AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

O que aconteceu no ECTRIMS 2016?

O que aconteceu no ECTRIMS 2016?

Pesquisadores de Esclerose Múltiplla de todo o mundo reuniram-se em Londres, na semana passada para o congresso anual do Comitê Europeu Para Tratamento e Pesquisa em Esclerose Múltipla (ECTRIMS), que é a maior conferência global de EM, reunindo mais de 9.000 pesquisadores e profissionais de saúde para as últimas atualizações e resultados de pesquisas sobre o tratamento, cuidados e tratamento de EM.

Durante o ECTRIMS, vimos progressos significativos no domínio da EM e novos estudos sobre esclerose múltipla progressiva. Abaixo estão alguns dos destaques desse ano:

Resultados positivos para a medicação semelhante ao fingolimode em pessoas com esclerose múltipla secundária progressiva

Siponimod é uma droga semelhante ao fingolimode, mas tem um efeito mais segmentado em células brancas do sangue e, portanto, pode ter menos efeitos colaterais em comparação com fingolimode mantendo ao mesmo tempo os efeitos benéficos semelhantes.

Em um ensaio clínico de fase III chamado EXPANDIR (o maior ensaio clínico em pessoas com EM progressiva secundária com 1.651 pessoas de 31 países) (Ludwig Kappos et al., resumo 250), os participantes receberam um placebo diariamente ou um comprimido de Siponimode. Outros resultados do estudo foram apresentados no ECTRIMS que mostraram que, após 3 e 6 meses, as pessoas com EM que receberam siponimod tiveram progressão mais lenta, avaliada pela EDSS (Expanded Disability Status Scale – Escala Expandida de Deficiência). Novartis,  produtor de siponimode, vai requerer a aprovação reguladora para incluir formalmente esta droga como tratamento para a esclerose múltipla secundária progressiva. Os resultados deste estudo foram submetidos para publicação. Vamos relatar os detalhes assim que eles sejam publicados. Você pode ler mais sobre esse estudo no site do MSIF. 

Os resultados negativos para a fluoxetina na esclerose múltipla progressiva

Fluox-PMS é um estudo multicêntrico realizado na Bélgica e Países Baixos (Melissa Cambron et al., resumo 253). A fluoxetina é utilizada principalmente para o tratamento da depressão, mas pode ser útil para proteger as células do cérebro de morrer (degeneração). Neste estudo os pesquisadores investigaram se a fluoxetina pode retardar a progressão de esclerose múltipla. Este estudo incluiu o uso da droga em pessoas com esclerose múltipla progressiva primária e secundária. Os participantes foram divididos em dois grupos de placebo (68 participantes) e fluoxetina (69 participantes). Depois de 108 semanas, não houve diferença significativa entre os dois grupos de participantes em termos da taxa de progressão. Portanto, este estudo não mostrou melhora significativa em pessoas com EM progressiva que tomaram fluoxetina. Embora o estudo tenha mostrado uma tendência para uma redução na progressão da incapacidade, um ensaio maior e mais longo seria necessário para mostrar se esta tendência foi estatisticamente significativa.

MS-SMART: relatórios sobre a fase de recrutamento

Três resumos foram apresentados relatando a fase de recrutamento para a pesquisa de uma droga promissora para as pessoas com esclerose múltipla secundária progressiva, chamada MS-SMART (Peter Connick, resumo P1203). MS-SMART quer dizer, na sigla em inglês, Esclerose Múltipla – Progressiva Secundária, Braço Randomizado de Experimentação. Esta pesquisa para EM secundária progressiva está testando 3 drogas de uma só vez: Amiloride (licenciada para tratar doenças cardíacas); Fluoxetina (licenciada para tratar a depressão) e Riluzole (licenciada para tratar a doença do neurônio motor (DNM). Este é um estudo em curso em 13 locais diferentes em todo o Reino Unido. Um total de 440 participantes com piora de EM secundária progressiva foram recrutados em 4 grupos: (1) placebo, (2) riluzole, (3) fluoxetina, e (4) amilorida. Os pesquisadores planejam seguir os participantes em 96 ​​semanas para avaliar os efeitos de cada droga na clínica, deficiência e os resultados de exames de ressonância magnética. Estamos ansiosos para ver os resultados ao longo dos próximos anos.

                                                      
Ácido lipóico: é útil para pessoas com esclerose múltipla secundária progressiva?

O ácido lipóico é um comprimido com efeitos antioxidantes. Em um estudo de Portland, Oregon, EUA, investigadores realizaram um ensaio clínico em 54 participantes com EM secundária progressiva (Rebecca Espanha, resumo 222). Os participantes foram divididos em dois grupos que ou receberam placebo ou ácido lipóico. Os resultados deste estudo após 96 semanas de acompanhamento mostraram que o grupo que recebeu o tratamento com ácido lipóico teve menor taxa de encolhimento do cérebro. No entanto, não houve nenhum efeito significativo do tratamento sobre a deficiência e medidas clínicas em indivíduos que o receberam. Autores destacaram a necessidade de estudos com maior número de participantes a fim de provar a eficácia do ácido lipóico.

