AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Nova pesquisa mostra que a perda de tecido cerebral segue uma sequência previsível

Nova pesquisa mostra que a perda de tecido cerebral segue uma sequência previsível

Um estudo do Dr. Eshagi, da MSIF McDonald, mostrou que a perda de tecido cerebral, ou atrofia, ocorre em “estágios” e segue uma ordem previsível.

O Dr. Arman Eshagi foi premiado com uma Federação Internacional MS McDonald Fellowship para viajar do Irã para realizar um projeto de pesquisa na Queen Square em Londres, observando a perda de volume cerebral na EM.

A perda de volume cerebral, conhecida como atrofia, ocorre em um ritmo mais rápido em pessoas com EM e parece estar mais ligada ao acúmulo de incapacidade do que recidivas e lesões.

Em um novo estudo, o Dr. Eshagi mostrou que áreas específicas do cérebro são afetadas pela atrofia e que as áreas são afetadas em uma determinada ordem ao longo do tempo.

Este tipo de pesquisa pode levar à possibilidade de determinar o estágio do dano no cérebro devido à EM e uma abordagem de medicina mais personalizada.

A EM é desencadeada pelo sistema imunológico atacando erroneamente o cérebro e a medula espinhal. A maioria dos medicamentos atualmente disponíveis para a EM visa reduzir esses ataques para evitar mais danos.

No entanto, há também outro componente da EM: a perda de tecido cerebral ao longo do tempo. A perda de volume cerebral, ou atrofia cerebral, ocorre em todos à medida que envelhecemos, mas isso acontece em um ritmo mais rápido em pessoas com esclerose múltipla. Pesquisas anteriores também mostraram que, na EM, essa perda de volume cerebral pode ser uma característica precoce da doença e parece estar ligada ao acúmulo de incapacidade ao longo do tempo – mais do que o número de recidivas ou lesões no cérebro.

Devido a esta ligação com a deficiência, há um grande interesse neste processo de perda de volume cerebral. Parece que certas partes do cérebro são mais suscetíveis à atrofia do que outras.

Nova pesquisa  liderada pelo Dr. Arman Eshagi, do grupo de pesquisa Queen Square MS, em Londres, mostrou que a atrofia ocorre em uma sequência particular. O Dr. Eshagi  é do Irã e atualmente está realizando um MSIF McDonald Fellowship . Essas bolsas permitem que jovens pesquisadores de países emergentes trabalhem em uma instituição de pesquisa fora de seu próprio país. No final da irmandade, os pesquisadores voltam para casa para usar suas novas habilidades e redes para melhorar a pesquisa e o atendimento de EM em seus próprios países.

O Dr. Eshagi observou a perda de volume cerebral em pessoas com diferentes tipos de EM, pessoas com síndrome clinicamente isolada (um potencial precursor da EM) e pessoas sem EM. 1.424 pessoas participaram do estudo, que analisou áreas de perda de volume cerebral usando ressonância magnética (MRI). Ao olhar para a população como um todo, o Dr. Eshagi foi capaz de determinar as áreas afetadas pela perda de volume cerebral e, pela primeira vez, identificar a ordem em que as regiões foram afetadas.

O Dr. Eshagi suspeitava que o padrão de perda de tecido cerebral seria diferente para aquelas pessoas que começaram com EM remitente recorrente em comparação com pessoas com esclerose múltipla primária progressiva. De fato, a sequência de perda de volume cerebral foi razoavelmente consistente entre os diferentes tipos de EM. Áreas do cérebro conhecidas como córtex cingulado posterior, precuneus, tálamo e tronco cerebral foram afetadas nos estágios iniciais da EM, independentemente do tipo de EM que uma pessoa teve. O tema comum entre todas essas áreas é que elas são partes do cérebro com muitas conexões nervosas, talvez sugerindo que áreas como essas, que consomem muita energia e estão conectadas a várias outras áreas do cérebro, podem ser mais vulneráveis.

Outras descobertas

Uma análise mais aprofundada das pessoas com EM no estudo mostrou que outras regiões cerebrais conhecidas como insula, accumbens e caudate também eram propensas a sofrer perda de tecido no início da doença. Essas regiões podem fazer parte das vias cerebrais envolvidas na fadiga e na função cognitiva  – geralmente os primeiros sintomas que as pessoas relatam sobre a esclerose múltipla.

O Dr. Eshagi também analisou as mudanças no volume cerebral ao longo do tempo em indivíduos. Ele descobriu que a taxa de perda de volume cerebral estava relacionada ao tempo que o indivíduo viveu com a esclerose múltipla, independentemente do tipo de esclerose múltipla que eles tinham. Em pessoas com EM remitente-recorrente, a perda de volume cerebral foi independentemente relacionada ao nível de sua incapacidade.

Esta pesquisa é um grande avanço para melhorar nossa compreensão da EM. Embora este estudo represente apenas o primeiro passo, pesquisas futuras nessa área podem possibilitar a categorização do estágio de perda de volume cerebral de um indivíduo. Isso pode ajudar a identificar grupos de pessoas que podem se beneficiar de tipos específicos de terapias com base em seu estágio da doença, ou identificar pessoas para ensaios clínicos. Isso, por sua vez, levaria a resultados de ensaios clínicos melhores e mais significativos e, eventualmente, poderia ajudar a melhorar as decisões de tratamento para pessoas com EM na clínica.

Fonte: Multiple Sclerosis International Federation – Traduzido: Redação AME – http://bit.ly/2RfUARo

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS