impacto da Esclerose Múltipla 29 (MSIS29).

Entre o subconjunto de pacientes que não tiveram mudança no IMC durante o acompanhamento, as diferenças na incapacidade e na qualidade de vida foram ainda maiores do que na população geral do estudo.

Por exemplo, o risco de atingir uma pontuação de 3 na EDSS era 50% maior para pacientes que estavam obesos durante todo o acompanhamento, em comparação com aqueles que sempre tiveram peso normal. Além disso, a obesidade aumentou o risco de piora física em 70% e de piora psicológica em 36%, em comparação com o peso normal.

Participantes com obesidade cujo IMC não mudou durante o acompanhamento apresentaram um risco 47% maior de piora cognitiva, definida como um aumento de pelo menos 8 pontos no Teste de Modalidades de Símbolos e Dígitos (SDMT), em comparação com aqueles que não tinham obesidade.

“A obesidade parece influenciar negativamente tanto a progressão da doença quanto a qualidade de vida relacionada à saúde e o funcionamento cognitivo em pessoas com Esclerose Múltipla”, segundo Alfredsson.

Os pesquisadores observaram que um dos pontos fortes do estudo está o fato de haver um grande número de pacientes com dados de acompanhamento no registro sueco de EM. Uma limitação foi que o IMC foi autorrelato e não medido objetivamente.

Publicado em Multiple Sclerosis News Today em outubro de 2023

Traduzido e adaptado Redação AME

Explore mais

Clube AME

O poder da soneca na Esclerose Múltipla

Descansar um pouco durante o dia pode ajudar a prevenir a fadiga, que é um dos principais sintomas da esclerose múltipla. Quais são os efeitos disso? Como deve ser praticado?