Estudo ORATORIO: novas informações promissoras do ocrelizumab, um tratamento para pessoas com esclerose múltipla progressiva primária

No ano passado, Ocrelizumab apresentou resultados positivos para as pessoas com EM progressiva primária (ORATORIO). O estudo ORATORIO é uma pesquisa internacional e multicêntrica de medicamentos. Este ano, vários grupos apresentaram novos dados sobre o estudo no mundo todo (Jerome De Seze et al., poster 720, Gavin Giovannoni et al., poster 746, Jerry Wollinsky et al., poster 1278, Jerome De Seze et al., poster 1279). O tratamento com ocrelizumabe mostrou efeitos positivos consistentes na marcha e no retardando da progressão da incapacidade. O evento adverso mais comum era a reacção no local da infusão.

Fatores de risco de EM: tabagismo, vitamina D e obesidade

Pessoas com síndrome clinicamente isolada podem (ou não) desenvolver EM ao longo do tempo. Os fatores que podem afetar a conversão de síndrome clinicamente isolada a EM são de grande importância, já que eles podem ser modificados, reduzindo a taxa de conversão para EM.

Os investigadores do Centro de EM de Barcelona (CEMCAT) relataram suas descobertas sobre a relação entre a vitamina D e também entre o ato de fumar no momento do diagnóstico da síndrome clinicamente isolada com o risco de desenvolver a progressão da EM e incapacidade nos participantes, seguidos por muitos anos (Maria Isabel Zuluaga et al., resumo 252).

Os pesquisadores analisaram os níveis de vitamina D em 503 pessoas com a síndrome clinicamente isolada. Eles também analisaram um marcador sanguíneo nos fumantes (cotinina) em 464 pessoas com a síndrome clinicamente isolada. Este estudo foi iniciado em 1995 e acompanhou os participantes por uma média de 8 anos (até 15 anos). Os investigadores não encontraram qualquer aumento significativo para a conversão para EM em pessoas com baixo nível de vitamina D ou aqueles que eram fumantes. Contudo, os baixos níveis de vitamina D, e o ato de fumar cigarro foram ambos significativamente relacionados com o desenvolvimento de uma maior incapacidade nos participantes do estudo. Portanto, estes dois fatores de risco, se modificados, podem retardar a progressão da incapacidade em pessoas com a síndrome clinicamente isolada.

Pessoas com EM remitente recorrente (EMRR) são muitas vezes tratados pelos interferons injetáveis. Um estudo do Centro Dinamarquês de EM (Petersen et al., Righospitalet, da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, resumo 178) acompanhou 1.145 pessoas com EMRR e mostrou que o fumo tem efeitos significativos sobre a resposta ao tratamento com interferon. Os pesquisadores observaram que pessoas com esclerose múltipla que fumavam mais eram menos propensos a responder ao tratamento com interferon.

Em outro estudo da Universidade da Califórnia em Berkeley e San Francisco (poster 454), Lisa Barcellos e seus colegas pesquisaram se o índice de massa corporal (IMC) tem qualquer efeito sobre o risco de desenvolvimento de EM. Os pesquisadores observerama uma grande população de pessoas com EM e voluntários sem a doença ​​dos EUA e Suécia (cerca de 20.000). Eles encontraram uma associação causal entre aumento anormal de peso (pessoas com sobrepeso ou obesas) e o risco de EM. Os autores sugeriram que esta observação pode ser devida ao efeito da obesidade sobre o sistema imunológico.

Comparando Alemtuzumab, Natalizumab e Fingolimod – Relatório de Centro de Pesquisa da Austrália

Houve grande interesse em uma apresentação feita pelo Dr. Tomas Kalincik e seus colegas que haviam realizado uma importante análise comparando os dados clínicos de pessoas que recebem alemtuzumab, natalizumab ou fingolimod, usando os extensos dados internacionais reunidos na base de dados MSBase. Os resultados sugerem que natalizumab e alemtuzumab são mais capazes de suprimir as recaídas em comparação com fingolimod. Alemtuzumab e natalizumab parecem ser semelhantes na supressão de recidivas e progressão de incapacidade, com natalizumab mais frequentemente mostrando uma melhoria no início de níveis de deficiência. Naturalmente estes resultados representam os efeitos globais em um um grande grupo de pacientes e podem variar consideravelmente para cada indivíduo. As decisões de tratamento também precisam ser baseadas em outros fatores, incluindo a saúde geral, planejamento familiar, e outros fatores relacionados à vida de cada indivíduo.

Texto escrito por Arman Eshaghi, vencedor do prêmio Jovem Pesquisador ECTRIMS 2016. 

Tradução livre por Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose.

Texto original em MSIF.

Federação Internacional de Esclerose Múltipla (MSIF)

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *