Meus pensamentos sobre obesidade, dieta e o impacto na Esclerose Múltipla

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Escrito por Kim Dolce em 29 de novembro de 2021

 

Eu amo comer. Quanto mais velha fico, mais profundo fica o meu amor. Legumes, massas, aves e carne de porco. Big Macs, batatas fritas, molho e pizza. Pão Sourdough e azeite de oliva, homus mergulhado com pita ou vegetais crus. Libanês, vietnamita, mexicano, sushi, chinês, pipoca estourada em óleo e levemente salgada.

Caramba, comerei a toalha de mesa se você marinar com cebolinha e molho de gengibre. O velho McDonald tinha uma fazenda, e nessa fazenda está tudo que eu amo e poderia facilmente consumir em grandes quantidades até sentir como se fosse dar à luz um Xenomorfo.

Da fazenda para a mesa, da mesa para a boca, é uma diversão deliciosa. Mas como isso está afetando minha esclerose múltipla?

Por que somos tão duros conosco?

Eu me sinto bem. Uma contabilidade vaga, eu sei, mas mais sobre isso depois. Meu IMC é 32 e tenho sessenta e poucos anos. Ganhei peso depois de parar de fumar há seis anos e já estava acima do peso. Mesmo assim, meus exames de sangue são normais em todos os aspectos. Açúcar no sangue, pressão arterial, colesterol, tireóide, tudo está dentro da normalidade.

Isso me diz que estou saudável com o peso que tenho. Continuo lendo que, na minha idade, perder peso deve ser mais uma questão de saúde do que de aparência. Pode ser verdade, mas irrita meu único nervo de vaidade. Com a experiência, descobri que a perda de peso não restaura minha figura e proporções juvenis.

Grande chatice na época, mas tenho que admitir que é mais fácil aceitar quando meus amantes me dizem o quão sexy eu pareço. Nós, mulheres, somos tão duras com nós mesmas.

O que comemos realmente importa?

Qualquer pessoa que tenha EM pode ir para esse lugar de autocrítica também, por uma série de razões. Não nos exercitamos o suficiente, não nos alongamos o suficiente, desafiamos nossas células cerebrais o suficiente, dormimos o suficiente e, sim, nos alimentamos de maneira saudável. Temos problemas de digestão, problemas intestinais e de bexiga, problemas de deglutição. Engasgamos, tossimos, vomitamos.

Às vezes, engasgamos com nossa própria saliva. Alguns dias é um desafio apenas fazer com que a comida passe por nossos lábios, desça pela goela e chegue ao estômago, sem que algo a estrague. Tempos divertidos.

Mas quando o mistério cósmico nos deixa passar, podemos escolher, saborear, desfrutar e digerir livremente nossos favoritos. Como escolhemos? O que comemos realmente importa?

Não pelos motivos que você pode pensar

Acho que importa, mas não pelos motivos que você pode pensar. Até o momento, não existe uma dieta oficial para a EM que tenha sido testada e considerada capaz de criar uma remissão dos sintomas, reparar a mielina danificada ou impedir que as células do sistema imunológico ataquem a mielina.

Mas comer uma dieta rica em proteínas, carboidratos complexos e gordura alimenta os músculos, protege a função dos órgãos e fornece combustível para energia, coisas que podem ser um verdadeiro desafio de manter para pessoas com esclerose múltipla.

Nesse sentido, é muito importante comermos alimentos inteiros, além de tudo o que pode ser considerado “lixo”, também conhecido como calorias vazias que amamos.

Sentindo-se melhor, mais forte e mais seguro

Então, o que eu quis dizer quando disse que me sinto bem no que diz respeito à dieta que afeta minha EM? Apesar do desconforto da síndrome do intestino irritável (IBS), eu sei que verifiquei todas as caixas para uma boa nutrição e, no geral, me sinto muito saudável.

Junte isso com a quantidade certa de atividade – e isso é um desafio muito maior para mim do que acertar em termos alimentares – e acho que estou no caminho certo para me sentir ainda melhor, mais forte e mais segura.

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: Multiplesclerosis.net / Por Kim Dolce – 29 de novembro de 2021

Explore mais